Assembleia de Deus Vitória em Cristo

Próximo evento

CULTO EM AÇÃO DE GRAÇAS PELA VIDA DO PASTOR SILAS MALAFAIA

Bíblia Online:

OK

Enquete

Você já descobriu qual é a sua missão de vida? O que você nasceu para realizar nessa terra?


Veja a Parcial

Blogs

Pastora Elizete Malafaia


Psicóloga, Terapeuta da Família e Coordenadora do Departamento de Mulheres Vitoriosas.
mulheresvitoriosas@advitoriaemcristo.org

Aprenda a ouvir e a obedecer a Deus

09.06.2014

Se forem humildes e me obedecerem, vocês comerão das coisas boas que a terra produz (Is 1.19 NTLH)

Começamos uma nova etapa em nossa história. Mais um ano em que devemos continuar nossa trajetória de vida cristã nesta terra enquanto Jesus não volta. Por meio desse texto bíblico, aprendemos a importância de ouvir e obedecer à Palavra de Deus, a fim de sermos bem-sucedidos nas áreas espiritual, emocional, física e material.

A grande dificuldade do ser humano em ouvir e obedecer teve início no jardim do Éden, quando Adão e Eva, mesmo tendo sido orientados por Deus, escolheram fazer a sua própria vontade. A desobediência deu origem ao pecado. Quando deixamos de cumprir os princípios da Palavra de Deus, praticamos a desobediência, e o pecado se estabelece em nossa vida.

Precisamos entender a importância da obediência e desenvolver a disciplina no que se refere à vontade de Deus. Se formos obedientes, desfrutaremos do melhor desta terra.

Em 1 Samuel 15.22 (NTLH), o profeta respondeu ao rei Saul: O que é que o SENHOR Deus prefere? Obediência ou oferta de sacrifícios? É melhor obedecer a Deus do que oferecer-lhe em sacrifício as melhores ovelhas.

Quantas pessoas estão sofrendo e vivendo sem direção espiritual, pois focam somente o sacrifício e não obedecem aos mandamentos de Deus. São verdadeiras religiosas. O evangelista Lucas, no capítulo 6, versículo 46, registrou o questionamento de Jesus: E por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu digo?

Aprendemos com o Mestre que não adianta chamá-lo nos momentos de adversidade se não somos fiéis aos Seus princípios. Pedro e os demais apóstolos também entenderam o segredo da obediência quando declararam em Atos 5.29: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens. Já Tiago (1.22), declarando-se servo de Jesus Cristo, adverte os que estão apenas se enganando: E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos. Muitos na sua trajetória não somente andam no engano, como também enganam outros. Estes nunca serão bem-sucedidos.

Neste ano de 2014, quero incentivá-lo a continuar sendo um cristão obediente a Deus e aos princípios de Sua Palavra, que é o nosso manual de fé e prática. Nada nem ninguém podem substituir os valores encontrados nas Escrituras.

Declare:

Eu estou disposto a obedecer aos princípios da Palavra de Deus. Estabeleço para minha vida um ano padrão de excelência pessoal, familiar, espiritual, emocional e financeiro, baseado na Verdade.

Seja obediente a Deus, aos seus pais, aos seus pastores, aos seus líderes e aos seus patrões. A obediência é o segredo da vitória.

Que você tenha um ano vitorioso sob a direção de Deus.


1 comentário

Aprenda com o fracasso

17.04.2014

Quem nunca vivenciou um fracasso, momentos de crises e de perdas na sua história ou nunca fez nada na vida, jamais se submetendo à possibilidade do fracasso, ou é um ser humano infalível, um super-herói. Afinal, todos sabemos que, desde a Queda, ficamos com um “defeito de série”, estando sujeitos ao fracasso seja na área espiritual, seja na profissional e na afetiva.

Contudo, quando isto acontecer, é muito importante estar aberto e ser flexível para fazer as mudanças necessárias. Esteja preparado para aprender com o seu fracasso! Este faz parte do nosso processo de crescimento, aprendizado e aprimoramento.

Davi, por exemplo, entendeu a importância da íntima comunhão com Deus quando fracassou, cometendo um adultério e um homicídio. Após ter pecado, Davi se arrependeu, confessou-se e suplicou o perdão de Deus. Por fim, disse: Não me lances fora da tua presença e não retires de mim o teu Espírito Santo (Salmo 51.11). Davi cresceu com o seu fracasso. Compreendeu o segredo de ter Deus como Senhor de toda a sua vida e percebeu que dependia da presença do Criador diariamente.

Muitas vezes passamos por situações difíceis em nossos relacionamentos, crises financeiras, desemprego, doenças. Entretanto, nunca nos esqueçamos que Deus está no controle. Ele é soberano. Lembremos que seremos julgados não por nossos fracassos, mas pelo que fazemos com eles; pela maneira como reagimos a eles.

Você já leu biografias de pessoas que venceram na vida? Se ler, verá que elas não omitem seus fracassos; ao contrário, revelam-nos e afirmam que se tornaram vitoriosas a partir deles. E o que dizer dos homens e das mulheres mencionados na Bíblia; personagens como Abraão, Sara, Davi, Raabe, a mulher samaritana?

Aprenda a utilizar o fracasso como aprendizado para a sua vida. O mais importante é o que você faz depois. Algumas vezes, será preciso visitar o passado para verificar onde foi que você falhou e tentar mudar. Muitas das dificuldades e dos sofrimentos vividos, e não totalmente resolvidos, costumam acumular-se em nosso inconsciente de forma velada, recalcada, que se manifesta interferindo em nosso comportamento presente e até futuro.

Por isso, revisitar o passado pode ser útil, obrigando-nos a refletir sobre o que gostaríamos de mudar em nós, em nossos relacionamentos e em nossa jornada. Revisitar o passado nos ajuda a limpar a nossa mente e equilibrar nossas emoções por meio do perdão, da graça e do amor. Assim, tornamo-nos pessoas sem fobias, traumas e, principalmente, sem autocomiseração, pena de nós mesmos.

Sabe quando você poderá considerar-se uma pessoa adulta, livre e dona de sua história? Quando se deparar frente a frente com o sucesso e com o fracasso, e conseguir lidar da mesma forma com essas duas situações, porque aprendeu que na vida há momentos de tristeza e de alegrias; de perdas e de ganhos; de erros e de acertos; mas tudo isto traz consigo oportunidades de aprendizado.

O apóstolo Paulo entendeu o que é vivenciar o fracasso e o sucesso em sua vida. Ele disse: Sei estar abatido e sei também ter abundância; em toda a maneira e em todas as coisas, estou instruído, tanto a ter fartura como a ter fome, tanto a ter abundância como a padecer necessidade. Posso todas as coisas naquele que me fortalece (Filipenses 4.12,13).

Que você também compreenda esse segredo e não se deixe levar pelo fracasso momentâneo, sentindo-se inferiorizado. Que também não se iluda com o sucesso, nutrindo um sentimento de superioridade em relação aos outros. Que tanto o fracasso como o sucesso tragam para a sua vida crescimento nas áreas espiritual, emocional, física e material.

Um forte abraço! Que Deus o abençoe!


Nenhum comentário

Administradores do presente e futuro – Parte 1

11.03.2014

Seja o mundo, seja a vida, seja a morte, seja o presente, seja o futuro, tudo é vosso. (1 Co 3.22b)

O apóstolo Paulo disse que duas coisas em particular nos pertencem: o presente e o futuro. Portanto, até certo limite, podemos fazer aquilo que queremos. Somos donos do nosso presente e do nosso futuro. Que responsabilidade! Mas Paulo acrescenta: Tudo é vosso; e vós, de Cristo, e Cristo de Deus (1 Co 22b,23a).

Neste trecho, percebemos que somos propriedade de Deus, daquele que nos dá um presente e um futuro para administrar. E cabe a cada um de nós usar o tempo da melhor maneira possível, dando sempre o nosso melhor nas áreas espiritual, emocional, física e material, para que possamos produzir frutos notáveis.

Certamente, o presente é o mais importante para nós porque o futuro ainda não chegou. No entanto, devemos construir o nosso amanhã desde já, pois nossa vida se assemelha a uma seara: colheremos o que tivermos semeado (Gl 6.7).

Nunca se esqueça de que o seu futuro está implícito no seu dia-a-dia. O que você semear hoje, seja bom ou ruim, vai interferir no seu futuro. Contudo, ainda há cristãos que se surpreendem quando colhem fracassos no seu amanhã, pois se esquecem de que semearam tudo o que era necessário para colher a derrota.

Alguém já disse: “Nossa vida, com seu passado e seu futuro, para Deus, é sempre presente”. O dia de hoje é o mais importante. É neste dia que Deus nos espera de braços abertos para intervir em nossa vida.

Tudo que aconteceu ontem e ocorrerá amanhã pertencem ao nosso agora. Mesmo cientes disso, temos muita dificuldade de viver o hoje! Não sabemos usufruir do tempo que vivemos, sendo que a melhor maneira de aproveitar o nosso hoje é simplesmente estar em comunhão com Aquele que disse: Eu sou o que sou, e vive um eterno presente.

Eis algumas questões que todo cristão espiritualmente vigilante deve colocar para Deus: O que o Senhor está preste a fazer? O que vai me dizer? O que deseja dar-me e pedir a mim? O que quer que eu faça?

É assim que deve ser. Nosso viver diário tem de estar em sintonia com o Espírito Santo. Em Hebreus 3.15, está escrito: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração. Nosso coração se endurece quando não bate no ritmo do Deus vivo, quando vive ruminando o passado, ou ansioso com o futuro. Com isso não desfrutamos das promessas de Deus em nosso presente.

Pergunte ao Senhor: “Pai, qual é a palavra que o Senhor tem para o tempo em que vivo? Para o lugar no qual eu me encontro? Para minha vida sentimental? Para minha área profissional? Para o ministério em que atuo?” E não se esqueça do que alerta em Eclesiastes 3.4: há tempo de chorar e tempo de rir; tempo de prantear e tempo de saltar… Há tempo para tudo!

Você consegue compreender o tempo em que vive? Pois é tempo de ação, de buscar a Deus, de dar testemunho com a sua vida! Existem muitas pessoas sofrendo porque não param para analisar, entender e mudar o seu estilo de vida. Ainda não se deram conta de que os tempos mudaram e vão continuar mudando.

Que possamos pedir a Deus discernimento espiritual e sabedoria (Tg 1.5,6). E que sejamos também como os homens de Issacar, que tinham entendimento para saberem o que Israel deveria fazer (1 Cr 12.32) em qualquer circunstância. Que o Senhor aguce os nossos ouvidos a cada manhã para que ouçamos Sua voz!

 


Nenhum comentário

Administrando conflitos – Parte 7

19.02.2014

É normal nos sentirmos frustrados quando algumas de nossas necessidades não são satisfeitas. Esse sentimento, porém, é capaz de gerar uma hostilidade contra a causa direta da frustração, produzindo, por vezes, uma transferência de agressividade.

A psicóloga Anne-Marie Rocheblave, em seu livro Frustração e conflito, cita o caso de uma menina de três anos que costumava ser desagradável com seus pais às segundas-feiras porque algumas vezes eles se ausentavam no domingo, ou recebiam amigos nesse dia, dedicando pouco tempo a ela. A criança também se mostrava hostil com os convidados, pois entendia que eles a afastavam dos pais dela.

Segundo Maslow, estudioso do comportamento humano, todo indivíduo tem necessidades fisiológicas de segurança, de pertencer a algo ou a um grupo, de realização, e necessidades espirituais. Quando uma dessas necessidades não é atendida, ele se sente frustrado, podendo tornar-se agressivo com ele mesmo e com outros.

Há pessoas que se autodestroem com as drogas, a prostituição, ou desejam destruir o próximo. É o caso daquelas que cometem crimes em massa, como o jovem que matou a tiros 12 crianças em uma escola no Rio de Janeiro. As frustrações mal resolvidas de sua adolescência o levaram a matar principalmente meninas, pois eram elas que mais debochavam dele.

Medo, ódio, agressividade, inveja, ciúme, desejo de possuir. Todos esses sentimentos que os adultos sentem e expressam têm origem em experiências ocorridas durante a sua gestação ou na infância, ainda que, naturalmente, alguns acontecimentos fiquem reprimidos e esquecidos no inconsciente.

Uma das frustrações mais frequentes diz respeito à segurança e à sensação de dependência. A pessoa que se sente rejeitada, abandonada, desamada ou mal-amada se protegerá com uma relação de hostilidade, ou terá insegurança nos seus relacionamentos, apoiando-se em uma falsa contradição quanto ao que aparenta ser e o que realmente é. Essa sensação de ambivalência a angustia de tal forma que ela compensa essa angústia reforçando a sua agressividade.

Todos nós temos um lado iluminado e um lado sombrio, e este precisa ser reconhecido, analisado e trabalhado internamente. Não gostamos que digam que somos agressivos, mas, segundo o apóstolo Paulo, autoanalisar-se é o segredo para que o ser humano conviva bem com seus semelhantes: Portanto, que cada um examine a sua consciência e então coma do pão e beba do cálice (1 Co 11.28 NTLH).

Paulo reconhecia a importância da autoanálise para refrear sentimentos e atitudes que muitas vezes tememos. Quando negamos nossas pulsões agressivas ou tentamos ignorá-las, elas ressurgem sob as formas mais insidiosas: farisaísmo, perseguição, proselitismo, pretensão, maledicência, hipocrisia, ascetismo.

Portanto, o melhor é não negar a nossa agressividade, mas identificar nela o aspecto positivo e cuidar para que não se torne negativa, procurando desenvolver a cada dia em nosso viver diário o fruto do Espírito, registrado em Gálatas 5.22,23 (NTLH): Mas o Espírito de Deus produz o amor, a alegria, a paz, a paciência, a delicadeza, a bondade, a fidelidade, a humildade e o domínio próprio. E contra essas coisas não existe lei.

 

 


Nenhum comentário

Administrando conflitos – Parte 6

10.02.2014

Nesta edição, falaremos sobre a cólera, um sentimento inerente a todo ser humano e que não é necessariamente um pecado, uma violação à Lei de Deus. É com frequência um fenômeno bioquímico, que independe da nossa vontade. Em segundos, o coração bate mais rápido, a pressão sanguínea se eleva, e o corpo passa da calma para o estado de alerta.

Porém, o apóstolo Paulo nos adverte: Irai-vos e não pequeis (Ef 4.26). Isso quer dizer que temos condições de controlar a sequência imediata desse processo fisiológico. Circunstâncias ou pessoas podem levar-nos à cólera, mas somos nós que escolhemos permanecer coléricos, e a cólera se torna ruim quando optamos por permanecer nesse estado.

Pessoas com tendência à cólera podem encontrar a origem desse sentimento na infância. Crianças que foram reprimidas em suas emoções podem, na fase adulta, defender-se da repressão criando problemas e indignando-se até diante de situações simples. As que foram criadas por pais que gritam por qualquer motivo podem fazer o mesmo pelo mecanismo de imitação, acreditando que é a maneira correta de relacionar-se. As crianças vítimas de comentários negativos correm o risco de sofrer com o sentimento de inferioridade e de insegurança na idade adulta, permanecendo sempre na defensiva e encarando até mesmo um gesto insignificante como um ataque pessoal. Já as habituadas a “fazer cenas” para conseguir o que querem poderão tornar-se adultos que se irritam violentamente, ou que guardam rancor, são dissimulados e ignoram as pessoas que os cercam quando contrariados.

A cólera é uma manifestação enérgica resultante da infância que tivemos. Porém, quando adultos, podemos aprender a lidar com ela, direcionando-a para atitudes certas. A primeira é controlá-la, canalizando a energia para algo positivo para nós e para o próximo. Nessa situação não é pecado. A Bíblia diz: Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira.

Não deixe a amargura habitar no seu coração, para não contaminar seu espírito, porque você perderá a graça de Deus, conforme Hebreus 12.15. Além disso, contagiará as pessoas que convivem com você.

A segunda atitude está relacionada ao pecado. Quando alguém se deixa dominar pela cólera, ou a reprime, ela se acumula no inconsciente, até o dia em que há uma explosão. Quando isso acontece, é normal que a pessoa se questione, transfira para outros alvos ou para si mesma a culpa por sua reação. Em alguns casos, esse comportamento, segundo estudiosos, pode levar à depressão, que é uma dor mal resolvida.

O ser humano tem de aprender a administrar seus conflitos, principalmente os internos. Cada conflito é uma oportunidade de mudança e crescimento na relação intrapessoal e interpessoal. Encare as desavenças com “bons olhos”, aprenda com a situação, mude sua postura e a maneira de perceber o outro.

Estejamos atentos aos nossos relacionamentos, pois um dos perigos do conflito é que ele pode matar em nós o desejo do amor fraternal. Acrescente à sua fé o conhecimento, e a este o amor fraternal, como recomenda 2 Pedro 1. O amor é a maior energia positiva no ser humano que pode ajudá-lo na solução de todos os seus conflitos.


Nenhum comentário

Administrando conflitos – Parte 5

05.02.2014

A natureza humana é muito complexa. Nós somos diferentes uns dos outros e nossas histórias de vida também são diferentes. Porém, é isso que enriquece os relacionamentos e proporciona o crescimento dos grupos nas áreas espiritual, emocional, física e material.
A beleza da diversidade de talentos, dons e desejos, e da maneira de ver a vida acrescenta ao mundo, e aos seres humanos, os sonhos, as alegrias, a comunhão, a compaixão, o amor, o conhecimento, etc. O importante é que nos conheçamos, observando a forma como direcionamos a nossa vida na área espiritual, como lidamos com as nossas emoções, e se o que vivemos contribui para o nosso crescimento e das pessoas que estão à nossa volta.
Já falamos sobre o egoísmo e a inveja. Agora, abordaremos um tema da mesma importância: o orgulho. Segundo C. S. Lewis, “trata-se de um vício que não poupa ninguém no mundo; que todo mundo despreza quando o percebe no outro. E quanto mais ele se manifesta em nós, mais nos desagrada no outro. Esse vício devora até mesmo a possibilidade do amor, da alegria ou do simples bom senso”.
Compreende-se muitas vezes por que uma pessoa é arrogante quando nos reportamos à sua infância. Ela pode ter sido mimada, educada com muita tolerância ou frustrada porque a sua vontade era contrariada. Assim, na idade adulta, quer controlar o mundo e as pessoas que a rodeiam. De modo geral, o orgulho denota falta de maturidade espiritual e psicológica.
Veja algumas características da pessoa orgulhosa: 
• considera-se infalível em suas opiniões e não reconhece que erra ou que pode errar;
• pensa que é sempre capaz de discernir e interpretar a vontade de Deus;
• julga-se melhor que os outros;
• não consegue autoanalisar-se e projeta nos outros o que a incomoda;
• está constantemente insatisfeita e desconfiada;
• é insensível e ambiciosa;
• tem necessidade de reconhecimento;
• é a sua própria autoridade;
• não consegue ser submissa à autoridade espiritual, ao seu pastor, aos seus líderes, aos pais, ao cônjuge; nos relacionamentos afetivos e na sua vida profissional;
• é irredutível nos seus pontos de vista, recusando-se a abandonar suas vontades pelo bem do grupo;
• quando sua opinião não prevalece, faz o que pode para enfraquecer a autoridade dos outros;
• quase sempre é irônica e ferina;
• tem prazer em ser bajulada;
• concentra-se sempre nas fraquezas dos outros, pois não consegue observar as suas.
De todos os tipos de orgulho, o espiritual é o pior. A Bíblia cita o exemplo de Lúcifer, que se deixou contagiar pelo orgulho, considerando-se mais poderoso do que Deus, porém o seu final foi a derrota.
Na Bíblia, também encontramos algumas orientações relacionadas ao orgulho. Leia atentamente os conselhos registrados em Salmos 31.23, 101.5, 123.4 e em Provérbios 11.2 e faça diariamente esta oração: Querido Paizinho, que eu nunca me esqueça de que dependo do teu amor, da tua piedade e da tua graça para ser teu filho nesta terra. Ajude-me, a cada dia, a reconhecer a minha dependência de ti e dos outros seres humanos.

Nenhum comentário

Administrando conflitos – Parte 4

29.01.2014

Discutimos esse tema amplamente, mas não é demais analisarmos com profundidade questões que estão presentes no nosso dia-a-dia. Desta vez, o assunto a ser tratado este mês é a inveja.

Esse sentimento pode surgir ainda na infância. Pode ser motivado, por exemplo, pelo nascimento de um irmão ou uma irmã. Nesse caso, não se trata de um pecado, mas de um sentimento afetivo real que os pais devem discernir compreender e curar. Dizemos à criança que ela deve amar o novo membro da família, mas, inconscientemente, ela o odeia porque pensa que o recém-nascido roubou o amor de seus pais. Para reencontrar esse amor, ela maltrata o bebê e torna-se desobediente e irritadiça.

Mas, de onde vem à inveja? Ela possui duas origens: externa e interna.

Origem externa

Nenhum grupo, e aí se inclui a família, possui todos os recursos de que cada membro precisa. Os recursos afetivos, técnicos, financeiros, entre outros, revelam-se sempre limitados.

Sua divisão justa é uma tarefa difícil. Mesmo se cada um recebe uma parte do “bolo”, inevitavelmente, há descontentes em relação a questões concretas, tais como: Quem vai usar o carro da família? Quem vai ocupar o melhor quarto? Quem terá tal responsabilidade?

Origem interna

Alguns estudiosos do comportamento dizem que a inveja nasce do desejo mimético, da imitação. O que rege a relação do ser humano é o desejo de possuir o que o outro tem. Veja como uma criança reage quando o irmão, por exemplo, ganha um bombom. Ela logo grita que também quer.

Muitas vezes queremos ser o que o outro é, saber o que o outro sabe, possuir o que o outro possui. E, é claro, o outro se torna um concorrente porque é no lugar dele que queremos estar, fazer ou possuir. É dessa maneira que o conflito penetra os relacionamentos. Passamos da imitação à rivalidade, da admiração à animosidade. O outro é nosso modelo, mas, justamente por esse motivo, ele se torna nosso rival (Ec 4.4).

De um lado, a “inveja é aquilo que faz de nós um ser social”, como diz Françoise Dolto, já que ela nos leva a tomar consciência dos outros e a imitá-los. Mas, por outro lado, ela destrói as relações e suscita uma hostilidade intensa e duradoura.

A pessoa invejosa é agressiva, crítica, irônica, conduz-se de maneira desvalorizadora, cheia de desprezo em relação àqueles que consideram como rivais. Enfim, o invejoso não descobriu quem ele é e qual o seu propósito neste mundo. Por isso, passa a ser uma pessoa altamente insegura e incomodada com o outro, quase sempre insatisfeita com tudo e com todos, a começar com ela mesma. Ela se concentra obsessivamente no objeto de sua inveja, e, assim, seu campo de visão se retrai. O invejoso pode, então, tornar-se amargurado ou amar de uma forma exagerada e hipócrita.

O que fazer para livrar-se da inveja? Faça um levantamento de tudo o que Deus lhe tem dado e seja grato por tudo; aceite suas limitações e evite rigorosamente se comparar com outras pessoas; passe a agradecer a Deus pelos talentos, dons e pela capacidade dos outros; lembre-se de qual é o seu chamado em Deus, e não deseje o chamado dos outros. Leia Êxodo 20.17; 1 Coríntios 3.3; 13.2; Tito 3.3.

 

 

 


Nenhum comentário

Mantendo firme a esperança nas promessas de Deus

02.01.2014

Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração (Romanos 12.12).

 

Ao iniciar mais um ano, meu desejo é que possamos manter nossa esperança firmada nas promessas da Palavra de Deus. Tudo passa nesta Terra, mas a Palavra de Deus permanece para sempre. Não deixe nada, nem ninguém e nem circunstância, por pior que seja, influenciar sua fé, seu amor e sua confiança em Deus. Ele está e sempre estará no controle de sua vida.

 

O apóstolo Paulo nos orienta a não perdermos a alegria, pois ela gera força física e espiritual em nosso ser. Satanás age de todas as formas possíveis para minar nossa alegria que vem do Espírito Santo. Não permita que isso aconteça, porque a alegria do Senhor é a nossa força (Neemias 8.10).  

 

Paulo também nos incentiva a sermos pacientes e perseverantes em nossa comunhão diária com Deus. Para isso é necessário termos esperança, porque é ela que nos leva a mantermos a paciência e a sermos perseverantes.

 

Segundo o dicionário, a definição de esperança é: Sentimento de quem vê como possível a realização daquilo que deseja. Nossos desejos são alimentados diariamente pela esperança, que é a força motivadora de nossa vida. Ela nos impulsiona a seguir em frente e a não desistir.

 

A Bíblia nos fala em 1 Coríntíos 13.13 que agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor. É interessante que a palavra esperança esteja justamente entre a fé e o amor. Sabe por quê? A fé sem esperança não cria expectativa, não move uma pessoa a agir, a visualizar o que almeja ou a gerar o impossível em sua mente.

 

O amor sem esperança não tem durabilidade e não gera investimento. A esperança alimenta o amor a continuar, a não desistir, a não abrir mão e até a se sacrificar. Alimente diariamente com esperança a sua fé e o seu amor a Deus, ao próximo e por você mesmo.

 

Nosso maior exemplo de esperança é Deus, que acreditou e investiu no ser humano mesmo depois da queda. Enviou Seu único filho, Jesus Cristo, e tem preparado um lugar especial para todos nós. A esperança nunca morre; ela é eterna. Deus nunca perdeu a esperança e tem investido em nós todos os dias.

 

E você já perdeu a esperança? Talvez você tenha perdido a esperança em si mesmo, de ser próspero, de ser feliz novamente. Perdeu a esperança de receber uma cura, o milagre financeiro, a casa própria. Você pode ter desistido de seu chamado, de seu ministério, de seus sonhos.

 

A Bíblia nos mostra homens e mulheres que não desistiram das promessas de Deus, pois foram alimentados por fé, esperança e amor. Inspire-se nos exemplos de Joquebede, Ana, Moisés, Abraão e Sara, Ester, Noé, Calebe e Josué, a mulher cananeia, a mulher do fluxo de sangue e tantos outros.

 

Leia estes textos e coloque-os em um local acessível, para que nos momentos em que a vontade de desistir surja, você possa ler e ser renovado por meio da poderosa palavra de Deus: Colossenses 1.5; Salmos 25.3; Lamentações 3.26; Romanos 3.3-5; 1 Coríntios 15.19; 1 Pedro 1.3-4; 1 João 3.2-3.

 

Que você tenha um ano de muitas vitórias e grandes conquistas. Feliz 2014!

 


1 comentário

O verdadeiro significado do Natal!

02.01.2014

De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz (Fp 2.5-8).
 
Celebrar o Natal nos faz refletir sobre o verdadeiro sentido dessa data tão importante para nossa vida, para os nossos relacionamentos e para a nossa eternidade.

Muitas pessoas ainda não entendem o verdadeiro motivo de comemorarmos o nascimento de Jesus Cristo. Algumas só se preocupam em comprar, presentear e receber presentes. Muitas até se endividam excessivamente e já iniciam o ano novo ansiosas, com sérias questões financeiras. Infelizmente, acreditam que os presentes podem ser a solução para problemas que não foram resolvidos e enfrentados durante o ano que finda e até em anos que passaram.

O Natal deve sim nos motivar a analisarmos nossas atitudes com nossos familiares e com as pessoas com as quais nos relacionamos. Por nos amar e ter prazer em se relacionar conosco, Deus enviou o Seu Filho amado para ser o mediador entre nós e Ele.

A cada dia, o Senhor demonstra o quanto se importa e se alegra em conviver conosco, mesmo quando falhamos com Ele. O Filho de Deus deixou a Sua glória para nos ensinar a sermos bênção por meio de nossos relacionamentos.

Vejamos algumas atitudes vitais na vida de Jesus que nos ensinam a sermos bem sucedidos:

·         Renúncia

Ele deixou a Sua glória! E você, o que precisa deixar ou renunciar para manter um relacionamento saudável com Deus, com você mesmo e com o seu próximo? Pecado, egoísmo, ciúme, ódio, ressentimentos, sentimento de inferioridade, adultério, orgulho, inveja, raiva, amargura, mentira, gritaria, prostituição, fornicação, pornografia e maldade são atitudes que têm afastado você de Deus. Deixe Jesus nascer em sua vida hoje. Ele quer fazer morada em sua alma, corpo e espírito.

·         Obediência

Jesus foi obediente ao Pai em tudo. Obedeça aos princípios da Palavra de Deus e às autoridades que o Senhor tem colocado sobre sua vida.

·         Humildade

Ele se humilhou e suportou as afrontas. Desenvolva a humildade e o Senhor o exaltará como exaltou Jesus. Seja gentil e aprenda a ouvir e servir. Jesus tomou a forma de servo e entendeu que a grandeza do ser humano está no serviço que presta ao seu próximo. Ele agiu com amor, renúncia, fé, bondade, compaixão, ousadia, humildade, gratidão e otimismo, deixando um legado para as próximas gerações. E você, que herança deixará para as suas próximas gerações?

Que, motivados pelo exemplo de Jesus, o sentimento do Natal possa ser vivenciado diariamente em nossa vida e em nossos relacionamentos. Que sejamos pequenos “Cristos” em nossa maneira de falar, andar, reagir e agir com o nosso próximo.

Assim como Jesus triunfou, e foi exaltado por Deus, um dia todos nós seremos exaltados e receberemos uma coroa, um galardão, um novo nome e viveremos um eterno Natal nos Céus!

OLHO:

“Que, motivados pelo exemplo de Jesus, o sentimento do Natal possa ser vivenciado diariamente em nossa vida e em nossos relacionamentos”





Nenhum comentário

Nunca deixe de sonhar!

26.12.2013

“É possível destruir o sonho de um ser humano quando ele sonha para si; mas é impossível destruir seu sonho quando ele sonha para os outros; a não ser que lhe tirem a vida” (Augusto Cury).

Os seres humanos que sonham, ousam e fazem-se vencedores são aqueles que se mantêm firmes em seus projetos e ideais, mesmo diante dos obstáculos.

Os sonhos são fonte de entusiasmo e energia em nosso cotidiano; estimulam-nos a estudar, a aprender, a planejar, a analisar, a estabelecer metas e objetivos e a “correr atrás” para que se realizem. Desde o ventre materno, nossos pais já têm sonhos para nós. Sonham em como seremos e o que seremos. Uma das perguntas mais comuns que os pais fazem aos seus filhos é: “O que você vai ser quando crescer?”.

Realizar os sonhos é o que nos permite sobreviver às turbulências do dia a dia e nos impulsiona a seguir em nossa jornada, mas não basta sonharmos para nós mesmas ou para outros. Precisamos ser íntegras na realização de nossos sonhos.

Muitas pessoas alimentam sonhos quase inatingíveis, e, para concretizá-los, passam por cima de outras pessoas. Analise seus sonhos e empenhe-se para fazer o que realmente está ao seu alcance. Assim, não será preciso prejudicar nem tirar vantagem de ninguém, pois quem abre mão de seus próprios interesses em prol de um bem maior colherá bons frutos.

Para que seus sonhos se concretizem, é imprescindível que haja esperança, persistência, coragem, fé, amor, paciência, humildade, direção de Deus e obstinação.

Nossos sonhos são bússolas que nos indicam o caminho a seguir e a meta que queremos alcançar. Eles nos impulsionam, nos fortalecem e nos permitem crescer. Se os nossos sonhos forem pequenos, nossas possibilidades de sucesso serão limitadas. Nunca desista dos seus sonhos, pois desistir é abrir mão da sua felicidade.

Ao enviar o Seu único Filho, Jesus Cristo, ao mundo para morrer por nós e garantir-nos a vida eterna, Deus cumpriu o que planejou para o ser humano. Em João 10.10b está escrito: eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância.

Para que tivéssemos a oportunidade de realizar nossos sonhos, Cristo morreu por nós. Por isso, ouse sonhar em todas as áreas de sua vida, lembrando que o sonho mais importante que deve permanecer no seu coração é o de um dia morar no céu com Jesus.


Nenhum comentário

Natal, o nascimento de Cristo em nossa vida.

21.12.2013

E ela dará à luz um filho, e lhe porás o nome de JESUS, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. (Mateus 1.21)

E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens. (Lucas 2.52)

O Natal representa o nascimento de Cristo dia após dia em nossa vida. Ser cristão é ser um pequeno Cristo nesta terra, um discípulo de Jesus que vive de acordo com o que Ele ensinou com sua própria vida.

Querido irmão, que o Natal seja uma data especial para você e para todos os seus familiares. Que neste dia, vocês possam repensar sobre o que o nosso Senhor e Salvador vieram ensinar-nos com sua vida e com seu relacionamento com Deus e com os homens!

Que o amor, o perdão, a alegria, a paz, a bondade, a mansidão, a tolerância, a compaixão e o domínio-próprio sejam constantes em nosso viver diário! Que a intimidade com Deus, a unção, a autoridade e o poder divino sejam desenvolvidos em nossa vida diariamente até chegarmos à estatura de Cristo!

Meu desejo de todo o coração é que você e sua família tenham Jesus reinando em sua vida, para que as marcas dele estejam impregnadas em tudo o que fizerem, em suas palavras e atitudes. E, assim, todos os verão e sentirão a diferença em seu viver, sendo atraído para Deus por sua vida, seu modo de ser e de agir.

Que Deus o abençoe cada dia mais!

 

 


Nenhum comentário

Segredos para mantermos relacionamentos saudáveis

03.12.2013

O ex-presidente da General Eletric escreveu algo que nos faz refletir sobre relacionamentos: “Temos de desfazer um conceito secular e convencer nossos gerentes de que seu papel não é controlar as pessoas e ficar por cima, e sim orientar, educar, energizar e estimular”.

Como seres humanos, feitos à imagem e semelhança de Deus, fomos criados para mantermos relacionamentos saudáveis com o Senhor, conosco e com todos os nossos semelhantes. E isso em qualquer lugar onde colocarmos a planta de nossos pés, pois Jesus nos deu esta ordenança no Sermão do Monte: Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus (Mt 5.9).

Durante seu ministério terreno, Jesus nos deixou muitos ensinamentos. Quando Ele falou sobre a bem-aventurança de ser um pacificador, em outras palavras, destacou que os filhos de Deus devem ser solucionadores de conflitos em todas as áreas: espiritual, conjugal, com os filhos ou profissional.

Fomos criados por Deus para sermos “seres de ajuda”. Foi este o exemplo que o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo nos deu enquanto viveu neste mundo como homem. Sempre que Ele encontrava pessoas necessitadas, procurava ajudá-las. Foi assim com o cego de Jericó, a mulher samaritana, Maria Madalena, os leprosos, a mulher cananeia, o publicano Zaqueu, a mulher do fluxo de sangue, os discípulos e muitas outras pessoas.

Jesus é o nosso maior e melhor exemplo de vida para que tenhamos relacionamentos saudáveis. Ele veio sinalizar-nos que Deus nos criou para ajudarmos uns aos outros.

Esta é a cultura da dádiva (doar, ofertar, presentear) — algo que o Altíssimo exerceu muito bem, como vemos em João 3.16: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

Que linda e importante expressão de doação! O Criador deu o que tinha de melhor e mais precioso em prol do outro, da humanidade como um todo. Que linda expressão de amor e compaixão pelo ser humano! Como participantes do Reino dos céus aqui na terra, devemos cultivar o hábito de doar! Afinal, todos nós necessitamos sentir-nos reconhecidos, amados, aceitos, valorizados, prestigiados e úteis para podermos viver bem.

Entretanto, para que isto aconteça, precisamos estar dispostos a ajudar uns aos outros. Basta termos a humildade para ver com clareza de que tipo de auxílio estamos necessitando ou que podemos oferecer ao próximo. Quando nos conectamos aos outros, conseguimos enxergar-nos como parte de um todo e, assim, participar de uma rede de trocas nas áreas espiritual, emocional, física e material.

É possível que nesta rede de trocas haja momentos agradáveis, e outros não tão agradáveis. Mas o fato é que, independente disso, as oportunidades sempre nos farão evoluir e melhorar a cada dia. Este amadurecimento é vital para fazermos a diferença nesta terra, pois nos ajuda a proporcionar boas experiências para nós mesmos e para aqueles com quem convivemos.

Sendo assim, busquemos ter respeito ao próximo e valorizar os relacionamentos. Utilizemos sempre estas palavras “mágicas”, essenciais para um convívio saudável: com licença, desculpe-me, por favor, obrigado, amo você, volte sempre, disponha, a paz do Senhor.

Um grande abraço!


Nenhum comentário

Relacionamentos Você é especial e único neste mundo!

27.11.2013

Tu criaste cada parte do meu corpo; tu me formaste na barriga da minha mãe... Tudo o que fazes é maravilhoso, e eu sei disso muito bem (Salmo 139.13-14)

Em todo o universo não há ninguém como você. Nunca haverá alguém com a sua digital, o seu sorriso, a sua voz, as suas mãos, o seu cabelo, seu corpo; ninguém vê as coisas e as percebe exatamente como você.

Fomos criados por Deus, com um propósito único e específico nesta terra. Com um conjunto de habilidades espirituais, emocionais e físicas, determinadas por Deus para sermos bênção onde estivermos de acordo com nossas singularidades. Esta é a beleza da criação de Deus: a singularidade e diversidade dos seres humanos, com seus talentos, dons e habilidades naturais.

Estamos neste mundo implantando o Reino de Deus; fazemos parte do Corpo de Cristo, a Sua Igreja gloriosa e vitoriosa. Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas (Efésios 2.10).

Todos nós temos um lugar especial e importante no Corpo de Cristo. Quando compreendemos esse segredo, somos gratos a Deus e valorizamos os talentos e habilidades que Ele nos concede, e deixamos de lado a comparação e a competição com o próximo.

Devemos reconhecer o valor e a importância do nosso corpo, nossa omissão em nosso chamado traz prejuízos para o Reino de Deus, que está sendo implantado diariamente neste mundo. O Senhor conta conosco, pois ninguém pode estar ou fazer o que você faz. Você é especial, importante e único para Deus.

Quando estamos ligados ao Corpo de Cristo desempenhamos nossas habilidades com a intenção de glorificar o nome de Jesus, como está descrito em Colossenses 1.23.

O corpo funciona em perfeita harmonia e o Reino de Deus é engrandecido nesta terra. É como uma orquestra. Cada instrumento tem sua aparência e som diferente, mas juntos produzem uma linda peça musical. Todos são importantes e úteis.

Saiba que Deus conta com o seu talento, a sua habilidade, fé, amor, determinação, coragem, otimismo, criatividade e trabalho, para que o Seu Reino cresça a cada dia mais nesta terra. Portanto, celebre sua singularidade, pois dentre as bilhões de pessoas existentes no mundo, Deus tem qualificado você para um propósito específico, que somente você pode desenvolver.

Você, sua família e sua geração são especiais para o Reino de Deus e farão a diferença nesta terra até a volta de Jesus. Um grande abraço!

 


Nenhum comentário

Relacionamentos Criando filhos e servos de Deus

27.11.2013

Marcada pela violência e pela ganância do querer mais, a sociedade parece se esquecer de resgatar valores tão importantes para a vida, como o cuidado com a família, especialmente com as crianças.

É em meio a essa preocupação que surge nosso questionamento: Como preparar filhos para serem adultos saudáveis no corpo, na alma e no espírito? O que podemos fazer para garantir um desenvolvimento mais saudável e feliz às crianças?

Uma das respostas encontradas na Bíblia diz respeito à família de Jesus. O texto relata que crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens (Lucas 2.52). Esse crescimento só foi possível porque José e Maria, pais de Jesus, zelavam pela integridade física do menino no tocante à alimentação e aos cuidados de transmitir-lhe os valores morais, éticos e religiosos.

Cuide de seus filhos

No físico: Os cuidados com a saúde física envolvem a alimentação, a higiene, a prática de atividades físicas. Crianças bem alimentadas têm menos problemas de saúde e mais energia para buscar os seus sonhos. E quando praticam exercícios físicos aprendem a se relacionar, a ter disciplina e a cumprir regras. Outro fator que merece atenção é a qualidade do sono. Crianças que dormem e acordam tarde produzem pouco na escola, sentem-se indispostas e têm alterações de humor.

Na mente: Henri Wallon, educador e médico francês, destaca o caráter social da criança. No início da vida, ela depende exclusivamente do adulto para a sua sobrevivência, pois o único meio de comunicação que o recém-nascido tem é a emoção, forma eficiente de se comunicar e que funciona em mão dupla. Assim, é fundamental transmitir emoções positivas para as crianças, abençoá-las e envolvê-las com nosso afeto, pois elas serão fortalecidas mentalmente. Pesquisas comprovam que quanto mais alimentamos a mente das crianças com coisas boas, mais elas são capazes de se superar.

 

No espírito – A família é o principal lugar onde se desenvolvem a intimidade e a capacidade de amar uns aos outros e a Deus. É onde se aprende valores espirituais que serão transmitidos às gerações subsequentes. Os pais devem consagrar seus filhos a Deus, como fizeram os pais de Jesus que o levaram a Jerusalém, para apresentá-lo ao Senhor (Lucas 2.22).

Crie em seu lar um ambiente espiritual no qual a presença de Jesus seja constante. Cante, ouça músicas de adoração ao nosso Deus, institua em sua casa a regra de não permitir palavras que não edificam, leve seus filhos à igreja e experimente o poder da oração com eles. Talvez os pequenos não compreendam na íntegra, mas certamente irão distinguir o momento devocional que estão presenciando com os seus pais.

Ensine a criança no caminho (Provérbios 22.6) e não o caminho! A maneira mais eficaz de ensinar é andar junto com os filhos, sendo exemplo, pois o testemunho fala mais alto do que qualquer ação.

Que Deus conceda graça e sabedoria aos pais a fim de criarem seus filhos como verdadeiros servos do Senhor, pois, certamente, Ele cumprirá a Sua promessa: Quanto a mim, esta é a minha aliança com eles, diz o SENHOR: o meu Espírito, que está sobre ti, e as minhas palavras, que pus na tua boca, não se apartarão dela, nem da de teus filhos, nem da dos filhos de teus filhos, não se apartarão desde agora e para todo o sempre, diz o SENHOR (Isaías 59.21).


Nenhum comentário

Relacionamentos O verdadeiro significado do Natal!

27.11.2013

De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz (Fp 2.5-8).
 
Celebrar o Natal nos faz refletir sobre o verdadeiro sentido dessa data tão importante para nossa vida, para os nossos relacionamentos e para a nossa eternidade.

Muitas pessoas ainda não entendem o verdadeiro motivo de comemorarmos o nascimento de Jesus Cristo. Algumas só se preocupam em comprar, presentear e receber presentes. Muitas até se endividam excessivamente e já iniciam o ano novo ansiosas, com sérias questões financeiras. Infelizmente, acreditam que os presentes podem ser a solução para problemas que não foram resolvidos e enfrentados durante o ano que finda e até em anos que passaram.

O Natal deve sim nos motivar a analisarmos nossas atitudes com nossos familiares e com as pessoas com as quais nos relacionamos. Por nos amar e ter prazer em se relacionar conosco, Deus enviou o Seu Filho amado para ser o mediador entre nós e Ele.

A cada dia, o Senhor demonstra o quanto se importa e se alegra em conviver conosco, mesmo quando falhamos com Ele. O Filho de Deus deixou a Sua glória para nos ensinar a sermos bênção por meio de nossos relacionamentos.

Vejamos algumas atitudes vitais na vida de Jesus que nos ensinam a sermos bem sucedidos:

·         Renúncia

Ele deixou a Sua glória! E você, o que precisa deixar ou renunciar para manter um relacionamento saudável com Deus, com você mesmo e com o seu próximo? Pecado, egoísmo, ciúme, ódio, ressentimentos, sentimento de inferioridade, adultério, orgulho, inveja, raiva, amargura, mentira, gritaria, prostituição, fornicação, pornografia e maldade são atitudes que têm afastado você de Deus. Deixe Jesus nascer em sua vida hoje. Ele quer fazer morada em sua alma, corpo e espírito.

·         Obediência

Jesus foi obediente ao Pai em tudo. Obedeça aos princípios da Palavra de Deus e às autoridades que o Senhor tem colocado sobre sua vida.

·         Humildade

Ele se humilhou e suportou as afrontas. Desenvolva a humildade e o Senhor o exaltará como exaltou Jesus. Seja gentil e aprenda a ouvir e servir. Jesus tomou a forma de servo e entendeu que a grandeza do ser humano está no serviço que presta ao seu próximo. Ele agiu com amor, renúncia, fé, bondade, compaixão, ousadia, humildade, gratidão e otimismo, deixando um legado para as próximas gerações. E você, que herança deixará para as suas próximas gerações?

Que, motivados pelo exemplo de Jesus, o sentimento do Natal possa ser vivenciado diariamente em nossa vida e em nossos relacionamentos. Que sejamos pequenos “Cristos” em nossa maneira de falar, andar, reagir e agir com o nosso próximo.

Assim como Jesus triunfou, e foi exaltado por Deus, um dia todos nós seremos exaltados e receberemos uma coroa, um galardão, um novo nome e viveremos um eterno Natal nos Céus!

OLHO:

“Que, motivados pelo exemplo de Jesus, o sentimento do Natal possa ser vivenciado diariamente em nossa vida e em nossos relacionamentos”


Nenhum comentário

Aprenda a lidar com a tristeza

25.11.2013

A tristeza é um sentimento que responde a estímulos internos e externos; é uma resposta natural a frustrações e a situações de perda. A tristeza é uma resposta que faz parte de nossa forma de ser e estar no mundo. Ninguém recebe somente notícias boas o tempo todo.

Na vida, não há como fugir da tristeza. Portanto, não leve tão a sério os comerciais, em que tudo parece sempre imutavelmente lindo, alegre, perfeito… Tão perfeito que até os cachorros parecem sorrir o tempo inteiro.

E não é apenas na mídia que se vê uma busca pela perfeição e pela felicidade imediata e eterna. Vivemos em uma época na qual a felicidade constante é uma obsessão de todos. Muitas pessoas hoje vivem buscando a felicidade, sem se darem conta de que a tristeza faz parte da vida, e, quando passam por momentos de dor e frustração, sentem-se até culpadas, estranhas, diferentes das outras.

A obrigação de ser feliz o tempo todo está virando uma obsessão para muitos, a ponto de gerar angústia, porque as pessoas que só pensam em ser felizes o tempo todo sofrem muito mais, distanciam-se das pequenas alegrias da vida e não amadurecem, porque, como observou o psicólogo americano Martin Seligman, a tristeza é um dos raros momentos que nos permitem reflexão; voltar o olhar para nós mesmos e conhecer-nos melhor, saber o que queremos, do que gostamos, o que está errado. E somente com essa clareza de dados podemos buscar as atividades que nos dão prazer, que nos fazem felizes.

A tristeza com relação a algum fato nos leva a pensar sobre ele e a buscar soluções, ou seja, a tristeza é um mecanismo psíquico que nos dá condições de reflexão sobre nós mesmos inclusive para evitar a repetição do erro.

O sábio Salomão reconhecia isso, por isto declarou: Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, porque ali se vê o fim de todos os homens; e os vivos o aplicam ao seu coração. Melhor é a tristeza do que o riso, porque com a tristeza do rosto se faz melhor o coração. O coração dos sábios está na casa do luto, mas o coração dos tolos, na casa da alegria (Ec 7.2-4).

Assim como a dor e o medo, a tristeza nos ajuda a sobreviver, porque, se não sentíssemos medo, poderíamos atravessar uma rua sem olhar o sinal; se não tivéssemos dor, como o organismo poderia avisar-nos de que algo não vai bem? Se não estivéssemos tristes, como perceberíamos que nos comportamos/relacionamos mal ou fizemos escolhas erradas?

Enfim, a tristeza é saudável quando é um sentimento passageiro e leva-nos à reflexão. Mas, para que não se torne um estado mórbido de melancolia, você deve vivenciar e expressar a sua tristeza por meio da fala. Por isto, na Bíblia, somos incentivados a orar, a falar com Deus e contar-lhe tudo que pensamos, sentimos e desejamos. Em especial no livro de Salmos, vemos vários “desabafos” do rei Davi (ver Sl 42).

O apóstolo Paulo nos revelou que, em muitos momentos de dificuldades em sua vida, quando a tristeza invadia o seu ser, ele procurava a ajuda de Deus, e o Senhor o consolava com a companhia e o carinho dos amigos e irmãos em Cristo (ver 2 Co 7.5-10; Fp 2.25). Então, compartilhe sua tristeza com um amigo de confiança. Não fique sofrendo calado, isto não lhe fará bem. Abra o seu coração e conte para Jesus qual é a sua dor; ore, clame, peça ajuda a Ele; mas converse com outra pessoa de sua confiança sobre aquilo que o incomoda, e você será beneficiado.

 


Nenhum comentário

Ajudando outros a crescer

13.11.2013

Ajudando outros a crescer

É importante estarmos sempre prontos a ajudar o nosso próximo a crescer. Contudo, para isto, é fundamental que a pessoa a ser ajudada tenha força de vontade e permita-se ser ajudada.

Em Isaías 41.6, há incentivo à solidariedade: Um ao outro ajudou e ao seu companheiro disse: esforça-te e tem bom ânimo (adaptação da autora).

Embora o profeta se referisse à formação de alianças para o cumprimento dos propósitos de Deus na vida do povo judeu, este texto será usado como base para o tema que abordaremos nessa seção, incentivando-nos a compreender, acreditar e ajudar as pessoas a tornarem-se especiais e serem tudo aquilo que realmente gostariam de ser.

Não há homem ou mulher que seja bem-sucedido sozinho. Todos nós precisamos de amizade, encorajamento, ajuda e intercessão. O que as pessoas podem conquistar sozinhas para si é quase nada se comparado ao que poderiam alcançar quando trabalham em equipe, seja na família, no trabalho ou na igreja.

Salomão, um dos mais sábios reis de Israel, declarou o valor do trabalho em equipe desse modo:

É melhor ter companhia do que estar sozinho; porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas. Se um cair, o amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se! E se dois dormirem juntos, vão manter-se aquecidos. Como, porém, manter-se aquecido sozinho? Um homem sozinho pode ser vencido, mas dois conseguem defender-se. Um cordão de três dobras não se rompe com facilidade.

Eclesiastes 4.9-12 (NVI)

Infelizmente, o individualismo tem direcionado muitas pessoas, principalmente no mundo capitalista e competitivo em que vivemos.

Hoje muitas pessoas apregoam que o individualismo assegura-lhes independência e autonomia. Pregam que podem atingir suas metas sozinhas, desde que sejam disciplinadas. Por outro lado, aumentam as queixas de falta de amor e interesse nos relacionamentos.

Quem é individualista pensa que não precisa de ninguém, porém é comum queixar-se de não conseguir sentir-se feliz sozinho. Ele tem de conscientizar-se de que ele não poderá crescer na área espiritual, emocional, física e material sozinho. É fundamental ter boas companhias, aprender a relacionar-se melhor e fazer parte do Corpo de Cristo, a Igreja.

Deus nos deu o maior exemplo de doação, para um relacionamento sólido, feliz e abençoador. O Pai fez o maior investimento em nós ao enviar ao mundo o Seu amado Unigênito, Jesus Cristo, porque nos ama e tem prazer em relacionar-se conosco.

Quando duas pessoas se amam é impossível não se envolverem com a vida uma da outra, apoiando-se ou desafiando-se, conforme a necessidade, a fim de que possam crescer juntas. Trata-se, é claro, de um processo de mão dupla, que não pode ser visto como invasão ou cobrança. Afinal, quem ama tem prazer de fazer a diferença na vida do outro (seu cônjuge, dos seus filhos, amigos, pais, parentes e/ou irmãos em Cristo).

Ora, se uma pessoa se envolve com outra é porque deseja fazer a diferença na vida dela. Embora “batida”, essa frase traduz bem o que várias pesquisas apontam: acrescentar valor e influenciar para melhor a vida de alguém são fatores cruciais para a felicidade.

Acredito que essa deve ser a principal razão para a união das pessoas. No entanto, para ajudar alguém a crescer, é preciso tirá-lo da zona de conforto, do lugar comum que o leva a acomodar-se ao que é, ao que faz e ao que tem. Assim, muitas pessoas não se permitem serem desafiadas para o novo, preferindo a “segurança” da acomodação. Elas resistem às mudanças, consideram uma cobrança o que lhes é proposto, e acabam evitando o compromisso do desafio e desistindo de lutar por seus objetivos e sonhos.

É difícil e doloroso crescer nos dias de hoje, ainda mais sozinho. No entanto, com força de vontade, confiança em Deus e em si mesmo, você irá superar limites e acomodações.

Em momentos de crises — e Jesus nos alertou em João 16.33 que passaríamos por eles — , não desanime. E lembre-se: todos nós precisamos de alguém que caminhe ao nosso lado. Tenha sempre ao seu lado pessoas que possam animá-lo e que se comprometam com o seu crescimento em todas as áreas.

Se você estiver aberto para o agir de Deus e mantiver a motivação correta, tendo o Pai como prioridade, a sua vida não somente mudará para melhor como também a de outros próximos a você. Quando suas palavras e ações forem coerentes com aquilo que afirma crer, as pessoas irão confiar em você.

Que Deus o abençoe! Seja bênção!

 

 


Nenhum comentário

Seja responsável por sua vida

25.10.2013

De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus (Rm 14.12).

Cada ser humano é responsável por sua filosofia de vida e por sua maneira de ser. Somos livres para escolher entre o certo e o errado, e para, eventualmente, mudar de ideia. Deus nos deu essa liberdade, nossa grande riqueza, e nos fez-nos seres pensantes e inteligentes. “A liberdade que Deus nos deu é nossa grande riqueza.” Somos os autores e os construtores de sua nossa própria história.

Victor Viktor Frankl, psiquiatra austríaco, que ficou preso durante três anos em campos de concentração, declarou: “Liberdade final é o direito que todo ser humano tem de escolher suas atitudes diante de uma determinada circunstância”. Somos, portanto, livres para escolher e decidir nossas atitudes internas diante de nós mesmos, e externasse diante dos outros.

Para que nossas atitudes internas sejam saudáveis, é importante nós nos conhecermos. O autoconhecimento nos de si mesmo ajuda a entender por que temos relações difíceis com alguém, o que acontece muitas vezes não por causa do outro, mas porque estamos vivendo um conflito “interno”.

Diante de uma situação conflituosa, nossa primeira atitude deveria ser nos questionarmos para discernirmos o que de nossa parte perturba ou interfere na relação. Nossa tendência natural é sempre, ou quase sempre, culpar o outro. Repetimos muitas vezes o que aconteceu no Éden, após a queda, quando Adão e Eva não assumiram a sua desobediência e partiram para a acusação e a culpa.

Devemos ser exigentes com a verdade em relação a nós mesmos. Descobrir o que motiva o nosso comportamento em determinadas situações e circunstâncias, que tipo de pessoa nos incomoda, nos ofende e nos transmite o sentimento de sermos rejeitados.

Precisamos perguntar a nós mesmos se conhecemos nossos limites e se, para escondê-los dos outros, desempenhamos representamos um papel, ou usamos máscaras, por medo de sermos rejeitados se nos revelarmos tal como somos. É importante fundamental aprendermos a ser autênticos, a não ter medo nem vergonha de mostrar nossa humanidade fraqueza e nossas limitações.

O segundo ponto: também é importante e vital recebermos de Deus a paz diante de nossos conflitos internos. Assim, nosso eu interior se manterá bastante forte para não ser afetado pela incompreensão do outro, absorvido por sua necessidade de independência ou reduzido a uma escravidão pelo seu amor.

Em terceiro lugar, o cristão consciente de sua identidade, e que está inundado pela paz em seu eu interior, tem condições de aceitar, em certas circunstâncias, eventuais injustiças e de renunciar, se necessário, a seus direitos legítimos.

Aprender a ser humilde e ser bem-humorado são atitudes positivas, que fazem parte do viver diário de um indivíduo saudável e autêntico. Aceitar suas limitações e aprender a rir de si mesmo, sem amargura, é uma das grandes forças de adaptação na existência e atenuam muitas tensões.

Em Gênesis 45.8, vemos o exemplo de que José foi um homem que aprendeu a lidar com seus conflitos internos, a se responsabilizar por suas atitudes e a não ser influenciado pelo ressentimento, pela amargura, raiva e rejeição, tornando-se um exemplo para nós.

José aprendeu a dominar o seu eu interior e a não fazer julgamentos precipitados, independente das circunstâncias, mas a exercer o amor e o perdão. Não permitiu que o seu potencial fosse paralisado. Sua vida espiritual e sua vida emocional estavam sob o controle de Deus, e no seu.

José não se deixou afetar por circunstâncias externas. Em todo o tempo foi autor de sua história. Não cultivou ressentimentos, espírito de vingança e não aceitou ser controlado por seus ofensores, nem agiu como eles.

José, o filho preferido de Jacó, entendeu o segredo de ser responsável por seu bem-estar psíquico e espiritual, optou pelo que era certo, venceu o mal com o bem sendo justo, íntegro e verdadeiro. Por fim, ele entendeu o segredo de ser responsável por suas atitudes.

“É fundamental aprendermos a ser autênticos e não termos medo nem vergonha de mostrar nossa fraqueza e nossas limitações”.


Nenhum comentário

Você deseja realmente vencer o estresse?

17.10.2013

Para você vencer o estresse, deixe Deus ser o Senhor da sua vida espiritual, emocional, física e material. Entregue todas as suas preocupações ao Todo-poderoso. Ele o susterá e jamais permitirá que você fique abalado ou desorientado, sem saber o caminho certo a seguir (leia o Salmo 55.22).

Atualmente, a palavra estresse tem sido excessivamente mencionada. Ele é o vilão destruidor da saúde física, emocional e até espiritual para algumas pessoas. Hoje, existem muitos artigos, textos, documentários e muitas entrevistas que dedicam grande parte do seu espaço a conscientizar as pessoas sobre os efeitos maléficos do estresse, além da urgência e da importância de encontrar as soluções para tal problema.

O estresse é de fato um mal dos tempos atuais e da vida agitada nos grandes centros urbanos ou uma possibilidade natural do ser humano, quando exposto a determinadas situações?

O estresse existe independente da época e do lugar. Esta é a chave da questão: o ser humano reage aos acontecimentos da vida de acordo com os fatos, as circunstâncias e a sua subjetividade — o seu padrão interno de reação, o qual varia de pessoa para pessoa, conforme a história de vida de cada uma.

Percebemos pessoas altamente irritadiças, intolerantes e raivosas frente a situações corriqueiras, e outras serenas e ponderadas diante de situações limites. O que faz esta diferença? Há múltiplos fatores envolvidos, desde biológicos até a elevação de propósitos, significados e sabedoria. Acredito firmemente que podemos determinar padrões saudáveis de vida espiritual, emocional, física e material, ainda que contrarie a “maré”, o ritmo e os valores do mundo moderno.

Para ilustrar isso, comentarei um episódio que aconteceu este mês enquanto eu aguardava no aeroporto o meu embarque. Quando cheguei à sala vip, deparei-me com uma senhora aos gritos, nervosa, reclamando. Ela havia optado por fazer escala no Rio porque desejava viajar em um avião no qual a cadeira inclina 180 graus. Como ela reclamou, falou alto, resmungou revoltada, fiquei observando-a. Quando aquela senhora foi ao toalete, eu a segui. No banheiro, ela lavava as mãos, nervosa e reclamando. Perguntei-lhe calmamente: “Como é o seu nome?” Dali para frente, iniciamos uma conversa, e comecei a acalmá-la. Disse-lhe que a viagem seria maravilhosa e que seus pés não ficariam inchados, pois esta era sua maior preocupação. Falei também que Deus estava conosco e que tudo daria certo.

Naquele momento, eu estava com uma amiga cristã, que gosta de cantar. Sabe o que aconteceu? Ao sairmos do toalete, esta se sentou junto a um bonito piano preto, que enfeitava a sala vip do aeroporto, e começou a tocar músicas lindas. Nós a aplaudimos. Aquela senhora que acalmei disse: “Poxa, como estou tranquila, graças a Deus e a vocês duas! Sei que a viagem será ótima”. E realmente foi. Aquela mulher dormiu a viagem inteira.

Essa experiência mostra-nos como muitas pessoas sofrem por antecedência, só porque algumas vezes seus planos não saem como desejavam. Foi bom o estresse daquela senhora, porque pude falar de Deus, que tocou no coração aflito dela.


Nenhum comentário

Recuse a mentalidade de vítima

02.10.2013

As pessoas que vivem com a mentalidade de vítima não conseguem alcançar seus objetivos, realizar-se profissionalmente, manter relacionamentos saudáveis consigo mesmas, com Deus e com o próximo. Enfim, nunca se sentem plenas e felizes.

A mentalidade e o comportamento de vítima constituem os principais obstáculos para um viver proveitoso. A pessoa que sempre se comporta como vítima acredita que seu destino é ser infeliz. Sua tendência é ver sempre o lado negativo de tudo, imaginar que o “sistema” está contra ela, buscar refúgio o tempo todo em “zonas de conforto” psicológicas, ou seja, espaços inferiores onde ela se instala na inação ou na passividade, seja por preguiça mental ou por comodismo.

Frases que frequentemente revelam uma mentalidade de vítima:

- “Por que isso sempre acontece comigo?”

- “Não é culpa minha.”

- “É culpa sua, dele(a), ou de Deus.”

- “Não posso fazer nada.”

- “Olhe o que você me fez fazer.”

- “A vida é realmente difícil para mim.”

- “Eu não fiz nada, e olha o que fizeram comigo.”

- “Nunca tenho tempo para mim.”

- “É o meu jeito; eu sou assim mesmo.”

- “Tive uma infância, uma mãe, um pai terríveis.”

- “Se você soubesse como eu sofri.”

- “Sempre acham que eu sou o(a) culpado(a).”

- “Só me faltava isso.”

- “Ninguém nunca reconhece o que eu faço.”

A pessoa que mantém a mentalidade de vítima é imatura emocionalmente e torna-se uma eterna insatisfeita. Isso acontece quando ela rejeita toda a responsabilidade por sua existência e suas decisões. Defino responsabilidade como a capacidade de encarar com inteligência, sabedoria, iniciativa, criatividade, coragem, determinação e amor tudo o que aparece em nossa vida.

Isso porque a maior liberdade da qual podemos desfrutar é a escolha dos nossos pensamentos e das nossas atitudes em todos os momentos. Recusar essa escolha é sujeitar-se ao papel de vítima. Assumi-la plenamente é abrir o seu ser para o crescimento interior, tornando-se maduro emocionalmente e aceitando a possibilidade de ser feliz consigo mesmo, com Deus e com o próximo.

As Escrituras nos incentivam a sermos otimistas, alegres e perseverantes, mesmo em momentos de adversidades, como está escrito em Tiago 1.2-5:

Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações, sabendo que a prova da vossa fé produz a paciência. Tenha, porém, a paciência a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, sem faltar em coisa alguma. E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não o lança em rosto; e ser-lhe-á dada.

Na Bíblia há exemplos maravilhosos de homens e mulheres que foram otimistas e assumiram a responsabilidade de serem felizes, como Josué e Calebe, José, Daniel, Débora, Ester Abigail, Rute e Noemi, Paulo, Tiago, Pedro e Jesus. Todos entenderam a importância de viver com coragem, fé, amor, determinação e propósito e adotaram essa postura, superando e vencendo os obstáculos sem tornarem-se vítimas. Faça o mesmo e seja feliz!




Nenhum comentário

O valor da amizade

16.09.2013

Os amigos são vitais em nossa vida. Não podemos viver sem eles. A amizade melhora o nosso bem-estar físico, mental e espiritual. Bons relacionamentos contribuem para mantermos a saúde bem e ainda curam as depressões. Assim como os perfumes alegram a vida, a amizade sincera dá ânimo para viver, Provérbios 27.9.

Não possuir amizades de qualidade é ruim para a saúde, o ânimo, a produtividade e a longevidade de todos nós. Portanto, sempre invista em suas amizades. Elas contribuirão para sua própria felicidade.

Os nossos amigos podem desempenhar alguns papéis em nossa vida que servirão de preciosa ajuda em nossa caminhada. O segredo é não querer que eles sejam perfeitos em todas as áreas. Afinal, nós também não somos.

Tipos de amigos

INCENTIVADORES – são grandes motivadores que sempre impelem você em direção a seus alvos. Possuem interesse genuíno no seu sucesso, mesmo que signifique correr risco por você.

CAMPEÕES – são amigos leais, que ficam ao seu lado como também das coisas em que você acredita. Eles o elogiam em sua presença e ainda “cobrem sua retaguarda”; saindo em sua defesa quando você não está por perto.

COLABORADORES – são aquelas pessoas que têm interesses comuns aos seus. Podem compartilhar com você uma paixão por esportes, hobbies, religião, trabalho, política, comida, filmes, música ou livros.

COMPANHEIROS – estão sempre ao seu lado, sejam quais forem às circunstâncias. Têm um vínculo praticamente indestrutível com você. Quando alguma coisa boa ou ruim acontece na sua vida são as primeiras pessoas para quem você liga.

COMUNICADORES – são aqueles com os quais você se socializa com freqüência. Sempre são convidados para eventos onde é possível conhecer outras pessoas; o que aumenta sua rede de contatos e lhe dá acessos a recursos inexplorados.

ENERGIZADORES – são os “amigos divertidos” que sempre levantam seu ânimo. Eles fazem de tudo para animá-lo quando você está deprimido e transformam um dia bom em um dia ótimo.

INSTIGADORES – expandem seus horizontes e o incentivam a acolher novas idéias, oportunidades e culturas. Eles o ajudam a fazer mudanças positivas, ampliando sua perspectiva em relação à vida e fazendo de você uma pessoa melhor.

GUIAS – dão conselhos e mantêm você na direção certa. São os amigos perfeitos para compartilhar seus objetivos e sonhos. Eles o ajudam a vislumbrar um futuro positivo, ao mesmo tempo, com os pés no chão.

Relaciono alguns textos bíblicos para a sua reflexão:

Provérbios 27.10: Melhor é o vizinho perto do que o irmão longe.

Provérbios 18.24: O homem que tem muitos amigos pode congratular-se, mas há amigo mais chegado do que um irmão.

João 15.14: Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando.

Isaías 41.8: Mas tu, ó Israel, servo meu, tu Jacó, a quem elegi, semente de Abrãao, meu amigo.

2 Pedro 1.7: E à piedade, o amor fraternal, e ao amor fraternal, a caridade.


Nenhum comentário

O ser humano e a sexualidade

06.09.2013

A sexualidade do ser humano é formada desde o ventre materno, fase em que a criança já recebe informações sobre o desejo de seus pais a respeito da sexualidade da criança. É importante não criar expectativas exageradas quanto ao sexo da criança, pois o feto recebe toda a carga emocional negativa do casal e, em seu psiquismo, já se alojam sentimentos de rejeição. É preciso deixar claro que o casal só realiza o ato sexual. Deus é quem concede o filho e determina o sexo. Portanto, sejam gratos ao Senhor por seus filhos, pois eles são bênçãos, como diz o Salmo 127.3.

 

Somos importantes na formação da sexualidade de nossos filhos. A nossa maneira de agir, de falar, de vestir e de relacionar-nos são comportamentos que definirão se nossa sexualidade é saudável ou não.

 

O sexo faz parte da sexualidade, mas sexo é um órgão do corpo humano que serve para diferenciar macho e a fêmea. Existe muito tabu em relação ao sexo porque nós, pais, muitas vezes ensinamos nossos filhos a olhar para o seu órgão sexual de maneira errada, muitas vezes usando até apelidos para denominá-lo.

 

O órgão sexual do macho se chama pênis, e o da fêmea, vagina. Assim como você denomina cada órgão do corpo humano, deve fazer o mesmo em relação ao órgão sexual, ensinando à criança o nome correto para que ela não crie expectativas erradas a respeito do sexo e de sua sexualidade.

 

A sexualidade

 

A sexualidade saudável é vivenciada entre homem e mulher e, para ser abençoada por Deus, deve acontecer dentro do casamento. Não existe pecado na relação sexual e no prazer proporcionado quando acontece entre um homem e uma mulher no casamento. Quando alguém adultera, ou se prostitui, peca contra o seu próprio corpo e abre brecha para os espíritos malignos atuarem em sua vida sexual, tornando a sua sexualidade desajustada e contaminada (Ap 21.8).

 

Para mantermos uma sexualidade sadia, a pureza deve fazer parte de nosso estilo de vida. Como pais, devemos ser exemplos para nossos filhos. Durante os primeiros sete anos de seus filhos, vocês e o ambiente vivenciado em seu lar serão determinantes na personalidade e na história de vida deles. Por isso, priorizem Deus em suas vidas, orem pelo seu futuro espiritual, sentimental e profissional desde o ventre, abençoando-os em todas as áreas e não permitindo que se casem sem a sua bênção. Incentive-os a terem um namoro honesto e saudável, pois será a preparação para formarem um lar feliz e abençoado.

 

Detalhes que merecem atenção

 

Quem cuida de seus filhos? Com quem andam? O que acessam na internet? Comportamentos diferentes dentro de casa ou na escola podem sinalizar um pedido de socorro. Cuidado também com o que assistem na televisão, pois nossos lares têm sido invadidos pelo espírito de sensualidade existentes nas novelas, filmes, reality shows, programas humorísticos e até em desenhos infantis.

 

Ore por seu casamento, por seus filhos e feche todas as brechas para que os espíritos malignos que atuam nas áreas da prostituição, adultério, fornicação e perversão sexual não encontrem brechas em sua vida e em seu lar. Leia 1Pedro 5.8-9a.

 

 

 

 

.


Nenhum comentário

O segredo da verdadeira liberdade

02.09.2013

Cristo nos libertou para que nós sejamos realmente livres (Gálatas 5.1a NTLH).

Quando nos tornamos discípulos de Cristo, desenvolvemos as atitudes do verdadeiro seguidor de Jesus, experimentamos o perdão de Deus, que nos liberta do pecado, e passamos a viver pela graça, conforme Gálatas 1.6: Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho.

Por meio de Seu sacrifício na cruz do Calvário, Jesus nos libertou da escravidão do pecado, garantiu-nos o privilégio de sermos filhos de Deus e comissionou-nos para darmos continuidade à Sua missão de implantar o Seu Reino na terra. Nesse Reino, as pessoas são livres para viver o evangelho, que transforma o ser humano no corpo, na alma e no espírito.

O segredo da liberdade que temos em Cristo não é uma licença para pecar, mas uma oportunidade para servir aos outros. Porém, isso só acontecerá quando deixarmos Jesus reinar em nossa vida e formos repletos e transbordantes do Seu amor. Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis, então, da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pela caridade (Gálatas 5.13).

O amor é a palavra-chave de toda liberdade sadia. Quem ama vive bem e promove o bem-estar do outro. Porém, somente desfrutará da verdadeira liberdade concedida por Cristo aquele que ama a Deus, ama a si mesmo e ao seu próximo. Em contrapartida, a liberdade sem o amor divino leva à depravação, à perversão, à destruição, à ruína, à corrupção, à desorganização, à sexualidade distorcida e à imoralidade.

Presenciamos no mundo uma falsa liberdade, que não cultiva o amor ao próximo. Esse comportamento gera violências, roubos, assassinatos, calúnias, destruição das famílias e conflitos de relacionamento.

A realidade é que o ser humano não faz uso da liberdade pautada no amor de Deus, pois, se o fizesse, o Espírito Santo o encheria do verdadeiro amor, um dos atributos do fruto do Espírito.

Em Gálatas 5.6, o apóstolo Paulo enfatiza que a verdadeira liberdade cristã somente será vivida quando o homem compreender que sua fé abençoará a sua vida e a de outras pessoas, quando ele agir em função do amor.

O que faltava aos cristãos da Galácia era justamente esse amor divino. Estar preso a dogmas humanos não garante espiritualidade. Somente o agir do Espírito Santo pode banir o egoísmo e vencer a luta contra a natureza carnal.

Quando amamos Deus e o priorizamos como Senhor, amamos as pessoas, pois o Seu amor domina nosso coração. Uma pessoa cheia do amor e da graça de Deus obedece a Ele e cumpre os princípios da Sua Palavra. Essa sim é a verdadeira liberdade!

 


Nenhum comentário

Seja um canal de influência divina nesta terra

27.08.2013

Vivemos em uma cultura na qual os valores judaicos cristãos são motivo de chacota e a imoralidade permeia todos os meios sociais e de comunicação; uma cultura em que a violência, a banalidade, a mediocridade e o comportamento pessoal em desintegração destroem a civilidade e colocam em risco nossas comunidades. Por outro lado, quando cristãos de boa fé se esforçam para evitar certas barbaridades, como temos visto nos meios de comunicação, são taxados de intolerantes e fanáticos.

Como cristãos, devemos influenciar o mundo e implantar o Reino de Cristo nesta terra, como nos recomenda o apóstolo Paulo em Romanos 12.2. Nossa missão é mostrar ao mundo que o cristianismo é um sistema de vida compreensível, que responde às perguntas mais antigas da humanidade como: De onde vim? Por que estou aqui? Para onde estou indo? A vida tem algum significado e propósito?

Somente o cristianismo oferece uma maneira para compreender a ordem física, moral, espiritual e emocional do ser humano. Ao criar-nos, Deus teve o cuidado de deixar para nós o seu manual de sobrevivência neste mundo, a Bíblia Sagrada. Que linda prova de amor!

O escritor e teólogo C S. Lewis declarou: "Eu descobri em mim mesmo desejos os quais nada nesta Terra pode satisfazer. A única explicação lógica é que eu fui feito para outro mundo". Temos desejos e carências que somente Deus pode preencher. Porém, há quem tente preencher seus vazios com uma cultura cada vez mais perversa, que leva o ser humano à decadência.

Deus criou nossos corpos e fez as leis morais para nos mantermos saudáveis; criou nossas mentes e a lei da lógica e da imaginação; criou-nos como seres sociais e políticos; criou um mundo de beleza e princípios de criação estética e artística. Contudo, a humanidade tem desafiado as leis morais, sociais e espirituais que Deus estabeleceu para o homem. Como consequência, o amor do homem está esfriando e a iniquidade e a violência têm se multiplicado.

Nenhuma transgressão à lei moral e espiritual que Deus estabeleceu para o ser humano ocorre sem consequências dolorosas. Nosso chamado não é somente para ordenar nossas próprias vidas pelos princípios divinos, mas para nos comprometermos em transformar o mundo sendo sal e luz.

O filosofo Richard Weaver declarou que “são as grandes ideias que informam a mente, incendeiam a imaginação, movem o coração e dão forma à cultura". Enfrentamos conflitos culturais de todos os lados sem nos dar conta de que a própria guerra está ao nosso redor. Nossa guerra cultural não diz respeito somente à discussão sobre o aborto, o direito dos homossexuais ou o declínio da nossa educação. Essas são apenas conflitos.

A verdadeira guerra é uma luta entre a cosmovisão cristã e as cosmovisões seculares e espirituais que estão em ordem de combate contra a instituição divina, que Deus colocou nesta terra: a Igreja de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Por isso, devemos nos preparar diariamente e sermos efetivos tanto em evangelizar o mundo como em transformá-lo para refletir a sabedoria do Seu Criador.  


Nenhum comentário

O poder abençoador das palavras!

27.08.2013

Sejam agradáveis as palavras da minha boca e a meditação do meu coração perante a tua face, SENHOR, rocha minha e libertador meu! (Sl 19.14)

 

Vivemos em uma época em que as pessoas têm utilizado os diversos meios de comunicação para expressar seus sentimentos, desejos e pensamentos. Em meus atendimentos, tenho observado o poder que as palavras têm sobre a vida do ser humano em toda a sua existência. A Palavra de Deus mesmo nos diz que a morte e a vida estão no poder das palavras (Pv 18.21). Elas têm o poder de motivar, alegrar e dar vida emocional e espiritual. Por outro lado, também têm capacidade para arrasar, decepcionar, levar à depressão e até a morte física e espiritual, paralisando por completo o ser humano.

 

Já atendi pessoas que viviam presas a vozes do passado, e essas vozes de maldição falavam mais alto do que a voz de Deus, impedindo-as de desenvolverem todo o potencial que possuíam.

 

Como nossas palavras são poderosas! Infelizmente, muitas pessoas não têm a compreensão e a percepção de tal poder. Se tivessem, seriam cuidadosas com o que pronunciam, pois a Bíblia nos adverte que daremos contas a Deus até pelas palavras que falamos de brincadeira.

 

Há pessoas que usam as redes sociais para falar e escrever mentiras, calúnias e difamações, e muitas não têm noção do mal que causam ao seu semelhante no mundo espiritual, emocional, físico e até material. Quantas pessoas estão doentes no corpo, na alma e no espírito, enquanto outras infelizmente se afastaram da Casa de Deus por causa de palavras ditas por pessoas que não têm sabedoria nem compaixão.

 

Muitos pensam que, ao maldizer alguém, prejudicam somente ao seu próximo. Talvez não saibam que as nossas palavras são energias e que toda ação gera uma consequência, boa ou má, como está escrito em Gálatas 6.7: O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá (NTLH).

 

Felizmente, Deus também tem usado pessoas para curar outras, e Ele quer usar você, suas palavras e atitudes a partir de hoje. A Bíblia diz em Provérbios 12.18 que há alguns cujas palavras são como pontas de espada, mas a língua dos sábios é saúde.

 

Deus quer usar nossa boca para profetizarmos bênçãos. A palavra abençoar quer dizer autorizar para prosperar. Quando abrimos nossos lábios para dizer palavras de vitória, palavras que edificam, motivam, alegram e produzem paz, influenciamos o corpo, a alma e o espírito de nosso próximo e o ajudamos a crescer. Nesses momentos somos boca de Deus, o canal que o Espírito Santo usa para que alguém não desista de seus objetivos e sonhos.

 

E você, tem sido canal para construir ou destruir sonhos com suas palavras? Para sua meditação e aprendizado, leia Efésios 4.15,25,29,31,32.

 

O SENHOR te abençoe e te guarde; o SENHOR faça resplandecer o seu rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti; o SENHOR sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz (Nm 6.24-26).

 

 


Nenhum comentário

Relacionamentos Mantenha amizades saudáveis

27.08.2013

Melhor é serem dois do que um, porque tem melhor paga do seu trabalho. Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro: mas ai do que estiver só, pois caindo não haverá outro que o levante (Ec 4.9-10).

Os cientistas descobriram o que a Palavra de Deus já relata há mais de 2000 anos. O texto de Eclesiastes 4.9-10 nos ensina que ter alguém ao lado é importantíssimo nos momentos de dificuldade, pois não fomos criados por Deus para vivermos solitários. Em momentos de adversidade muitos não podem contar com pai, mãe, filhos, irmãos, cônjuge, mas quem tem um amigo de verdade nunca estará só nem ficará prostrado.

Os amigos são responsáveis por muitos dos bons momentos que vivemos no dia a dia, sendo catalisadores de pontos altos no nosso cotidiano. Os cientistas também revelam que as amizades moldam nossos desejos, expectativas e metas para o futuro. Relacionamentos mais chegados podem influenciar crenças, valores e hábitos por décadas.

Na história de Noemi e Rute, vemos que Rute foi beneficiada por ser amiga de sua sogra, e o quanto Noemi também desfrutou por ser amiga de sua nora. Felizmente, esta amizade coloca por terra um pensamento terrível mantido por gerações, o de que toda sogra é ruim.

Se há uma amizade que deve ser buscada com afinco e que vale a pena para ambos os cônjuges, filhos, netos e toda a geração, é a amizade saudável entre sogra e nora, e vice-versa. Rute foi beneficiada por sua amizade com Noemi e mudou completamente seus hábitos religiosos e culturais (Rute 1.16). Como é importante mantermos amizades saudáveis com pessoas que sejam canal de bênção para nossa vida, e com a qual iremos trocar nossas experiências mútuas, sendo, da mesma forma, canal de bênção para elas.

O verdadeiro amigo deseja o bem do outro pelo simples fato de querer abençoá-lo. Em alguns momentos de sua vida você vai ajudar a um amigo e ele não poderá fazer nada por você, mas Deus irá recompensá-lo.

A Bíblia relata o lindo exemplo de amizade entre Davi e Jonatas. Havia respeito, sinceridade, lealdade, cumplicidade e motivação. A amizade entre eles gerou benefícios até para a geração de Jonatas, pois Mefibosete, seu filho, foi abençoado por um voto de fidelidade que Davi fez com seu amigo.

Abraão foi amigo de Deus e foi fiel à aliança que fez com Ele, e o Senhor prometeu a Abraão que seria fiel aos que o abençoassem. Hoje, desfrutamos desta amizade. Somos filhos na fé e amigos de Deus, frutos desta amizade abençoada de milhares de anos atrás.

A Palavra de Deus, nosso maior manual de regra de fé e pratica, instrui-nos e incentiva-nos a cultivarmos amizades verdadeiras e saudáveis. Haverá situações em nossas vidas que os amigos serão o canal que Deus vai usar para nos abençoar em todas as áreas de nossa vida e o mesmo deve ser recíproco de nossa parte.

 

 

 


2 comentários

O segredo de viver bem

16.08.2013

“Só é útil o conhecimento que nos torna melhores” — Sócrates.

É muito importante que você aprenda a enxergar a vida sempre com bons olhos, pois Jesus nos disse: Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz (Mateus 6.22).

Mesmo que esteja enfrentando dificuldades, sejam quais forem, se olhar a vida com determinação, otimismo, confiança, coragem, fé e amor, todo seu ser se prepara para manter um equilíbrio entre espírito, alma e corpo. Assim, você é beneficiado, comprometendo-se com o melhor para a sua vida, influenciando os outros e atraindo sempre o melhor para si.

O segredo do bem viver é fazer de cada momento o melhor. E o melhor da vida é o nosso presente. Aprenda a viver cada ocasião como se fosse inusitada, a mais importante e a última.

Temos de ter motivação em todas as situações. É essa motivação que faz com que a vida seja leve, interessante, agradável e gostosa. Analise esta poesia e tire suas conclusões.

Na poesia da vida (Canísio Mayer)

Existir

é apoiar-se em três pilares.

Viver

é caminhar dançando em três pistas.

Amar

é sentir, ser e comprometer-se.

 

No tripé do meu viver

um terço de mim é silêncio, outro é escuta

e o terceiro é o mistério.

 

Um terço é partida, outro é chegada e o

terceiro é recomeço.

Um terço é memória, outro é afeto e o

terceiro é saudade.

 

Os três terços da minha vida são

a mística, o sabor e o amor.

Os três terços da minha vida integram

sentir, degustar e significar.

Os três terços da minha vida desencadeiam

a busca, o calor e o prazer.

 

Viver com sentido é ter consciência

de que somos terra, semente e crescimento.

Somos árvores, folha e fruto.

Somos vento, força e perfume.

 

Viver com sentido

é voar ao ritmo, na melodia e na orquestra do amor.

Viver com realismo

é mover-se na dúvida, na certeza

e na prontidão.

Viver na alegria

é ser abrigo, fonte e sinal.

 

No sabor do viver é essencial

acolher o medo, crescer na confiança,

e lançar-se ao novo;

treinar a gratuidade, afinar o discernimento

e viver na esperança;

interpretar o ontem, viver o hoje

e abrir-se para um novo amanhã.

 

Sim, é fundamental alimentar o desejo

de ser constantemente aprendiz,

companheiro e amigo;

de buscar, diariamente, a docilidade,

a ternura e a firmeza;

de cultivar, eternamente, a verdade, o amor,

a fé e a liberdade.

 

No tripé do viver é salutar

afinar o ouvido para a escuta e a empatia;

afinar o coração para o afeto e o olhar nos olhos;

afinar os olhos do coração para contemplar as estrelas,

ver-se no espelho e ser luz.

 

A vida como um todo

é o todo do meu viver.

É o amor, é amar, é horizonte aberto.

É olhar para o alto, contemplar a Deus,

os outros e se encontrar.

 

Que Deus o abençoe!

Um abraço,

 


Nenhum comentário

O segredo de viver bem

07.08.2013

“Só é útil o conhecimento que nos torna melhores” — Sócrates.

É muito importante que você aprenda a enxergar a vida sempre com bons olhos, pois Jesus nos disse: Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz (Mateus 6.22).

Mesmo que esteja enfrentando dificuldades, sejam quais forem, se olhar a vida com determinação, otimismo, confiança, coragem, fé e amor, todo seu ser se prepara para manter um equilíbrio entre espírito, alma e corpo. Assim, você é beneficiado, comprometendo-se com o melhor para a sua vida, influenciando os outros e atraindo sempre o melhor para si.

O segredo do bem viver é fazer de cada momento o melhor. E o melhor da vida é o nosso presente. Aprenda a viver cada ocasião como se fosse inusitada, a mais importante e a última.

Temos de ter motivação em todas as situações. É essa motivação que faz com que a vida seja leve, interessante, agradável e gostosa. Analise esta poesia e tire suas conclusões.

Na poesia da vida (Canísio Mayer)

Existir

é apoiar-se em três pilares.

Viver

é caminhar dançando em três pistas.

Amar

é sentir, ser e comprometer-se.

 

No tripé do meu viver

um terço de mim é silêncio, outro é escuta

e o terceiro é o mistério.

 

Um terço é partida, outro é chegada e o

terceiro é recomeço.

Um terço é memória, outro é afeto e o

terceiro é saudade.

 

Os três terços da minha vida são

a mística, o sabor e o amor.

Os três terços da minha vida integram

sentir, degustar e significar.

Os três terços da minha vida desencadeiam

a busca, o calor e o prazer.

 

Viver com sentido é ter consciência

de que somos terra, semente e crescimento.

Somos árvores, folha e fruto.

Somos vento, força e perfume.

 

Viver com sentido

é voar ao ritmo, na melodia e na orquestra do amor.

Viver com realismo

é mover-se na dúvida, na certeza

e na prontidão.

Viver na alegria

é ser abrigo, fonte e sinal.

 

No sabor do viver é essencial

acolher o medo, crescer na confiança,

e lançar-se ao novo;

treinar a gratuidade, afinar o discernimento

e viver na esperança;

interpretar o ontem, viver o hoje

e abrir-se para um novo amanhã.

 

Sim, é fundamental alimentar o desejo

de ser constantemente aprendiz,

companheiro e amigo;

de buscar, diariamente, a docilidade,

a ternura e a firmeza;

de cultivar, eternamente, a verdade, o amor,

a fé e a liberdade.

 

No tripé do viver é salutar

afinar o ouvido para a escuta e a empatia;

afinar o coração para o afeto e o olhar nos olhos;

afinar os olhos do coração para contemplar as estrelas,

ver-se no espelho e ser luz.

 

A vida como um todo

é o todo do meu viver.

É o amor, é amar, é horizonte aberto.

É olhar para o alto, contemplar a Deus,

os outros e se encontrar.

 

Que Deus o abençoe!

Um abraço,

 


Nenhum comentário

O segredo de pertencer ao Reino de Deus

24.07.2013

Uma pessoa se torna vitoriosa a partir do momento em que passa a fazer parte do Reino de Deus.

Quando alguém abre o seu coração para aceitar Jesus Cristo como o seu único e suficiente Salvador e Senhor da sua vida, os pecados, todos eles, independente do que a pessoa tenha feito, são perdoados, cancelados e lançados no mar do esquecimento. Então, a pessoa adquire um novo modo de pensar, falar e agir. Ela passa a ter uma nova mentalidade: a mente de Cristo.

Sendo assim, se você deseja ser uma pessoa vitoriosa, abençoada, próspera física, emocional e espiritualmente, abra seu coração e confesse com a sua boca que aceita o Senhor Jesus como o Senhor da sua vida. Visite igrejas evangélicas e faça parte daquela na qual você se sinta bem. Integrando o Corpo de Cristo, você estará alistando-se em um exército de pessoas vitoriosas nesta terra, que, independente das circunstâncias, creem em todas as promessas da Bíblia Sagrada e tomam posse, pela fé, de todas elas.

Convido você a fazer parte deste Reino. Se já faz parte dele, meu convite é para que reforce e renove a sua fé nas promessas de Deus, pois a Palavra nos incentiva a olharmos para Jesus e guardarmos a fé que professamos.

Nunca deixe nada nem ninguém fazer com que você esqueça este grande segredo: Você é uma pessoa amada, aceita, escolhida e chamada por Deus para fazer parte do Seu Reino aqui na terra; portanto, é vitoriosa por meio de Cristo Jesus! Cultive pensamentos e atitudes de alguém que, mesmo passando por adversidades, sabe quem é e a que Reino pertence.

Tome posse deste segredo: você é propriedade exclusiva de Jesus Cristo, você tem a marca dele, o Espírito Santo!

Em Efésios 1.4 (NTLH) está escrito: Antes da criação do mundo, Deus já nos havia escolhido para sermos dele por meio da nossa união com Cristo, a fim de pertencermos somente a Deus e nos apresentarmos diante dele sem culpa.

Viva como uma pessoa vitoriosa, adorando, louvando, agradecendo, intercedendo e fazendo a diferença onde você pisar. Saiba que Ele colocou você nesta terra para desempenhar um propósito específico, que só você pode realizar.

O propósito de Deus para nós é que sejamos cada dia mais parecidos com Ele, que o adoremos diariamente e enchamos a terra de adoradores dele. Foi para isto que Ele nos criou. Estamos aqui para expandir o Seu Reino, que nunca terá fim.

Quando compreender que faz parte do Reino de Deus para ser como Cristo foi aqui, você se esforçará para ser melhor a cada dia e fará o que estiver ao seu alcance para que as pessoas à sua volta e aquelas com as quais se relaciona sejam atraídas a Jesus, tornando-se também melhores.

Deus deseja que na sua família, na sua vizinhança, na sua igreja e no seu trabalho você seja uma bênção e transmita as boas-novas às pessoas. Ele conta com você. Ele tem colocado você em determinados lugares porque, por seu intermédio, pessoas serão alcançadas para Cristo e passarão a fazer parte do Reino de Deus. Creia que o Senhor vai capacitar você [...]. Aceite sua missão e promova o Reino de Deus. Este é o segredo para ser uma pessoa vitoriosa

 

 


Nenhum comentário

O poder da doação

17.07.2013

Há quem dê generosamente, e veja aumentar suas riquezas; outros retêm o que deveriam dar, e caem na pobreza. O generoso prosperará; quem dá alívio aos outros alívio receberá. (Pv 11.24,25)

Quero compartilhar um conto que li certa ocasião.

Um próspero fazendeiro se tornou famoso por sua abundante plantação de milho. Todos os anos, no concurso da melhor plantação, ele era sempre o primeiro colocado. No setor de milho era imbatível. Certo dia, um repórter foi entrevistá-lo:

— Qual é o segredo do seu sucesso? Como seu milho pode ter uma qualidade tão boa a ponto de ser o melhor da região?

— Bem, o segredo está em compartilhar a semente de qualidade com meus vizinhos plantadores de milho — respondeu o agricultor.

— Mas, como, se o senhor distribui suas sementes de qualidade para que os seus concorrentes tenham um milho tão bom quanto o seu? — tornou a indagar o repórter.

— Sim! Esse é o segredo de eu ter sempre um milho de qualidade, pois o vento carrega o pólen do milho maduro e leva-o de campo em campo. Se meus vizinhos cultivassem milho inferior, o vento carregaria o pólen do milho deles para o meu milharal, e, assim, a qualidade do meu milho cairia. Portanto, é impossível eu ter milho de qualidade se os meus vizinhos também não o tiverem — explicou o homem.

Moral da história: Tudo o que você partilha voltará um dia para você. Reflita sobre o que você tem partilhado do muito que Deus lhe tem dado: vida, saúde, paz, amor, alegria, unção, recursos financeiros e fé.

Precisamos adquirir o hábito de doar aos outros como se fosse ao Senhor. Isso requer abençoar os outros sem esperar nada em troca, pois tal atitude bendiz a Deus. Quando pensamos no que vamos receber em troca, caminhamos rumo à frustração e ao desapontamento, mas, quando doamos livremente, o Senhor nos recompensa.

Doar é um princípio de liberação. Dai e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando vos darão; porque com que medirdes também vos medirão de novo (Lc 6.38).

Para receber coisas que perdurarão, é necessário você doar do que tem. Se você está precisando de liberação em alguma área, doe; dê algo que lhe pertence. Entregue sua vida a Deus, e você verá as portas se abrirem em todas as áreas.

Há muito mais o que doar, além de dinheiro e presentes. Podemos doar comida, roupas, prestar serviços voluntários, dedicar tempo para abençoar alguém, orar pelo próximo, assistir aos necessitados, dar uma carona, conversar e ouvir alguém que não tem com quem falar. Precisamos doar-nos, compartilhando qualquer coisa que nos pertença, ou uma habilidade que tenhamos e que seja bênção para outras pessoas.

Saiba que não há como cumprir a vontade de Deus sem doar-se, pois esta é a vontade do Senhor. Ele é o nosso maior exemplo de doação. Doou o que tinha de melhor, o Seu único Filho, Jesus Cristo. Portanto, crie o hábito de doar, pois a doação libera as bênçãos de Deus em todas as áreas de nossa vida e frutifica para nossa geração.

 “Querido Deus, ajuda-me a doar da maneira como tu queres, pois quero ser obediente também nesta área da minha vida. Ajuda-me a ser dizimista fiel, ofertante liberal e a doar sempre com alegria. Ajuda-me a viver no centro da tua vontade, para que eu possa receber tudo aquilo que tens para mim e tornar-me tudo aquilo para o que me criaste para ser. Em nome do teu amado Filho, Jesus Cristo.”

Deus quer usar você como um grande doador para fazer a diferença e ser abençoado!

 


Nenhum comentário

O otimismo nos relacionamentos

09.07.2013

Pessoas positivas conseguem enxergar o que os outros têm de melhor

Aprendemos no dia a dia, com nossos relacionamentos, que nem todas as pessoas são bem-intencionadas em suas ideias e comportamentos. Algumas vivem tentando levar vantagem sobre os outros e em certas situações. Já lidei com indivíduos desse tipo e, com certeza, você também.

Não temos como desvendar totalmente o interior do ser humano. Em Jeremias 17.9 lemos que enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá? Somente Deus nos conhece por completo e sonda nossas intenções.

E graças ao Seu amor e perdão Ele está sempre nos orientando a sermos melhores a cada dia. Deus nos deixou várias mensagens de otimismo em Sua Palavra.

Mesmo se nos decepcionarmos, não devemos deixar de investir e acreditar no ser humano. Quando desconfiamos o tempo todo das pessoas, tendemos a comportar-nos de maneira errada com elas e a fazer julgamentos precipitados, prejudicando nossos relacionamentos. Temos de ser otimistas e esperar o melhor dos outros, pois essa atitude revela maturidade.

Jesus nos deixou um belo exemplo de conduta registrado na história da mulher adúltera. Ele desafiou as pessoas a atirarem nela a primeira pedra caso não tivessem pecado. Os mais velhos do grupo foram os primeiros a largar as pedras e ir embora. Por quê? A maturidade lhes dera o entendimento de que também eram pecadores.

A Bíblia nos incentiva a sempre desenvolvermos a empatia com nosso próximo: Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas (Mt 7.12). Precisamos conscientizar-nos de que todos nós temos limitações e falibilidades, características inerentes ao ser humano após a Queda. Como somos perdoados diariamente por Deus, precisamos aprender a adquirir o saudável hábito do perdão em nossos relacionamentos.

Seja otimista e aprenda a perdoar. As pessoas negativas não conseguem agir assim, pois não se sentem perdoadas e carregam mágoas e ressentimentos de relacionamentos mal resolvidos. Portanto, não conseguem ver nem extrair o melhor das pessoas. Estão sempre criticando e julgando com base no que elas mesmas têm de pior.

Se você é otimista e deseja manter e desenvolver relacionamentos saudáveis, o perdão deverá fazer parte do seu cotidiano. Temos de aprender a perdoar e a pedir perdão diariamente. Martin Luther King Jr. tinha razão quando afirmou que “o perdão não é um ato ocasional, é uma atitude permanente”.

Lembre-se de que seremos julgados de acordo com os mesmos critérios pelos quais julgamos os outros. Se nos concentrarmos nos aspectos positivos do comportamento das pessoas, será mais provável que elas façam o mesmo conosco.

 


Nenhum comentário

O caminho da oportunidade

02.07.2013

O caminho da oportunidade é aquele pelo qual Deus nos dirige. Pode ser pedregoso e difícil, e muitas pessoas podem recusar-se a entrar por ele, contudo, leva a uma nova realidade. Neste caminho, aprendemos que as crises muitas vezes contribuem para o nosso crescimento espiritual e emocional. Sendo assim, as crises nunca devem ser desconsideradas como algo negativo, destrutivo, mas como algo que contribui para nos tornarmos vitoriosos diante das dificuldades e das perdas em nossa vida.

O ser humano começa a enfrentar crises a partir de seu nascimento, e este processo [de criseàlutaàcrescimentoàestabilidade] se repete durante o seu crescimento e a fase adulta, até que a pessoa se torna emocionalmente madura, mais consciente e responsável pelos seus atos e por suas escolhas.

A trajetória da vida espiritual é semelhante a da vida física e emocional. Por isto, quando aceitamos a Cristo como Salvador e Senhor, nascemos de novo e somos comparados a bebês espirituais, crescendo na graça, na fé e no conhecimento do Senhor à medida que enfrentamos os desafios permitidos ou propostos por Ele para nossa carreira cristã.

As crises acontecem a fim de fazer-nos crescer e o nome de Jesus ser glorificado em nossa vida. Sendo assim, não devemos prostrar-nos diante dos problemas; antes, devemos enfrentá-los com a sabedoria divina e fortalecidos no Senhor e na força do Seu poder. Assim também contribuiremos para a edificação dos mais fracos, inspirando-lhes o ânimo e a fé.

Nos momentos de dificuldade, não pegue os atalhos. Eles são perigosos e podem levá-lo à destruição. Não considere os momentos de crise uma perda, e sim uma oportunidade para você reconstruir o seu relacionamento com Deus e descobrir o que é necessário para viver melhor. Se for preciso, mude o seu estilo de vida para continuar crescendo também no relacionamento com a sua família e a Igreja.

Não fique triste nem desanimado. Medite no que está escrito em 2 Coríntios 4.7-9:

Temos, porém, este tesouro em vasos de barro para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós. Em tudo somos atribulados, mas não desanimados; perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos.

Que tesouro é esse? É Jesus. Ele nos fez a brilhante e poderosa promessa de que não nos abandonaria em momento algum: Eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos (Mateus 28.20b).

E quem são os vasos de barro? Somos nós. Em nosso interior existe um imenso poder que emana do Espírito do Senhor que habita em nós. Tribulações, angústias e perseguições não poderão afastar-nos de Cristo. Seja qual for o tipo de crise — social, existencial, de identidade, conjugal — contribuirá para o nosso amadurecimento espiritual, emocional e intelectual.

Então, se você já entregou a sua vida a Deus, haja o que houver e sejam quais forem as dificuldades, reconheça que o Senhor é fiel e o tem guardado. Confie que você é mais do que vencedor por Aquele que o amou: Jesus Cristo. Não sucumba diante das dificuldades do seu dia-a-dia. Enfrente-as certo de que, se você escolher o caminho da oportunidade e enfrentar os momentos difíceis com Deus, a vitória chegará porque Ele sempre tem um escape para quem nEle confia!

 


Nenhum comentário

Nossas atitudes determinam o nosso sucesso ou o nosso fracasso

24.06.2013

Atitude [...] é o nosso desejo pelo progresso. Suas raízes ficam no interior, mas seu fruto é exterior. É nossa melhor amiga, ou nossa pior inimiga. É mais honesta e mais consistente do que nossas palavras. É nossa visão de mundo, com base em experiências do passado. É algo que aproxima as pessoas de nós, ou que as repele. Nunca está satisfeita até que possa ser expressa. É a biblioteca de nosso passado. É a porta-voz de nosso presente. É a profetiza de nosso futuro” (John C. Maxwell).

Enfim, atitude é algo que expressamos por meio de nosso comportamento, de nossa maneira de falar, agir e relacionar-nos, mas que também pode ser discernida sem que nenhuma palavra seja dita. Lembre-se das pessoas mal-humoradas, de cara feia. Mais do que isso, note aqueles que, pelo olhar, pelo sorriso ou pela fala, demonstram que estão de bem com a vida. Estes possuem uma alegria que contagia os que estão ao redor e o ambiente onde estão.

O filósofo e psicólogo James Allen afirmou que “uma pessoa não pode mover-se interiormente e continuar imóvel por fora”. Logo, aquilo que acontece no íntimo de todo ser humano, seja de bom ou de ruim, afetará o seu exterior. Por isso, a Bíblia é tão maravilhosa! Nela, é dito: Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as saídas da vida (Pv 4.23).

Você já parou para pensar como é vital cuidar do seu interior, fazer uma autorreflexão e conhecer-se melhor? Existem muitas pessoas que parecem estar bem exteriormente, mas o interior delas está desorganizado. E, muitas vezes, elas se perguntam: “por que não consigo relacionar-me firme com ninguém?”; “por que não consigo ser determinado nos meus objetivos espirituais, ando desanimado no trabalho, sem metas, e vejo o mundo de um modo pessimista?”

Saiba que nós somos responsáveis por nossa visão de mundo. A Bíblia, há centenas de anos, já anunciava: Porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará (Gl 6.7). Nossa atitude em relação à vida que Deus nos tem dado ajuda a determinar o que nos acontece. É impossível estimar o número de empregos perdidos, de promoções não obtidas, de vendas não realizadas e de casamentos destruídos por causa de pensamentos e atitudes medíocres. Entretanto, todos os dias testemunhamos empregos obtidos, casamentos restaurados e pessoas bem-sucedidas, porque elas perceberam que são responsáveis pelo seu próprio comportamento e mudaram suas atitudes.

Como imaginou na sua alma, assim é (Pv 23.7). Que segredo maravilhoso! Deus está nos orientando a pensar coisas boas não só com relação à nossa vida, mas a todas as pessoas com quem nos relacionamos. E Ele nos motiva à mudança diariamente.

Você pode ser uma pessoa melhor em todas as áreas de sua vida. Permita que Deus seja o Senhor da sua vida e dirija os seus passos. Tenha fé, determinação e coragem. Pense de maneira saudável e positiva. Aprenda a fazer declarações positivas. Isso o ajudará a acreditar em si mesmo e a mudar seus hábitos negativos.

Exclua de sua mente frases negativas, do tipo “não posso”, “duvido”, “acho que não vai dar certo”, “não tenho tempo”, “talvez”, “não acredito”, “é impossível”, “não é para mim”. Diga: “posso”, “irei”, “espero o melhor”, “arrumarei tempo”, “estou confiante”, “acredito que todas as coisas são possíveis, pois Deus é fiel”.

Que você se conscientize de que o sucesso ou o fracasso em sua vida estão em suas mãos. Tudo dependerá das suas escolhas e atitudes. Quer você tenha 20, 40, 50, 60 anos de idade, nunca é tarde demais para mudar de atitude. “A chave para uma boa atitude é a disposição de mudar”. Deus o abençoe!

 

 


2 comentários

O caminho da oportunidade

16.06.2013

O caminho da oportunidade é aquele pelo qual Deus nos dirige. Pode ser pedregoso e difícil, e muitas pessoas podem recusar-se a entrar por ele, contudo, leva a uma nova realidade. Neste caminho, aprendemos que as crises muitas vezes contribuem para o nosso crescimento espiritual e emocional. Sendo assim, as crises nunca devem ser desconsideradas como algo negativo, destrutivo, mas como algo que contribui para nos tornarmos vitoriosos diante das dificuldades e das perdas em nossa vida.

O ser humano começa a enfrentar crises a partir de seu nascimento, e este processo [de crise>luta>crescimento>estabilidade] se repete durante o seu crescimento e a fase adulta, até que a pessoa se torna emocionalmente madura, mais consciente e responsável pelos seus atos e por suas escolhas.

A trajetória da vida espiritual é semelhante a da vida física e emocional. Por isto, quando aceitamos a Cristo como Salvador e Senhor, nascemos de novo e somos comparados a bebês espirituais, crescendo na graça, na fé e no conhecimento do Senhor à medida que enfrentamos os desafios permitidos ou propostos por Ele para nossa carreira cristã.

As crises acontecem a fim de fazer-nos crescer e o nome de Jesus ser glorificado em nossa vida. Sendo assim, não devemos prostrar-nos diante dos problemas; antes, devemos enfrentá-los com a sabedoria divina e fortalecidos no Senhor e na força do Seu poder. Assim também contribuiremos para a edificação dos mais fracos, inspirando-lhes o ânimo e a fé.

Nos momentos de dificuldade, não pegue os atalhos. Eles são perigosos e podem levá-lo à destruição. Não considere os momentos de crise uma perda, e sim uma oportunidade para você reconstruir o seu relacionamento com Deus e descobrir o que é necessário para viver melhor. Se for preciso, mude o seu estilo de vida para continuar crescendo também no relacionamento com a sua família e a Igreja.

Não fique triste nem desanimado. Medite no que está escrito em 2 Coríntios 4.7-9:

Temos, porém, este tesouro em vasos de barro para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós. Em tudo somos atribulados, mas não desanimados; perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos.

Que tesouro é esse? É Jesus. Ele nos fez a brilhante e poderosa promessa de que não nos abandonaria em momento algum: Eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos (Mateus 28.20b).

E quem são os vasos de barro? Somos nós. Em nosso interior existe um imenso poder que emana do Espírito do Senhor que habita em nós. Tribulações, angústias e perseguições não poderão afastar-nos de Cristo. Seja qual for o tipo de crise — social, existencial, de identidade, conjugal — contribuirá para o nosso amadurecimento espiritual, emocional e intelectual.

Então, se você já entregou a sua vida a Deus, haja o que houver e sejam quais forem as dificuldades, reconheça que o Senhor é fiel e o tem guardado. Confie que você é mais do que vencedor por Aquele que o amou: Jesus Cristo. Não sucumba diante das dificuldades do seu dia-a-dia. Enfrente-as certo de que, se você escolher o caminho da oportunidade e enfrentar os momentos difíceis com Deus, a vitória chegará porque Ele sempre tem um escape para quem nEle confia!

Um forte abraço,

Drª Elizete Malafaia

 


1 comentário

Liberte-se da inveja!

10.06.2013

O coração com saúde é a vida da carne, mas a inveja é a podridão dos ossos (Provérbios 14.30). Existe uma história interessante sobre a inveja. Uma serpente estava perseguindo um vagalume. Quando estava a ponto de comê-lo, o vagalume disse: “Posso fazer uma pergunta?”. A serpente respondeu: “Na verdade, nunca respondo a perguntas das minhas vítimas, mas, por ser você, vou permitir”. Então o vagalume perguntou: “Fiz alguma coisa a você?”. “Não”, respondeu a serpente. “Pertenço à sua cadeia alimentar?”, perguntou o vagalume. “Não”, ela respondeu de novo. “Então, por que você quer me comer?”, indagou o inseto. “Porque não suporto vê-lo brilhar.” Ter inveja não é somente almejar o que a outra pessoa tem, mas também desejar viver como ela vive. O invejoso se queixa de tudo e de todos, acredita que não conquistará o que o outro possui, não reconhece as suas habilidades e talentos, pois está e vive focado no outro; portanto, torna-se um eterno insatisfeito. É possível invejar um bom carro, um corpo lindo, uma casa maravilhosa, uma saúde de ferro, um cargo alto na hierarquia, um bom marido, uma boa esposa, uma mulher inteligente, o carisma de certas pessoas, etc. A inveja pode ter origem naquilo que o indivíduo pensa que não tem, mas de que necessita para ser feliz, ou em uma autoestima que acredita que só poderá ser feliz se possuir o que o outro tem. Ela desvia o foco, conduzindo a energia da pessoa para o lado errado. É um sentimento ambicioso que não lhe permite vislumbrar o que está à sua frente nem o que lhe pertence. Por conta disso, pode gerar vingança, crimes, violência, enganos e maus-tratos, tudo pelo desejo de possuir o que o outro tem, de querer estar no lugar dele. A excelência, o triunfo e o sucesso motivam a inveja. Ninguém inveja um miserável ou um mendigo; inveja conquistas, reconhecimento, bens materiais, riquezas, família estruturada, casamento feliz, amizades. Na Bíblia Sagrada vemos relatos de alguns casos de homens e mulheres que se deixaram levar pela inveja. Raquel, mencionada em Gênesis 30.1, teve inveja de sua irmã, Lia, pois esta tinha filhos, e disse a seu marido, Jacó: Dá-me filhos, senão morro. Pessoas morrem espiritualmente por esse sentimento. Em Atos 7.9 está escrito que os irmãos de José, movidos de inveja, venderam-no para o Egito. A presença de José os incomodava. Por isso, não sossegaram enquanto não deram um fim nele. Mas, será que eles tinham paz? A história mostra que não. O invejoso não tem paz. O texto de Provérbios 14.30 afirma que a inveja é a podridão dos ossos. Ela mata o seu algoz aos poucos. O invejoso passa o tempo opinando sobre o que o outro tem e julgando, em vez de buscando alcançar seus objetivos. Analise suas emoções, aprenda a admirar e não invejar a prosperidade, o sucesso, ou qualquer feito alheio. As conquistas devem inspirar-nos. Infelizmente, os invejosos só veem o final, não analisam o processo. Para conquistar, é preciso ter vontade, coragem, força, energia, integridade e confiança, percorrendo o caminho até à vitória. O sucesso do outro deve sacudir nosso conformismo e estimular-nos a ser melhores a cada dia. Olhando para Jesus, autor e consumador da fé (Hb 12.2a). Seja um eterno admirador dele.


1 comentário

Felicidade: fruto da gratidão

03.06.2013

Em tudo daí graças (1 Ts 5.18).

Você nunca será feliz se não aprender a tornar a gratidão parte do seu cotidiano. Nunca terá um ótimo relacionamento se não souber apreciar verdadeiramente a maravilha que é o seu parceiro ou a sua parceira. E nunca vivenciará a mais profunda intimidade se não começar a sentir-se grato pela oportunidade de compartilhar sua jornada com outras pessoas que estão à sua volta.

Temos muita dificuldade de sermos agradecidos. No entanto, sabemos reclamar, e muito, com bastante facilidade. Muitas vezes, o motivo da nossa insatisfação é os nossos relacionamentos diários. Será que você ficaria um dia inteiro sem fazer uma única reclamação? Já parou para pensar que este tipo de atitude pode rapidamente transformar-se em murmuração? Murmurar é pecado!

Veja o que o apóstolo Paulo disse em 1 Coríntios 10.10 (NTLH):

Vocês não devem se queixar, como fizeram alguns deles, e por isso foram destruídos pelo Anjo da Morte.

A verdade é que a maioria de nossas reclamações é insignificante, o que demonstra que nossa ingratidão pelas incríveis oportunidades que surgem à nossa frente, assim como pela vida que o Senhor tem nos proporcionado. Ser grato é um grande segredo no nosso viver diário. E a nossa primeira atitude de gratidão deve ser para com Deus. Afinal, o Todo-poderoso nos escolheu, amou-nos e chamou-nos para realizar a Sua vontade nesta terra.

O salmista em um momento de profunda gratidão escreveu:

Deem graças a Deus, o SENHOR, porque ele é bom, e porque o seu amor dura para sempre.

Salmo 107.1

A gratidão é um sentimento que transforma a nossa visão, a nossa maneira de pensar. Ela muda o modo como nos sentimos em relação a nós mesmos, à vida e aos outros. Se formos capazes de, com coragem, falar para as pessoas sobre nossa gratidão, isso nos dará o incentivo de que tanto precisamos para continuar esforçando-nos e, assim, tornar-nos pessoas melhores.

Existem seis bilhões de pessoas no planeta. Desconfio que milhões delas dormem, todos os dias, famintas por uma palavra sincera de valorização. Aprenda a valorizar e a elogiar quem você ama, como também as pessoas que estão ao seu redor e que precisam do seu apoio espiritual e emocional. Todos nós carecemos de incentivos.

Tornar-se uma pessoa melhor a cada dia é uma tarefa árdua, mas não impossível. Comprometa-se a elogiar quem compartilha a vida com você pelo menos duas vezes ao dia. Pela manhã e à noite. Transforme a gratidão em uma raiz que permita fortalecer seus relacionamentos. Dessa forma, você será muito mais feliz.

A nossa alegria não deve ser pelo que temos, mas em poder apreciar e desfrutar o que dispomos. Você pode possuir todos os tesouros, todos os prazeres e todas as bênçãos que este mundo oferece. Mas, acima de tudo, seja sempre agradecido a Deus por tudo e pelas pessoas que Ele tem colocado em seu ambiente de convívio.

Esta é a orientação do apóstolo Paulo ao povo de Tessalônica (1 Ts 5.18 NTLH) e que serve de conselho para nós:

Sejam agradecidos a Deus em todas as ocasiões. Isso é o que Deus quer de vocês por estarem unidos com Cristo Jesus.

Agradeço a Deus por sua vida! Que o Senhor o abençoe!

 


Nenhum comentário

Existe um grande tesouro dentro de você

27.05.2013

Temos, porém, esse tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós (2 Co 4.7).

O enfoque do apóstolo Paulo nesse texto não estava no recipiente que nós somos, pois somos perecíveis, imperfeitos e falhos. Ele queria ressaltar o valor inestimável que havia em seu conteúdo — o poder de Deus que habita em nós por meio da pessoa do Espírito Santo. Portanto, mesmo sendo criaturas frágeis e limitadas, Deus quer usar todos que se disponham a cumprir a Sua vontade para causar impacto e fazer a diferença nas áreas espiritual, emocional, física e material.

Compreender que esse poder é de Deus nos distancia do orgulho e nos motiva a manter contato direto com Ele diariamente, pois Cristo é a nossa fonte de poder, inspiração e direção.

Fomos criados para desempenhar um propósito específico, tendo a responsabilidade de mostrar o grande tesouro que é Jesus Cristo. Ele vive em nós e a cada dia é revelado ao mundo por meio de nossas palavras, nossas atitudes e nosso estilo de vida. Em Filipenses 2.5 está escrito: De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus.

Que possamos explorar esse tesouro que Deus colocou em nosso interior, a fim de sermos como Cristo, um grande exemplo para nós. Jesus veio a terra e cumpriu Sua missão para nos salvar e conceder-nos o direito à vida eterna.

Qual era o Seu segredo? Ele tinha uma mente otimista, aberta às mudanças, um pensamento positivo, e era sensível à voz e à vontade de Deus em Sua vida. Obediente ao Pai, cumpriu tudo o que Ele determinou, foi humilde em todo o tempo e entendeu o segredo de ser servo.

Infelizmente, muitas pessoas que ainda não descobriram esse belíssimo tesouro dentro de si vivem sem sonhos e sem expectativas. Se você está nessa condição, que tal começar agora mesmo a garimpar o seu ser e surpreender-se com os tesouros que Deus colocou em você?

A permissão e a ação são atitudes necessárias para alcançar seus propósitos. Comece a agir, e então descobrirá os tesouros que existem em você, entre eles o amor, a fé, a alegria, a paz, a humildade, a coragem, o otimismo, o poder, a unção, a graça, a bondade, o domínio próprio e a autoridade.

Nunca permita que as circunstâncias da vida limitem o seu potencial e impeçam a realização dos planos de Deus para você. Não procure desculpas para não agir, pois assim você não verá o cumprimento dos desígnios divinos. Domine o medo, a insegurança, o desânimo, o cansaço e a preguiça. Seja determinado e responsável, pois o nosso maior inimigo somos nós.

Se os propósitos de Deus não se realizarem em nossa vida será porque nós não permitimos, pois deixamos de cavar os tesouros que Ele colocou dentro de nós. Somos responsáveis por viver os sonhos e propósitos do Senhor. Por isso, não tenha medo de explorar o mais íntimo de sua alma e de seu espírito.

Prepare-se, pegue as ferramentas, que são a Palavra de Deus, a oração e a meditação. Reserve tempo para garimpar e descobrir grandes tesouros de valores inestimáveis que estão em você, pois o mundo necessita deles.

 


Nenhum comentário

Estamos em constante transformação – Parte 2

25.05.2013

Falamos, na última edição, sobre a importância da transformação nas áreas física e emocional de nossa vida. Destacamos que desde o momento em que somos gerados no ventre materno, passamos por transformações. Em nosso corpo físico, acontecem as primeiras e mais visíveis transformações; então, devemos cuidar bem dele.

Sobre a área emocional, ressaltamos que a desvalorização das emoções interfere e atrapalha nossos relacionamentos e que emoções reprimidas e mal resolvidas podem transformar-se em uma energia potencialmente violenta, por isso precisamos aprender a identificar os nossos sentimentos, a lidar com eles e expressá-los.

Para finalizar este assunto, falaremos sobre como cuidar bem de nossa vida espiritual.

O apóstolo Paulo nos convoca em 1 Tessalonicenses 5.23: E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.

Estamos sempre sendo transformados na vida espiritual. Devemos, diariamente, analisar-nos para observarmos se estamos em sintonia com Deus, se somos hoje melhores espiritualmente do que ontem.

A Bíblia nos diz em Provérbios 4.18: Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito. Veja que transformação maravilhosa! Ela deve ser crescente e cada dia melhor, e não é decrescente. Ou, você está se tornando um cristão melhor a cada dia — e, para que isso aconteça, Deus conta com a sua participação e força de vontade —, ou, mesmo que não perceba, se não se esforçar, automaticamente estará distanciando-se de Deus e piorando.

Paulo nos revela o segredo em Romanos 12.2: E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Entendemos aqui que o ser humano deve renovar todos os dias a sua mente.

Você deve crescer espiritualmente, mas, para que isso aconteça, deixe que a água viva, a Palavra de Deus, que é um espelho para nossa vida e que é viva, e eficaz, e mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até à divisão da alma, e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração (Hebreus 4.12), flua em sua vida. A Palavra tem o poder de limpar, retirar todos os conceitos e aprendizados errados que tivemos e que estão em nossa mente.

Em João 7.38, Jesus disse: Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre. A água viva é a salvação por meio de Jesus Cristo, que tem o poder de lavar, limpar, tudo o que era impuro em nós, regenerar o que era velho e avivar o que estava morto em nós, trazendo vida abundante e crescimento diário.

Aquilo que não se renova, fica estagnado e morre. A falta de renovação, transformação ou crescimento espiritual é uma indicação de morte espiritual. A renovação implica em você assumir o compromisso diário de auto-analisar-se, ler sempre a Palavra, fazer seu devocional diário, orar, jejuar, ser servo de Deus, resistir às tentações, ser um ganhador de almas, priorizar a si mesmo, a sua família, a sua igreja e as pessoas à sua volta ser disponível, além de estar sempre aberto e flexível para o novo de Deus na sua vida.

Nunca se esqueça: seu corpo está sempre em transformação, enquanto você viver, ele constantemente produzirá novas células. Essa renovação é um indício de que há vida em você.

 


Nenhum comentário

Estamos em constante transformação – Parte 1

14.05.2013

A cada dia você tem se transformado em um ser humano melhor ou pior? A Palavra de Deus, que é nosso manual de fé e prática de vida, recomenda-nos: E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Rm 12.2).

Nesse texto bíblico, vemos a necessidade que temos de observar-nos e analisar-nos diariamente. Isto porque, querendo ou não, o nosso corpo, a nossa alma e o nosso espírito estão sempre em transformação para melhor ou para pior. E cabe a nós sermos participantes ativos dessa mudança.

Desde o momento em que é gerado no ventre materno, ele passa por transformações. O ser humano é um “eterno vir a ser”. Está sempre se modificando, independente de sua vontade.

As primeiras e mais visíveis transformações, acontecem em nosso corpo físico, pois, desde que nascemos, começa o processo de envelhecimento.

Então, cuide bem do seu corpo. Dê preferência a uma alimentação saudável, rica em frutas, verduras e legumes. Beba bastante água e sucos naturais, evitando refrigerantes. Faça exercícios físicos e atividades como a natação, a hidroginástica e caminhadas. Enfim, pratique um esporte que você goste.

Tenha um hobby que lhe proporcione prazer e relaxamento. Pescar, caminhar na praia, jogar futebol com os amigos, fazer palavras cruzadas, jogar tênis, escrever, ler, viajar, ir a museus. Existem muitos hobbies. Cada pessoa tem o seu.

Além disso, para a prevenção de doenças, é conveniente fazer um check-up de saúde semestralmente e ter bons hábitos de higiene.

Também não deixe de cuidar de sua alma. Ela é muito importante e preciosa para Deus. As pessoas que desprezam suas emoções atravessam dificuldades em seus relacionamentos cotidianos.

Nós, ocidentais, valorizamos mais o pensamento racional, lógico e abstrato. Assim, para muitos os aspectos emocionais e intuitivos são menos importantes. Alguns até dizem que sentimentos e intuições são “coisas de mulher”. Mas, em nossa própria vida, temos exemplos de como a razão e a lógica perdem a força e os argumentos diante de uma explosão emocional. Logo, temos de conscientizar-nos de que somos seres emocionais, e precisamos reciclar-nos emocionalmente todos os dias.

Nossa sociedade valoriza mais a aparência, o consumo, a riqueza material e a juventude do que a alma e o espírito humanos. Como consequência, temos visto o envolvimento crescente de pessoas com drogas, o álcool e as chamadas “pílulas” da felicidade. Para outros, a fuga é por meio do trabalho em excesso. Tudo isso mostra a procura das pessoas por alguma coisa que perderam, diante da incapacidade de introspecção, de valorizar os sentimentos e de contentar-se com as pequenas coisas que as emocionam.

A desvalorização das emoções interfere e atrapalha nossos relacionamentos. Quando alguém tem uma doença, e os exames não mostram, dizemos que “não é nada, é só emocional”. Mas o emocional é muito importante, pois somos seres emocionais e, nas horas menos convenientes, podemos ser dominados pelas emoções e fazer bobagens.

Isso ocorre porque emoções reprimidas e mal resolvidas podem transformar-se em uma energia potencialmente violenta. Logo, precisamos aprender a expressar e a cultivar os nossos sentimentos, cuidando deles com muito carinho, muita atenção e muita dedicação, para que não se transformem em uma fera que agrida o nosso próximo e a nós mesmos


Nenhum comentário

É preciso viver acima da mediocridade

07.05.2013

Deus tem um plano maravilhoso para as mulheres. Na Bíblia, lemos sobre a vida de várias servas do Senhor que alcançaram a vitória, porque se mantiveram acima da mediocridade e obedeceram plenamente ao Criador, não deixando de meditar em Sua Lei diariamente (Salmo 1.2).

O apóstolo Paulo disse que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus (Romanos 10.17). Se desejarmos ser mulheres de sucesso, devemos ter como prioridade a leitura da Bíblia, a meditação sobre a Lei do Senhor, a oração e a prática cristã, responsabilizando-nos por nossas escolhas e atitudes. Sobre isto, o escritor Scott Johnson declarou: “Esta é a sua vida; sua única vida. Por isso, assuma a excelência como algo muito pessoal”.

As mulheres que desejam evitar a mediocridade precisam estar acima da média em tudo o que fizerem em sua vida espiritual, física e emocional, como Ester. Ela, apesar de todas as dificuldades que passou, sempre procurou ser fiel a Deus e manter-se acima da mediocridade. Ela não tinha pai nem mãe, mas não era uma pessoa mal-humorada, grosseira ou revoltada com a vida. Era uma mulher agradável, gentil e formosa.

Tenho ouvido mulheres se queixarem de que são vítimas de crises financeiras. Outras apresentam o difícil convívio com o esposo, os filhos problemáticos ou a falta de oportunidades para trabalhar para o Senhor na igreja como a causa da sua não realização emocional, profissional ou espiritual.

O fato é que influenciados pelo meio em que vivemos e muitas vezes aceitamos as limitações que nos são impostas. Mas não é assim que deve agir a mulher que deseja tornar-se vitoriosa em Cristo. Ela deve lembrar que, como Igreja, somos mais do que vencedores por Aquele que nos ama, Jesus Cristo, e que, a despeito das circunstâncias, devemos levantar a cabeça e confiar nas promessas do Senhor, pois, como disse o salmista: Deus é o que me cinge de força e aperfeiçoa o meu caminho. Faz os meus pés como os das cervas e põe-me nas minhas alturas (Salmo 18.32,33).

Como está o seu relacionamento com o Rei dos reis? Você é obediente aos mandamentos dEle ou se preocupa com a “multidão” que está a sua volta? Medite nas palavras do salmista: Em Deus está a minha salvação e a minha glória; a rocha da minha fortaleza e o meu refúgio estão em Deus (Salmo 62.7).

Se você conseguir ultrapassar a mediocridade, pode estar certa de que, independente da situação, alcançará muitas bênçãos quando o Rei Jesus convocá-la. Então, não se acomode com um estilo de vida mediano. Esforce-se, dedique o seu tempo ao Senhor e à Sua Palavra. Faça uma autoanálise para descobrir qual a área de sua vida que precisa ser melhorada, submeta-a a Deus, pedindo-lhe ajuda para mudar o que for necessário, e tenha certeza de que você terá uma vida cristã cheia de vitória e de inúmeras recompensas espirituais.

Entregue o seu caminho ao Senhor, confie NELE, e seja hoje mesmo uma mulher vitoriosa.

Um forte abraço!


Nenhum comentário

Criando um legado duradouro

03.05.2013

“A melhor forma de viver a vida é investir em algo que ultrapasse sua própria duração”. William James.

Que investimento todo ser humano precisa fazer para deixar um legado duradouro? A dura realidade que muitas vezes enfrentamos mascara o fato de que muito do que nos esforçamos para construir não vai durar. Tenho observado pessoas que, no final de sua vida, veem seus castelos construídos na areia ruírem. Muitas trabalharam sem parar, sem reservar tempo para si, a família, os amigos e Deus, enfim, viveram isoladas e em um ritmo acelerado.

Se você tivesse apenas um mês para viver, talvez fizesse algumas mudanças para aperfeiçoar o que construiu. O melhor mesmo, porém, seria contribuir para seu legado todos os dias, durante muitos meses e anos, para que tudo pelo que trabalhou seja eterno. Mas a única maneira de criar essa herança duradoura é empregar seus recursos mais valiosos nas áreas que oferecem maior retorno: as pessoas.

Nossos relacionamentos são o único investimento que não pode ser destruído por um incêndio ou um desastre natural, nem ser perdido na bolsa de valores. Se realmente quisermos deixar um legado que o tempo não possa apagar, teremos de inspecionar o local onde está sendo construída nossa vida: sobre a rocha, que é Jesus Cristo, ou sobre a areia (Mt 7.24,25).

O primeiro aspecto dessa inspeção deve ser o teste da influência. Para deixar um legado nesta terra, é necessário que você passe por este teste. Todos nós, seres humanos, recebemos certo número de oportunidades para influenciar os outros e fazer a diferença na vida deles.

Deus nos concedeu a habilidade de influenciar pessoas e espera um retorno de seu investimento. Ele deseja que aproveitemos as oportunidades, em vez de fugirmos da responsabilidade de fazer a diferença na vida dos outros. Às vezes as pessoas ficam mais preocupadas em promover o próprio nome do que em causar impacto na vida dos outros.

O nome de todas as estrelas do rock, do cinema, do atletismo, da política, dos presidentes, dos reis e das rainhas um dia serão esquecidos. Todos os que são famosos hoje um dia cairão no mar do esquecimento, porque as ondas do tempo continuam rolando e vão apagar o nome de todos, exceto o de Jesus, o nome que está acima de todos os nomes (Leia Fp 2.10).

Nossa vida e nosso tempo não são nossos; pertencem a Jesus Cristo, e é o nome e a Palavra dele que vão durar para sempre. Somente deixaremos um legado duradouro quando influenciarmos outros para Cristo!

Como disse a grande escritora e mulher de Deus, que passou por muitas dificuldades em sua história de vida, mas viveu para Cristo, Corrie ten Boom: “A medida de uma vida, afinal, não é sua duração, mas sua doação”.

Um dia, você e eu seremos esquecidos. A única coisa que vai permanecer é o que tivermos feito para Deus, a maneira como cumprimos o propósito para o qual Ele nos criou.

Quero finalizar falando do meu pai, pastor José Santos. Ele é o meu maior exemplo de quem viveu para Deus. Desde que me entendo por gente, sempre observei e aprendi com ele que o ser humano é o bem mais precioso deste mundo. Ele tinha no seu coração a grandeza de saber que era amado pelo Senhor, mesmo sem merecer. Por isso, viveu para se doar às pessoas. Agradeço a Deus pelo privilégio que me concedeu de ter um pai que deixou um legado de amor e doação!

Quero deixar duas perguntas para reflexão: Pelo que você gostaria de ser lembrado? De que maneira está contribuindo para esse objetivo neste exato momento? Deus o abençoe.

 


Nenhum comentário

Quem fala mal de seu cônjuge fala mal também de si mesmo

22.04.2013

Vivemos em uma época em que as relações afetivas têm variado, e muito. No passado havia paquera, namoro, noivado e casamento. Agora, dependendo do grau do compromisso, da qualidade do vínculo, da frequência e intensidade dos encontros, as uniões assumem caráter diferente. A quantidade de modos de “ficar” atordoa quem se dispõe a entender o que isso significa.

Um princípio que sempre regeu as relações é o de que quanto maior o grau do compromisso, maior a cumplicidade e fidelidade. Contudo, temos visto, infelizmente, cônjuges que agem como se fossem meros “ficantes”. Eles costumam fazer do seu parceiro o principal assunto em conversas com seus amigos e até estranhos, mas não de modo positivo. Eles denigrem a imagem do outro em qualquer lugar, para qualquer um.

Recentemente, participei de uma reunião em que uma mulher resolveu falar mal de seu marido. Começou a descrever os modos rudes dele no trânsito, o comportamento agressivo para com ela e os filhos. Ela até encontrava justificativa para ele ser assim. Dizia que essa agressividade era fruto dos problemas que ele tivera com a mãe alcoólatra.

Aquela mulher narrava os detalhes da infância miserável do marido e, assumindo uma atitude ostensivamente superior, garantia que na família dela jamais aconteceram coisas semelhantes. Ora, e o que é o marido senão integrante da família dela?

Na mesma reunião, outras participantes acrescentaram à conversa exemplos de como as sogras haviam “estragado” os respectivos maridos. No entanto, nenhuma se deu conta de que, ao criticar e desqualificar seu parceiro, desqualificava e aniquilava a si mesma.

Isso não parece óbvio para a maioria das pessoas. Homens e mulheres criticam o comportamento do cônjuge como se não compartilhasse a vida com os mesmos. Em tempos de reality shows, perdemos a noção de discrição, de intimidade e de companheirismo. Privacidade está fora de moda. Falar mal do companheiro tem se tornado habitual.

Casais que vivem juntos completam-se e, querendo ou não, tornam-se uma só carne. Isso é inquestionável, daí ser muitas vezes impossível identificar de quem é totalmente a culpa quando a relação vai mal. Se um é ruim, é pouco provável que o outro seja melhor.

Ao longo da vida em comum, o casal se adapta para viabilizar a relação. Se uma pessoa compartilha a vida com outra, mesmo que isso seja ruim, já desenvolveu mecanismos para a manutenção do vínculo. Além do mais, os cônjuges refletem as escolhas um do outro.

É verdade que, ao menos no início, com a convivência, nossas idealizações não se sustentam. Então, descobrimos que nos casamos com alguém que foi idealizado por nós, e não com a pessoa “real”. Em outras palavras, com o passar dos anos, nossa ficha cai, e percebemos quem a pessoa é em toda sua essência. Mas, quando continuamos ao lado desse alguém, confirmamos a escolha que fizemos.

Sendo assim, seja uma pessoa discreta, reservada quanto ao seu relacionamento. Se precisar de ajuda no seu casamento, busque uma terapia de casal, um aconselhamento pastoral. É muito importante para o crescimento espiritual, emocional, físico e material do casal. Não fique denegrindo a imagem do seu cônjuge para outras pessoas. Expor os defeitos do marido é expor os nossas em dobro.

Que as palavras de nossa boca sejam sempre para o louvor do Deus amado e eterno (Leia Tg 3.9,10). Se não puder falar bem do seu cônjuge, não fale mal nunca.

 


2 comentários

Coragem: o segredo para uma vida vitoriosa

17.04.2013

Quando um ser humano perde dinheiro, perdeu muito; quando perde um amigo, perdeu mais; mas, quando perde a coragem, perdeu tudo!

Para ter êxito na vida, o ser humano necessita desenvolver qualidades e atitudes especiais.

Uma pessoa que confia que Deus está no controle de seu viver desempenha bem qualquer tarefa designada pelo Senhor. Ela possui em alto grau a combatividade, que lhe confere resistência, coragem e determinação para romper barreiras que dificultem suas conquistas; irradia esperança, alegria e bom humor, contagiando aqueles com os quais convive.

Quem busca uma vida bem-sucedida segundo os princípios divinos mantém o equilíbrio, pois desenvolve o fruto do Espírito (Gl 5.22), está sempre pronto para ajudar e para dizer uma palavra amável, gestos apreciados pelos que o cercam.

Essa pessoa não permite que pensamentos negativos penetrem sua mente, assim como o apóstolo Paulo aconselhou em Filipenses 4.8. Paulo entendia o segredo de uma vida positiva. A semente começava em sua mente. Portanto, tenha cuidado com o que povoa seus pensamentos.

A atitude de uma pessoa frente às circunstâncias depende da maneira como ela as encara. É o que observamos em Provérbios 23.7: Assim como você pensa na sua alma, assim você é (adaptação da autora).

Veja em você uma pessoa escolhida, amada, valorizada e chamada por Deus para cumprir Seu desígnio na terra. Não se deixe abater pelas adversidades. Os obstáculos devem motivá-lo a lutar e acreditar em sua vitória.

Uma pessoa que crê em sua vitória tem no rosto um sorriso de otimismo. Seus lábios não pronunciam palavras de derrota. Em Provérbios 18.21 está escrito: A vida e a morte estão no poder das palavras (adaptação da autora). Que a sua boca seja um canal para profetizar as promessas de Deus. Quem confia no Senhor mantém o espírito tranquilo, animado, e não é egoísta. A confiança em Cristo reflete a determinação nos propósitos.

Porém, há pessoas que não têm esperança. Consideram que a vida tem mais derrotas do que vitórias. Para elas, saúde é exceção, e doença é coisa normal. Pior, essas atitudes são repetidas dentro das famílias, e, infelizmente, algumas não querem mudanças. Desejam segurança espiritual, emocional, física e material, mas não lutam para conquistá-la.

O ser humano deve compreender que o seu destino está em suas mãos. Independente de ter sido ou não o responsável pelas suas derrotas no passado, faça como o apóstolo Paulo: esqueça o passado, prossiga para o alvo (Fp 3.14 ? adaptação da autora). Seja persistente, corajoso, e tome decisões que o levem a uma vida melhor.

Para se sentir realizado nas áreas espiritual, emocional, física e material, é fundamental ter coragem para dizer não à mentira, à inveja, ao egoísmo, à preguiça, ao desânimo, à incredulidade, à falsidade, à falta de perdão, à prostituição, ao adultério, ao legalismo, ao mau exemplo, ao ciúme; coragem para admitir erros, aceitar críticas construtivas e adotar novos métodos de conduzir a vida, desfazendo-se de hábitos nocivos. É preciso ter coragem para aprender a relacionar-se e ser quem você é, não quem gostaria de ser.

Seja uma pessoa corajosa. Deus não nos tem dado o espírito de covardia, mas de poder, amor e de equilíbrio (2 Tm 1.7 ? adaptação da autora).


1 comentário

Seja responsável pela sua disciplina diária A disciplina é o segredo por trás de toda história de sucesso

09.04.2013

Quem ama a disciplina ama o conhecimento (Provérbios 12.1a ARA). A disciplina funciona em todas as dimensões da vida do ser humano – financeira, física, emocional e espiritual. Muitos pensam e tentam conquistar seus objetivos sem o uso da disciplina em seu viver diário. O fim tem sido sempre trágico.

Enquanto alguns querem enriquecer depressa sem pagar o preço para tal, sem se esforçar e sem trabalhar honestamente, outros se arriscam com jogos de azar ou enganando o seu semelhante. Há os que desejam perder peso sem se exercitar e sem reeducar sua alimentação. Eles ingerem comprimidos ditos “milagrosos”, mas depois voltam a engordar. Alguns querem adquirir conhecimento estudando na última hora; outros se aproximam de Deus pedindo um milagre instantâneo em áreas de suas vidas e de relacionamentos que precisam de disciplina diária para que Deus possa agir.

O significado da palavra disciplina – obediência a regras de cunho interior; firmeza e constância nos seus propósitos – já nos revela o que é requerido de nós e o efeito dela. A pessoa disciplinada tem sua vida pautada por obediência a regras internas e externas; é firme, decidida, corajosa e persistente na realização de seus alvos espirituais, profissionais e sentimentais. Ela está sempre se qualificando para ser um bom cônjuge, pai/mãe, filho, amigo e cristão melhor.

Relaciono algumas dicas que o ajudarão a ter disciplina:

ü  A sua disciplina todas as manhãs determinará o seu dia;

ü  Discipline-se para começar o dia falando com Deus;

ü  Seja disciplinado nas pequenas tarefas realizadas diariamente;

ü  Coragem, conhecimento, planejamento, objetivos e disciplina são importantes para o sucesso;

ü  Nunca é tarde para mudar os maus hábitos. Para isso, adquira bons hábitos e abandone os maus;

ü  Se você deseja alcançar a excelência, comece com a disciplina;

ü  Sem disciplina, determinação, propósito e objetivo qualquer sonho não passará de devaneio;

ü  A indisciplina é a grande mãe do fracasso; o medo é o pai;

ü  Seus sonhos não se tornarão realidade se você ficar dormindo;

ü  O condicionamento físico deve ser uma disciplina, e não uma obsessão;

ü  A disciplina aumenta nossa capacidade de aprender.

O ideal, segundo a psicanalista Solange Lins, é exercitar a disciplina com escolhas que agradem a si mesmo e viver o dia-a-dia sem ultrapassar os próprios limites. “Se olhássemos a vida sob a ótica da disciplina, não geraríamos gastos exacerbados, não correríamos mais do que o nosso fôlego [permite], não comeríamos tanto e não nos precipitaríamos em abrir a boca para falar coisas indevidas”, afirma a especialista. Portanto, o nosso desejo para 2013 é que possamos investir pesado numa vida disciplinada para o corpo, as emoções e o espírito. Afinal, pessoas disciplinadas são mestras de si mesmas!

 

 


Nenhum comentário

Aprenda ouvir e obedecer a voz de Deus

08.04.2013

Se forem humildes e me obedecerem, vocês comerão das coisas boas que a terra produz (Is 1.19 NTLH)

Começamos uma nova etapa em nossa história. Mais um ano em que devemos continuar nossa trajetória de vida cristã nesta terra enquanto Jesus não volta. Por meio desse texto bíblico, aprendemos a importância de ouvir e obedecer à Palavra de Deus, a fim de sermos bem-sucedidos nas áreas espiritual, emocional, física e material.

A grande dificuldade do ser humano em ouvir e obedecer teve início no jardim do Éden, quando Adão e Eva, mesmo tendo sido orientados por Deus, escolheram fazer a sua própria vontade. A desobediência deu origem ao pecado. Quando deixamos de cumprir os princípios da Palavra de Deus, praticamos a desobediência, e o pecado se estabelece em nossa vida.

Precisamos entender a importância da obediência e desenvolver a disciplina no que se refere à vontade de Deus. Se formos obedientes, desfrutaremos do melhor desta terra.

Em 1 Samuel 15.22 (NTLH), o profeta respondeu ao rei Saul: O que é que o SENHOR Deus prefere? Obediência ou oferta de sacrifícios? É melhor obedecer a Deus do que oferecer-lhe em sacrifício as melhores ovelhas.

Quantas pessoas estão sofrendo e vivendo sem direção espiritual, pois focam somente o sacrifício e não obedecem aos mandamentos de Deus. São verdadeiras religiosas. O evangelista Lucas, no capítulo 6, versículo 46, registrou o questionamento de Jesus: E por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu digo?

Aprendemos com o Mestre que não adianta chamá-lo nos momentos de adversidade se não somos fiéis aos Seus princípios. Pedro e os demais apóstolos também entenderam o segredo da obediência quando declararam em Atos 5.29: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens. Já Tiago (1.22), declarando-se servo de Jesus Cristo, adverte os que estão apenas se enganando: E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos. Muitos na sua trajetória não somente andam no engano, como também enganam outros. Estes nunca serão bem-sucedidos.

Neste ano de 2012, quero incentivá-lo a continuar sendo um cristão obediente a Deus e aos princípios de Sua Palavra, que é o nosso manual de fé e prática. Nada nem ninguém podem substituir os valores encontrados nas Escrituras.

Declare:

Eu estou disposto a obedecer aos princípios da Palavra de Deus. Estabeleço para minha vida um ano padrão de excelência pessoal, familiar, espiritual, emocional e financeiro, baseado na Verdade.

Seja obediente a Deus, aos seus pais, aos seus pastores, aos seus líderes e aos seus patrões. A obediência é o segredo da vitória.

Que você tenha um ano vitorioso sob a direção de Deus.

 


1 comentário

Viva a liberdade!

02.04.2013

Como filhos de Deus, somos livres! Claro que isso é possível mediante a graça redentora de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, a quem amamos e cuja volta triunfal e maravilhosa esperamos.

Em Apocalipse 3.14-22, Deus fez uma advertência à Igreja que se encontrava em Laodicéia, dizendo aos seus membros que eles não eram frios nem quentes, e sim mornos. Ou seja, viviam de aparência, usando máscaras em sua família, no trabalho, na cidade em que moravam. Eles agiam de maneira totalmente diferente de quando estavam na igreja.

Entretanto, observe que atitude linda e importante, que promessa maravilhosa Deus fez a eles, pois ela se estende a mim, a você e a toda a nossa geração na face da terra. Nos versículos 21 e 22 de Apocalipse 3, em outras palavras, está escrito: Ao que vencer, lhe concederei que se assente comigo no meu trono, assim como eu [Jesus] venci e me assentei no trono com meu Pai [Deus de todo poder nos céus, na terra e no mar; e tudo está sob o Seu controle]. (Adaptação e ampliação da autora)

Eu, você e todos que estiverem lendo este artigo e que têm sido dirigidos pelo Espírito Santo de Deus somos a Igreja de Cristo aqui na terra. Nestes últimos dias, o Senhor está à procura de uma Noiva que seja fiel, obediente, sincera, humilde, de caráter íntegro, que tenha uma vida autêntica. O Senhor deseja que os membros do Seu Corpo sejam — em casa, no trabalho, na faculdade, no cursinho, enfim, em qualquer lugar — uma luz que ilumine este mundo em trevas, que jaz no maligno.

Como Igreja de Cristo, devemos cultivar bons hábitos e desenvolver o fruto do Espírito, que consta em Gálatas 5.22: amor, [compaixão, companheirismo, humildade, perdão], alegria, [celebração, comunhão], paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, [lealdade], mansidão, [paciência], [fé], domínio próprio [autocontrole do nosso temperamento]. O mundo verá Deus em nossa vida por meio de nossas atitudes, que refletem nossos hábitos [nossa maneira habitual de pensar, sentir e agir].

Deus nos deu dois presentes: o nosso corpo e o nosso tempo. O que você tem feito com eles? Acredito que, se está se cuidando fisicamente e sabe administrar seu tempo nas áreas espiritual, emocional e física, você terá uma boa qualidade de vida. Como Corpo de Cristo neste mundo, onde você estiver atrairá pessoas pela graça de Cristo, que, quando começa a reinar em nosso ser, desperta nosso desejo pelo bem-estar.

Entenda que só mediante a graça de Jesus passamos a transmitir uma energia positiva, revelada em nossas palavras, ações, atitudes e em nossos pensamentos. Dessa forma, descobrimos a grandeza de sermos livres, libertos, como Jesus Cristo foi. Pela Sua luz, Seu jeito de ser especial, Cristo levou e tem levado multidões a seguir Seus passos e a querer encontrar-se com Ele na glória.

A Palavra de Deus declara em Romanos 5.8 (BV): Deus, no entanto, mostrou seu grande amor por nós, enviando Cristo para morrer por nós enquanto ainda éramos pecadores. Que exemplo de amor e graça! Entenda esse segredo, e você será livre física, material, mental, emocional e espiritualmente!

Seja livre em Jesus Cristo, como parte do Corpo dele nesta terra. Sorria, abrace, beije, confraternize-se, seja você mesmo, pois você é único! Viva com prazer e satisfação os dias que Deus lhe tem proporcionado neste mundo. Assim, você, seus filhos, netos, bisnetos, enfim, toda a sua geração viverá dias celestiais e divinos. Não deixe para ser feliz só quando chegar ao céu. O nosso céu começa aqui. Já tomei posse da minha Canaã. E você?

Seja livre, escreva uma história de vitória!

 


Nenhum comentário

Jesus Cristo, nosso Cordeiro pascal

31.03.2013

 

Jesus Cristo, nosso Cordeiro pascal

“Porque isto é o meu sangue, que é derramado em favor de muitos para o perdão dos pecados, o sangue que garante a aliança feita por Deus com o seu povo” (Mt 26.28, NTLH).

 A Páscoa, comemorada pelos judeus, significa passagem. É realizada com o objetivo de fazer o povo recordar a libertação da escravidão egípcia e também a libertação da escravidão do pecado. Na antiga Páscoa judaica, antes da Festa dos Pães Asmos, as famílias removiam de sua casa todo o fermento ou os alimentos e bebidas fermentados. De acordo com o ensino bíblico, o fermento e tudo o que era preparado com ele simbolizavam o pecado.

Hoje, nossa Páscoa é representada pela Ceia do Senhor, uma das principais ordenanças da Igreja. Nessa festa, celebramos a morte e a ressurreição de Jesus Cristo, pois o cordeiro que era sacrificado na festa da Páscoa dos judeus apontava para o sacrifício de Cristo, o único Cordeiro que tira o pecado do mundo.

Cristo é a nossa Páscoa, aquele que nos propiciou a passagem da morte — vida de pecado, engano, mentira, inveja, orgulho, miséria, rivalidade, ressentimento, ódio, maldade e escravidão — para a vida. Por meio de Sua ressureição, Ele nos garantiu o direito à vida eterna e plena.

Quando o aceitamos, reconhecemos a importância e o significado de Seu sacrifício na cruz do Calvário e o confessamos como nosso Senhor, tornando-nos novas criaturas. Ele é o nosso caminho, a nossa Páscoa. Deus, por intermédio de Seu Filho, livrou-nos do domínio da morte e do pecado e concedeu-nos uma vida plena e saudável. Como Jesus mesmo disse: Eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância (Jo 10.10b).

Quando participamos da Ceia do Senhor, proclamamos ao mundo nossa fé no sacrifício expiatório de Cristo e em Sua segunda vinda. É o momento em que reconhecemos o quanto éramos e estávamos escravizados pelo pecado e pelo mundo, assim como o quanto necessitávamos de um Salvador, Jesus Cristo.

Pelo grandioso ato de amor de morrer por nós, Jesus se fez maldição em nosso lugar, presenteando-nos com a vida eterna e com o fortalecimento de nossa fé. A Sua oferta nos permitiu uma vida na qual o triunfo, o amor, a criatividade, a fecundidade e a crença na ressurreição eterna nos possibilitem viver a ressurreição do amor, da graça, da paz, da unção, da unidade, da alegria, da esperança, da comunhão e da fé em nossos relacionamentos.

Que você sempre comemore com sua família e em sua igreja essa ordenança tão especial e importante para nossa vida espiritual e física, pois, quando participamos da Ceia do Senhor, somos purificados e curados no corpo, na alma e no espírito.

 

Um grande abraço.

 

 


Nenhum comentário

Viva com propósito

18.03.2013

Todos nós, seres humanos, enquanto não estabelecermos um objetivo para o nosso viver diário, não poderemos dar o melhor de nós em nossas atividades diárias; ou talvez iremos passar toda a nossa vida fazendo coisas erradas e com projetos inacabados.

A palavra propósito quer dizer aquilo que se busca alcançar quando se faz alguma coisa; aquilo a que alguém se propôs; objetivo e finalidade. Logo, quando o ser humano se propõe a fazer diferença neste mundo e a realizar seus sonhos e projetos, ele precisa conscientizar-se de que sua vida deve ser direcionada por um propósito que esteja ao seu alcance realizá-lo.

Infelizmente existem muitas pessoas que estão sofrendo, pois ainda não conseguiram definir seus objetivos, e vivem desorientadas na área espiritual, emocional, física e material.

Deus, ao criar o ser humano, criou-o com um propósito específico: ser a coroa da criação de Deus; ser bênção, luz; ser como Cristo foi nesta terra. Como o apóstolo Paulo falou em 1 Coríntios 10.31: “Tudo o que vocês fizerem nesta terra, seja beber, comer, trabalhar, estar em família, ir à igreja, passear, ou outras coisas; façam tudo para a honra e glória do nome de Jesus” (paráfrase da autora).

Olha a definição de nossos propósitos. Todos eles devem ser realizados com o objetivo de Jesus Cristo ser exaltado e engrandecido. Portanto, é uma responsabilidade pessoal vivermos neste mundo com propósito e com a finalidade de não desistirmos daquilo que o Senhor nos tem confiado.

Saiba que Satanás vai fazer de tudo para que você não descubra seus propósitos ou viva desistindo deles. Muitas dificuldades vão surgir, mas o segredo é manter-se firme em sua decisão de ir até o fim. Como Jesus disse em Lucas 9.62: ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o Reino de Deus.

Então, se você está pensando em desistir de seus projetos e propósitos, sejam na área espiritual ou material, lembre-se de que o Senhor não deseja isto para você; Ele se entristece, quando alguém não confia nele nem acredita em si mesmo.

Cada um de nós tem uma vocação, um propósito específico nesta terra. O mundo precisa de você; e o que compete a você é responsabilidade sua. Saiba que, aquilo que Deus determinou para que você realizasse, Ele não cobrará de outra pessoa, mas de você. Peça ao Senhor para ajudá-lo a identificar suas habilidades e os propósitos dele para sua vida.

Aqui estão algumas perguntas que você deve fazer-se e que irão ajudá-lo a identificar seu objetivo:

“O que estou buscando?”. Todos nós temos um forte desejo no fundo do coração, algo que fala a nossos pensamentos e sentimentos mais profundos; algo que inflama nossa alma. Você só precisa encontrá-lo.

“Por que fui criado?”. Cada um de nós é diferente. Pense no inigualável conjunto de habilidades que possui, nos recursos à sua disposição, em sua história pessoal e nas oportunidades à sua volta. Se objetivamente identificar esses fatores e descobrir o desejo de seu coração, terá dado um grande passo no sentido de descobrir seu objetivo na vida.

“Acredito em meu potencial?”. Se você não acreditar que tem potencial, jamais tentará alcançá-lo. A dúvida gera a incredulidade, em Deus e em você; levando-o ao fracasso. O presidente Theodore Roosevelt disse: “Faça o que pode, com o que tem, onde estiver.” Se fizer isso com os olhos fixos no objetivo de sua vida. O que mais se pode esperar de você?

“Quando começar?”. A resposta para essa pergunta é: AGORA. Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Aplicai o vosso coração aos vossos caminhos (Ag 1.7).

1

 


Nenhum comentário

Março, um mês especial para as mulheres Comemore o Dia Internacional da Mulher sendo uma influência positiva para essa geração

16.03.2013

No próximo dia 8 de Março comemoramos o Dia Internacional da Mulher. A data é uma homenagem à manifestação das operárias de uma fábrica de tecidos, em Nova Iorque, por melhores condições de trabalho. O movimento foi reprimido com violência e cerca de 130 tecelãs morreram carbonizadas após terem sido trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Essa luta deu origem a tantas outras que resultaram em direitos e conquistas que hoje comemoramos no campo profissional, educacional, político, religioso, dentre outras áreas.

Porém, apesar dos avanços, vivemos uma verdadeira contradição nos dias atuais. Há muitas mulheres inseguras, insatisfeitas, escravas do seu corpo, dependentes da aceitação dos homens, exploradas sexualmente, prostituindo-se e expondo-se excessivamente. Os programas de TV nunca exploraram tanto a mulher. Usam-na de forma apelativa, e o que é pior, com o consentimento delas.

É muito triste assistir a esse quadro de degradação, justamente quando temos liberdade e direitos de cidadãs garantidos. A mulher tem o direito a estudar, a trabalhar, a produzir e a ganhar a vida de maneira digna, porém, algumas envergonham a classe feminina desmerecendo tantas conquistas.

 

Fonte de inspiração

Felizmente, encontramos na Bíblia exemplos de mulheres que viveram no passado, mas que são fonte de inspiração para nós, mulheres do século 21. Quero destacar as qualidades de algumas delas, como Ester, mulher de coragem, história descrita no livro que leva o seu nome; Abigail, mulher de iniciativa (1 Samuel 25); a mulher cananeia, uma pessoa de fé (Mateus 15.21); Maria, a mãe do Salvador, mulher obediente e sensível à voz de Deus (Lucas 1.26-38); Noemi e Rute, que souberam lidar com as perdas e que também são exemplos de fidelidade à amizade, passagem linda que você pode encontrar no livro de Rute; e a esposa de Noé, que confiando em Deus e em seu marido soube vivenciar a lei do desapego (Gênesis 7-10). Essas mulheres influenciaram e fizeram a diferença em sua geração.

Quero convocar você, mulher de Deus, que tem honrado e obedecido ao Senhor, a ser exemplo e canal de influência para essa geração. Devemos incentivar as mais jovens a crescerem no mundo espiritual, emocional, profissional e material, e a entenderem que somente Deus nos realiza plenamente e nos capacita para essa missão.

A mulher virtuosa exerceu esse papel muito bem. Você quer ser louvada, como uma mulher de Deus? Influencie da melhor maneira possível. Seja uma mulher sábia, prudente, obediente, disciplinada, honrada, ungida, valorizada e abençoada, pois Deus é contigo e conta com você.


Um grande abraço,


Nenhum comentário

Confissão e arrependimento

16.03.2013

É por meio da confissão e do arrependimento que o nosso Criador nos proporciona o perdão e a graça para continuarmos nossa jornada de vitória em nossa vida diária. Em 1 João 1.9 está escrito: Se confessarmos o nosso pecado, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.

A confissão e o arrependimento nos aproximam de Deus. Mas quando permanecemos no erro, levanta-se um muro de separação entre nós e Deus. É aí que Satanás, nosso inimigo, fará o que estiver ao seu alcance para nos impedir de desfrutar de um relacionamento íntimo com o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Ninguém é perfeito nem faz tudo certo o tempo todo. Algumas vezes dizemos coisas que magoam pessoas, mesmo quando não era nossa intenção. Também já tivemos maus pensamentos, omitimos e até mentimos. Todos nós pecamos de algum modo e precisamos pedir que o Senhor nos purifique.

Não precisamos ter matado ou roubado um banco para haver necessidade de confessar transgressões. A Bíblia nos ensina que a inveja, o egoísmo, a fofoca, a mentira e a incredulidade também são pecados.

A Palavra de Deus é clara ao afirmar que o Senhor não ouve as nossas orações quando escondemos e não confessamos as nossas culpas, conforme revela Salmo 66.18: Se eu atender a iniqüidade no meu coração, o Senhor não me ouvirá. Isaías 59.2 também adverte que as vossas iniquidades fazem divisão entre vós e o vosso Deus, e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça. Nossas perversidades nos separam do Senhor.

Devemos pedir constantemente a Deus que nos ajude a identificar os nossos erros e a nos afastarmos do pecado, a fim de que nosso relacionamento diário com Ele seja saudável.

Algumas atitudes que precisamos confessar:

·         Pensamentos que não glorificam a Deus;

·         Impaciência;

·         Arrogância;

·         Falta de fé no Senhor;

·         Desamor;

·         Mentiras que influenciaram outras pessoas;

·         Palavras torpes;

·         Falta de integridade;

·         Falta de generosidade;

·         Ciúme ou inveja;

·         Desonestidade.

Peça a Deus que lhe mostre a verdade e Ele trará à sua mente tudo o que você precisa. Torne a confissão e o arrependimento parte de sua rotina diária, e Deus sempre será exaltado e glorificado por meio de suas atitudes.

Deus o abençoe!

 


Nenhum comentário

Valorize sempre seus relacionamentos

11.03.2013

Deus, quando criou o ser humano, criou-o com algumas necessidades e limitações. A necessidade primária e mais veemente para o ser humano é a de ser amado pelo Senhor e pelas pessoas. Não adianta tentar ignorar essa necessidade; não dá para mascará-la com outras coisas nem fingir que não a temos. Ela é uma realidade espiritual e emocional. O nosso Senhor é um Deus de relacionamento: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo. E nos criou para mantermos relacionamentos saudáveis.

O apóstolo Paulo ilustrou essa necessidade muito bem quando escreveu em 1 Coríntios 12.21: “O olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti; nem ainda a cabeça, aos pés: Não tenho necessidade de vós”.

Quantas vezes fazemos isso em nossos relacionamentos de modo inconsciente ao evitarmos alguém que seja da nossa família, do no nosso ambiente de trabalho e muitas vezes até da nossa igreja.

Pedro, em sua primeira epístola, 4.10, disse que os bons relacionamentos eram uma das formas básicas que Deus usava para mudar nossa vida e demonstrar Seu amor por nós. E é na igreja que realmente conhecemos e experimentamos Seu toque na terra.

O relacionamento com Deus é primordial e importante. No entanto, a Bíblia não desvincula o nosso relacionamento com Deus do nosso relacionamento com as pessoas que fazem parte de Seu Corpo espiritual. Ao contrário. Ele disse que, se não tivermos relacionamentos bons e amorosos com nossos semelhantes, não o conheceremos.

Em 1 João 4.20,21, está escrito: “Se alguém diz: Eu amo a Deus e aborrece a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também seu irmão”.

O que muitos cristãos não compreendem é que se relacionar com os outros é uma atividade espiritual. Por isso, Satanás faz de tudo para interferir em nossos relacionamentos trazendo conflito e contenda e tentando isolar o ser humano. Ele sabe que precisamos uns dos outros; afinal, somos seres criados para o relacionamento, e não para o isolamento. E quando nos isolamos, damos brechas para o diabo agir em nossa vida.

Pensamos muitas vezes que a vida espiritual se resume a estarmos bem com Deus, mas Ele nos diz que a verdadeira espiritualidade implica uma vida de amor com Ele e com nosso próximo. Como está escrito em Mateus 22.37-40: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Desses dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas”.

Gostaria que você fizesse a si mesmo as seguintes perguntas:

1- Como estou me relacionando com as pessoas?

2- Meus relacionamentos estão sendo produtivos, melhor a cada dia?

3- Em que posso melhorar?

Algumas vezes achamos que o serviço cristão é o único indicador de que estamos crescendo espiritualmente, quando, na verdade, os nossos relacionamentos humanos são sempre ótimos indicadores de nossa vida espiritual. Jesus veio a este mundo não apenas para nos salvar, mas também para nos mostrar como amar Deus e os outros seres humanos (João 13.34,35).

Nas pregações, costuma-se a enfatizar muito o nosso relacionamento com Deus. Na Bíblia, porém, vemos que ambos — o amor a Deus e ao próximo — são vitais para o nosso crescimento espiritual e emocional. Na verdade, uma coisa não pode existir sem a outra.


2 comentários

Seja responsável por sua vida

07.03.2013

“De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus” (Rm 14.12)

Cada ser humano é responsável por sua filosofia de vida e por sua maneira de ser. Somos livres para escolher entre o certo e o errado e para, eventualmente, mudar de ideia. Deus nos deu essa liberdade, nossa grande riqueza, e fez-nos seres pensantes e inteligentes. Somos os autores e os construtores de nossa própria história.

Viktor Frankl, psiquiatra austríaco que ficou preso durante três anos em campos de concentração, declarou: “liberdade final é o direito que todo ser humano tem de escolher suas atitudes diante de uma determinada circunstância”. Somos, portanto, livres para decidir nossas atitudes internas e externas.

Para que nossas atitudes internas sejam saudáveis, é importante nós nos conhecermos. O autoconhecimento nos ajuda a entender por que temos relações difíceis com alguém, o que acontece muitas vezes não por causa do outro, mas porque estamos vivendo um conflito interno.

Diante de uma situação conflituosa, nossa primeira atitude deveria ser questionarmo-nos para discernirmos o que de nossa parte perturba ou interfere na relação. Nossa tendência natural é sempre, ou quase sempre, culpar o outro. Repetimos muitas vezes o que aconteceu no Éden, após a queda, quando Adão e Eva não assumiram a sua desobediência e partiram para a acusação e a culpa.

Devemos ser exigentes com a verdade em relação a nós mesmos, descobrir o que motiva o nosso comportamento em determinadas situações e circunstâncias, que tipo de pessoa nos incomoda, ofende-nos e transmite-nos o sentimento de sermos rejeitados.

Precisamos perguntar a nós mesmos se conhecemos nossos limites e se, para escondê-los dos outros, representamos um papel ou usamos máscaras, por medo de sermos rejeitados se nos revelarmos como somos. É fundamental aprendermos a ser autênticos, a não ter medo nem vergonha de mostrar nossa fraqueza e nossas limitações.

Também é vital recebermos de Deus a paz diante de nossos conflitos internos. Assim, nosso eu se manterá bastante forte para não ser afetado pela incompreensão do outro, absorvido por sua necessidade de independência ou reduzido a uma escravidão pelo seu amor.

O cristão consciente de sua identidade e inundado pela paz interior tem condições de aceitar, em certas circunstâncias, eventuais injustiças e de renunciar, se necessário, a seus direitos legítimos.

Ser humilde e ser bem-humorado são atitudes positivas, que fazem parte do viver diário de um indivíduo saudável e autêntico. Aceitar suas limitações e aprender a rir de si mesmo, sem amargura, estão entre as grandes forças de adaptação na existência e atenuam muitas tensões.

Em Gênesis 45.8, vemos que José foi um homem que aprendeu a lidar com seus conflitos internos, a responsabilizar-se por suas atitudes e a não ser influenciado pelo ressentimento, pela amargura, raiva e rejeição, tornando-se um exemplo para nós.

José aprendeu a dominar o seu eu interior e a não fazer julgamentos precipitados, independente das circunstâncias, mas a exercer o amor e o perdão. Não permitiu que o seu potencial fosse paralisado. Sua vida espiritual e sua vida emocional estavam sob o controle de Deus e o seu.

José não se deixou afetar por circunstâncias externas. Em todo o tempo foi autor de sua história. Não cultivou ressentimentos e o espírito de vingança e não aceitou ser controlado por seus ofensores nem agiu como eles.

O filho preferido de Jacó entendeu o segredo de ser responsável por seu bem-estar psíquico e espiritual, optou pelo que era certo, venceu o mal com o bem sendo justo, íntegro e verdadeiro. Por fim, ele entendeu o segredo de ser responsável por suas atitudes.

 


Nenhum comentário

RELACIONAMENTOS Confissão e arrependimento

21.01.2013

É por meio da confissão e do arrependimento que o nosso Criador nos proporciona o perdão e a graça para continuarmos nossa jornada de vitória em nossa vida diária. Em 1 João 1.9 está escrito: Se confessarmos o nosso pecado, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.

A confissão e o arrependimento nos aproximam de Deus. Mas quando permanecemos no erro, levanta-se um muro de separação entre nós e Deus. É aí que Satanás, nosso inimigo, fará o que estiver ao seu alcance para nos impedir de desfrutar de um relacionamento íntimo com o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Ninguém é perfeito nem faz tudo certo o tempo todo. Algumas vezes dizemos coisas que magoam pessoas, mesmo quando não era nossa intenção. Também já tivemos maus pensamentos, omitimos e até mentimos. Todos nós pecamos de algum modo e precisamos pedir que o Senhor nos purifique.

Não precisamos ter matado ou roubado um banco para haver necessidade de confessar transgressões. A Bíblia nos ensina que a inveja, o egoísmo, a fofoca, a mentira e a incredulidade também são pecados.

A Palavra de Deus é clara ao afirmar que o Senhor não ouve as nossas orações quando escondemos e não confessamos as nossas culpas, conforme revela Salmo 66.18: Se eu atender a iniqüidade no meu coração, o Senhor não me ouvirá. Isaías 59.2 também adverte que as vossas iniquidades fazem divisão entre vós e o vosso Deus, e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça. Nossas perversidades nos separam do Senhor.

Devemos pedir constantemente a Deus que nos ajude a identificar os nossos erros e a nos afastarmos do pecado, a fim de que nosso relacionamento diário com Ele seja saudável.

Algumas atitudes que precisamos confessar:

·        Pensamentos que não glorificam a Deus;

·        Impaciência;

·        Arrogância;

·        Falta de fé no Senhor;

·        Desamor;

·        Mentiras que influenciaram outras pessoas;

·        Palavras torpes;

·        Falta de integridade;

·        Falta de generosidade;

·        Ciúme ou inveja;

·        Desonestidade.

Peça a Deus que lhe mostre a verdade e Ele trará à sua mente tudo o que você precisa. Torne a confissão e o arrependimento parte de sua rotina diária, e Deus sempre será exaltado e glorificado por meio de suas atitudes.

Deus o abençoe!

 OLHO:

“A Palavra de Deus é clara ao afirmar que o Senhor não ouve as nossas orações quando escondemos e não confessamos as nossas culpas"


1 comentário

Relacionamentos com Jesus Cristo, o nosso pão diário

21.01.2013

Graças ao nosso bom, amado, maravilhoso, majestoso, poderoso e grandioso Deus Pai, Filho e Espírito Santo, declaramos pela fé em Jesus Cristo, nosso Eterno Salvador, que durante todo o ano de 2013 seremos renovados, transformados e saciados por meio da Sua Palavra e de Sua presença constante em nossas vidas.

Em Mateus 6.9-13 Jesus ensina aos Seus discípulos a oração modelo do Pai- nosso:

Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome. Venha o teu Reino. Seja feita a tua vontade, tanto na terra como no céu.  O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores. E não nos induzas à tentação, mas livra-nos do mal; porque teu é o Reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém!

Nessa oração, Jesus Cristo nos transmite ensinos preciosos. Ele nos incentiva a crer que Deus nunca deixará faltar a provisão para nossas vidas, e instrui-nos a sermos totalmente dependentes de Sua pessoa. Assim, devemos confiar que o Senhor durante todo este ano e diariamente nos abastecerá e também a nossa família. Não faltará nada, pois Ele é o Jeová Jireh, o Deus que supre nossas necessidades física, espiritual, emocional e material.

Que as experiências que vivenciarmos diariamente com o Senhor nos ensinem a depender, a esperar, a confiar e a descansar em Deus, a exemplo do rei Davi. O Salmo 55, por exemplo, apresenta-nos um Davi aflito e angustiado, mas confiante no Senhor, conforme relata o versículo 22: Lança o teu cuidado sobre o SENHOR, e ele te susterá; nunca permitirá que o justo seja abalado. Se seguirmos o exemplo do salmista e mantivermos uma atitude de confiança no Senhor, conforme Davi sinaliza, não viveremos excessivamente ansiosos, estressados o tempo todo, nem cederemos à incredulidade, ao medo e à insegurança. A mágoa, o ressentimento, o egoísmo e a mesquinhez não farão parte do nosso ser, pois Deus está no controle de nossas vidas. Pelo contrário, estaremos submissos à Sua vontade e ao Seu senhorio. Em 2013, Ele será o Senhor dos nossos projetos, relacionamentos, casamento, filhos, ministério, finanças, saúde, alma, corpo e espírito. É o que nos aconselha Provérbios 16.3: Confia ao SENHOR as tuas obras, e teus pensamentos serão estabelecidos.  

Jesus Cristo, o pão da presença, estará conosco em todos os momentos, conforme Ele mesmo assegura em Mateus 28.20: estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém! Portanto, tudo de que precisarmos para nossa sobrevivência, Ele suprirá, pois cremos que Sua bondade e misericórdia nos seguirão todos os dias deste ano e de nossas vidas.

Que a cada amanhecer você seja surpreendido pela provisão do Senhor, e que Deus o abençoe com o Seu amor, pois Ele é fiel.


Nenhum comentário

A era da sabedoria

16.11.2012

Adquire a sabedoria, adquire a inteligência e não te esqueças nem te apartes das palavras da minha boca (Provérbios 4.5).

A Palavra de Deus é o nosso maior manual de comportamento. Ela nos ensina a administrar nossa vida espiritual, emocional, física e material. A Bíblia nos instrui a sermos sábios porque podemos ter conhecimento secular ou ser bem-sucedidos financeiramente, mas não possuir a verdadeira sabedoria que vem de Deus.

Como está escrito em Tiago 3.13-18, existe dois tipos de sabedoria: a primeira é a que vem do alto, que provém de Deus; é pura, pacífica, equilibrada e misericordiosa. É ela que produz bons frutos, é imparcial e não é fingida, e semeia a paz.

Já o segundo tipo de sabedoria é a que vem do diabo. Esta é invejosa, resultam em divisão, contenda, confusão e mentira. Essa sabedoria é terrena, animal e diabólica, e quem a segue vive para praticar a perversidade. Por um momento, essa sabedoria pode beneficiar os que a exercem, porém, tanto essa pessoa como a sua geração colherão os frutos dessa atitude diabólica. Infelizmente, algumas famílias não se preocupam com o seu estilo de vida porque ainda não compreenderam o significado de Gálatas 6.7: Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.

Deus quer que o Seu povo compreenda o segredo de ser sábio nesta terra, pois isto influenciará nosso relacionamento com Ele, e iremos adorá-lo e servi-lo melhor. Como conseqüência, produziremos bons frutos em nossas relações familiares, profissionais, com os nossos irmãos em Cristo e com os nossos vizinhos.

Uma pessoa verdadeiramente sábia é desprovida de orgulho, ciúme, inveja e arrogância. Ela é humilde, pois reconhece que seus talentos e atributos vêm de Deus. Assim, ela não se considera superior aos outros; pelo contrário, tem compaixão de seus inimigos e intercede por eles diante de Deus.

Uma pessoa sábia tem poder para discernir a respeito dos propósitos do Senhor para a sua vida, pois está sempre pronta a obedecer às leis e aos princípios estabelecidos na Palavra de Deus, que é imutável e eterna. Como está escrito em Provérbios 4.10-12:

Ouve filho meu, e aceita as minhas palavras, e se te multiplicarão os anos de vida. No caminho da sabedoria, te ensinei e, pelas carreiras direitas, te fiz andar. Por elas andando, não se embaraçarão os teus passos; e, se correres, não tropeçará.

Clame ao Senhor por esta sabedoria e esteja sensível a voz do Espírito Santo, pois você possui um tremendo potencial em seu interior. Ainda no ventre de sua mãe, Deus lhe concedeu dons, talentos, capacidades, privilégios e diferentes tipos de inteligência. E todos esses atributos permanecerão latentes em sua vida se você fizer o esforço pessoal de buscar, de clamar a Deus e de exercitar a sabedoria divina, a única que


3 comentários

O otimismo nos relacionamentos

21.09.2012

Pessoas positivas conseguem enxergar o que os outros têm de melhor

Aprendemos no dia a dia, com nossos relacionamentos, que nem todas as pessoas são bem-intencionadas em suas ideias e comportamentos. Algumas vivem tentando levar vantagem sobre os outros e em certas situações. Já lidei com indivíduos desse tipo e, com certeza, você também.

Não temos como desvendar totalmente o interior do ser humano. Em Jeremias 17.9 lemos que enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá? Somente Deus nos conhece por completo e sonda nossas intenções.
E graças ao Seu amor e perdão Ele está sempre nos orientando a sermos melhores a cada dia. Deus nos deixou várias mensagens de otimismo em Sua Palavra. 

Mesmo se nos decepcionarmos, não devemos deixar de investir e acreditar no ser humano. Quando desconfiamos o tempo todo das pessoas, tendemos a comportar-nos de maneira errada com elas e a fazer julgamentos precipitados, prejudicando nossos relacionamentos. Temos de ser otimistas e esperar o melhor dos outros, pois essa atitude revela maturidade.

Jesus nos deixou um belo exemplo de conduta registrado na história da mulher adúltera. Ele desafiou as pessoas a atirarem nela a primeira pedra caso não tivessem pecado. Os mais velhos do grupo foram os primeiros a largar as pedras e ir embora. Por quê? A maturidade lhes dera o entendimento de que também eram pecadores.

A Bíblia nos incentiva a sempre desenvolvermos a empatia com nosso próximo: Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas (Mt 7.12). Precisamos conscientizar-nos de que todos nós temos limitações e falibilidades, características inerentes ao ser humano após a Queda. Como somos perdoados diariamente por Deus, precisamos aprender a adquirir o saudável hábito do perdão em nossos relacionamentos.

Seja otimista e aprenda a perdoar. As pessoas negativas não conseguem agir assim, pois não se sentem perdoadas e carregam mágoas e ressentimentos de relacionamentos mal resolvidos. Portanto, não conseguem ver nem extrair o melhor das pessoas. Estão sempre criticando e julgando com base no que elas mesmas têm de pior.

Se você é otimista e deseja manter e desenvolver relacionamentos saudáveis, o perdão deverá fazer parte do seu cotidiano. Temos de aprender a perdoar e a pedir perdão diariamente. Martin Luther King Jr. tinha razão quando afirmou que “o perdão não é um ato ocasional, é uma atitude permanente”.

Lembre-se de que seremos julgados de acordo com os mesmos critérios pelos quais
julgamos os outros. Se nos concentrarmos nos aspectos positivos do comportamento das
pessoas, será mais provável que elas façam o mesmo conosco.

 


Nenhum comentário

Desenvolva a resiliência

21.09.2012

E também nos alegramos nos sofrimentos, pois sabemos que os sofrimentos produzem a paciência, a paciência traz a aprovação de Deus, e essa aprovação cria a esperança (Rm 5.3,4, ntlh).

Desse texto, podemos extrair o seguinte ensinamento do apóstolo Paulo: se dependermos de Deus e soubermos administrar os momentos de adversidades, conquistaremos virtudes importantes para o nosso viver, como a paciência, a experiência e a esperança, e seremos exemplo, estímulo e bênção para outras pessoas.

Essa é uma grande verdade, pois estamos sujeitos a enfrentar circunstâncias difíceis, dolorosas e por vezes traumáticas, situações que, infelizmente, causam desequilíbrio emocional a muitas pessoas. A maioria destas, por não saber lidar com as dificuldades, desiste de viver, comete suicídio ou permite que sua vida fique paralisada.

As pessoas resilientes têm mais facilidade para suportar o sofrimento porque nos momentos de adversidade não perdem a esperança, o otimismo, a fé e a coragem, virtudes que as mantêm mais saudáveis mental e emocionalmente. Elas se tornam mais fortes após vivenciarem situações traumáticas. Leia o que está escrito em Filipenses 4.12,13.

Os que têm essas características desenvolvem uma postura que demonstra energia, entusiasmo, domínio próprio e autoconfiança. Reconhecem que o ser humano está sujeito a enfrentar adversidades em sua trajetória.

Jesus Cristo nos ensinou a sermos resilientes, conforme lemos em João 16.33 (ntlh): Eu digo isso para que, por estarem unidos comigo, vocês tenham paz. No mundo vocês vão sofrer; mas tenham coragem. Eu venci o mundo.

Nesse texto, o Senhor destaca que a paz e a coragem geram em nós uma grande vontade de viver e de superar todos os reveses, pois elas são sentimentos essenciais para vencermos o medo, a insegurança e o desânimo.

Em geral, a resiliência depende de algumas condições psicológicas internas e externas. Resilientes são pessoas otimistas e positivas, que assumem as suas responsabilidades, prezam a autonomia, estabelecem vínculos sociais e familiares construtivos e são flexíveis no que diz respeito à mudança de posicionamentos, sentimentos e pensamentos.

No âmbito das condições externas estão as relações que promovem suporte afetivo, material, acolhimento e cumplicidade. Pessoas assim estão abertas para o novo e aprendem a vivenciar a lei do desapego.

O mundo é dos fortes. Podemos considerar como fortes aqueles que dependem de Deus, que creem que com fé, coragem, otimismo, confiança e esperança superarão os obstáculos, aprenderão a recomeçar e não desistirão de seus objetivos. Indivíduos assim sabem o desígnio do Senhor para sua vida.

Quanto maior for nossa resiliência, maiores serão as condições para o nosso desenvolvimento pessoal, profissional, espiritual e material. Por isso, não se deixe abater pelo desânimo. Tenha sua fé firmada nas promessas de Deus e não abra mão dos princípios em Sua Palavra. Haja o que houver, seja fiel e leal ao Senhor, pois com Ele somos mais do que vencedores!


Nenhum comentário

Conquiste credibilidade! Suas atitudes no dia a dia transmitirão bons ou maus conceitos sobre você

16.07.2012

  Construir uma reputação que nos conceda o aval da credibilidade não acontece da noite para o dia. Nossa trajetória de vida e nossos relacionamentos sinalizarão o quanto somos benquistos, responsáveis e dignos ou não de confiança.

  A credibilidade é galgada dia a dia por meio de nossas atitudes e nossos posicionamentos diante das pequenas coisas, por mais simples que pareçam. Devemos ser responsáveis em tudo o que fazemos, pois nossas ações despertam a imaginação das pessoas quanto aos fatos realmente importantes e urgentes.

  Pessoas com credibilidade são aquelas que desenvolvem um conjunto de atitudes como a honestidade, a humildade, a integridade, a lealdade, a pontualidade, a dignidade, a transparência, o coleguismo, a ética, a competência profissional e a constância. Esses atributos conferem aos que os cultivam status de responsabilidade e confiança.

  Quando você conquistar a confiança de alguém, este dará crédito a todas as suas ações, pois, com base em seus comportamentos já demonstrados, a pessoa se sentirá confortável para acreditar em suas idéias e propostas. Ela confiará nos frutos, nos resultados de suas atitudes.

Na Bíblia lemos sobre homens e mulheres que, por meio de sua conduta, tornaram-se dignos de confiança e influenciaram muitas pessoas. Vejamos alguns desses exemplos.

José se tornou governador do Egito; Daniel foi nomeado primeiro-ministro da Babilônia; Abigail conquistou o reconhecimento de Davi e tornou-se sua esposa; Ester ganhou a confiança do rei Artaxerxes, o título de rainha e salvou o seu povo; Paulo alcançou a credibilidade dos gentios e veio a ser o maior pregador desse povo.

Finalmente, o Senhor Jesus conquistou a confiança da Sua noiva, a Igreja, que o aguarda ansiosa para o grande encontro reservado a todos os que crêem em Suas promessas.

Jesus, o nosso maior exemplo de credibilidade, durante toda a Sua trajetória, conquistou o status de responsabilidade e confiança diante do povo, não abrindo mão do propósito de Sua vinda como Filho de Deus a esta terra: salvar, libertar e restaurar o ser humano, que estava condenado ao inferno.

Que como Ele possa comprometer-nos em construir e deixar para as próximas gerações um legado de credibilidade, e que nossos relacionamentos sejam pautados na integridade, na lealdade e na transparência, pois assim influenciaremos a nossa geração a buscar ser digna de respeito e confiança.

Deus o abençoe!


Nenhum comentário

O segredo da verdadeira liberdade

08.06.2012

Cristo nos libertou para que nós sejamos realmente livres (Gálatas 5.1a NTLH).

Quando nos tornamos discípulos de Cristo, desenvolvemos as atitudes do verdadeiro seguidor de Jesus, experimentamos o perdão de Deus, que nos liberta do pecado, e passamos a viver pela graça, conforme Gálatas 1.6: Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho.

Por meio de Seu sacrifício na cruz do Calvário, Jesus nos libertou da escravidão do pecado, garantiu-nos o privilégio de sermos filhos de Deus e comissionou-nos para darmos continuidade à Sua missão de implantar o Seu Reino na terra. Nesse Reino, as pessoas são livres para viver o evangelho, que transforma o ser humano no corpo, na alma e no espírito.

O segredo da liberdade que temos em Cristo não é uma licença para pecar, mas uma oportunidade para servir aos outros. Porém, isso só acontecerá quando deixarmos Jesus reinar em nossa vida e formos repletos e transbordantes do Seu amor. Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis, então, da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pela caridade (Gálatas 5.13).

O amor é a palavra-chave de toda liberdade sadia. Quem ama vive bem e promove o bem-estar do outro. Porém, somente desfrutará da verdadeira liberdade concedida por Cristo aquele que ama a Deus, ama a si mesmo e ao seu próximo. Em contrapartida, a liberdade sem o amor divino leva à depravação, à perversão, à destruição, à ruína, à corrupção, à desorganização, à sexualidade distorcida e à imoralidade.

Presenciamos no mundo uma falsa liberdade, que não cultiva o amor ao próximo. Esse comportamento gera violências, roubos, assassinatos, calúnias, destruição das famílias e conflitos de relacionamento.

A realidade é que o ser humano não faz uso da liberdade pautada no amor de Deus, pois, se o fizesse, o Espírito Santo o encheria do verdadeiro amor, um dos atributos do fruto do Espírito.

Em Gálatas 5.6, o apóstolo Paulo enfatiza que a verdadeira liberdade cristã somente será vivida quando o homem compreender que sua fé abençoará a sua vida e a de outras pessoas, quando ele agir em função do amor.

O que faltava aos cristãos da Galácia era justamente esse amor divino. Estar preso a dogmas humanos não garante espiritualidade. Somente o agir do Espírito Santo pode banir o egoísmo e vencer a luta contra a natureza carnal.  

Quando amamos Deus e o priorizamos como Senhor, amamos as pessoas, pois o Seu amor domina nosso coração. Uma pessoa cheia do amor e da graça de Deus obedece a Ele e cumpre os princípios da Sua Palavra. Essa sim é a verdadeira liberdade!


Nenhum comentário

Aprenda a ouvir e a obedecer a Deus

17.02.2012

Se forem humildes e me obedecerem, vocês comerão das coisas boas que a terra produz (Is 1.19 NTLH)

Começamos uma nova etapa em nossa história. Mais um ano em que devemos continuar nossa trajetória de vida cristã nesta terra enquanto Jesus não volta. Por meio desse texto bíblico, aprendemos a importância de ouvir e obedecer à Palavra de Deus, a fim de sermos bem-sucedidos nas áreas espiritual, emocional, física e material.

A grande dificuldade do ser humano em ouvir e obedecer teve início no jardim do Éden, quando Adão e Eva, mesmo tendo sido orientados por Deus, escolheram fazer a sua própria vontade. A desobediência deu origem ao pecado. Quando deixamos de cumprir os princípios da Palavra de Deus, praticamos a desobediência, e o pecado se estabelece em nossa vida.

Precisamos entender a importância da obediência e desenvolver a disciplina no que se refere à vontade de Deus. Se formos obedientes, desfrutaremos do melhor desta terra.

Em 1 Samuel 15.22 (NTLH), o profeta respondeu ao rei Saul: O que é que o SENHOR Deus prefere? Obediência ou oferta de sacrifícios? É melhor obedecer a Deus do que oferecer-lhe em sacrifício as melhores ovelhas.  

Quantas pessoas estão sofrendo e vivendo sem direção espiritual, pois focam somente o sacrifício e não obedecem aos mandamentos de Deus. São verdadeiras religiosas. O evangelista Lucas, no capítulo 6, versículo 46, registrou o questionamento de Jesus: E por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu digo?

Aprendemos com o Mestre que não adianta chamá-lo nos momentos de adversidade se não somos fiéis aos Seus princípios. Pedro e os demais apóstolos também entenderam o segredo da obediência quando declararam em Atos 5.29: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens. Já Tiago (1.22), declarando-se servo de Jesus Cristo, adverte os que estão apenas se enganando: E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos. Muitos na sua trajetória não somente andam no engano, como também enganam outros. Estes nunca serão bem-sucedidos.

Neste ano de 2012, quero incentivá-lo a continuar sendo um cristão obediente a Deus e aos princípios de Sua Palavra, que é o nosso manual de fé e prática. Nada nem ninguém podem substituir os valores encontrados nas Escrituras.

Declare:

Eu, _____, estou disposto a obedecer aos princípios da Palavra de Deus. Estabeleço para minha vida um ano padrão de excelência pessoal, familiar, espiritual, emocional e financeiro, baseado na Verdade.

Seja obediente a Deus, aos seus pais, aos seus pastores, aos seus líderes e aos seus patrões. A obediência é o segredo da vitória.

Que você tenha um ano vitorioso sob a direção de Deus.


Nenhum comentário

Por uma vida melhor

17.02.2012

Viver melhor nas áreas espiritual, emocional, física e material é o objetivo de todo o ser humano. Todos nós temos sonhos e ansiamos por sermos melhores a cada dia na família, no trabalho e no serviço cristão. Mas, para termos uma vida qualitativamente melhor, é fundamental que busquemos a sabedoria e a direção de Deus, a fim de que se cumpra o que é revelado em Provérbios 4.18: A vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito.

 

Anote algumas dicas que irão ajudá-lo a viver melhor:

1. Ame a Deus de todo o coração, como instrui Deuteronômio 6.5.
2. Ame ao seu próximo assim como a si mesmo (Mateus 19.19).
3. Honre e respeite as autoridades que Deus colocar sobre a sua vida, independente de quem sejam e do que lhe façam.
4. Não deseje o que não lhe pertence.

5. Aprenda o segredo de doar-se em todas as áreas de sua vida.
6. Não cultive mágoas, ressentimentos e amarguras.
7. Viva como se este fosse seu último dia. Aproveite-o ao máximo; faça seu melhor, pois vivemos para Deus.
8. Mantenha o hábito de rir e de sorrir.
9. Pratique um esporte ou uma atividade física.
10. Encontre-se regularmente com seus amigos. Se você não tem amigos, construa amizades saudáveis.

11. Leia a Bíblia e procure manter-se atualizada lendo jornais, revistas e bons livros;
12. Priorize o lazer e as férias em família.

13. Evite o excesso de sol.
14. Beba de seis a oito copos de líquido por dia.
15. Tenha uma alimentação saudável.
16. Durma de seis a oito horas por dia.
17. Leia antes de dormir, em vez de assistir televisão. Se puder, não tenha televisão em seu quarto, pois este é um lugar de descanso e prazer com seu cônjuge.
18. Cuide de sua saúde; faça um check-up anualmente.
19. Administre seus conflitos intra e interpessoais com sabedoria, seguindo a orientação do Espírito Santo.
20. Aceite opiniões dos outros.
21. Opte sempre pela paz.
22. Cultive pensamentos positivos e sinceros.
23. Seja humilde.
24. Aprenda a conhecer-se e a conviver consigo mesmo.
25. Viva de maneira mais simples, priorizando mais o ser do que o ter.
26. Planeje sua vida financeira; compre somente o que é possível e necessário.
27. Mantenha o entusiasmo.
28. Não deixe de sonhar.
29. Preserve o planeta.
30. Seja sempre grato a Deus. Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco (1 Ts 5.18).


Que o Senhor abençoe ricamente a sua vida e a de sua família! Que seus sonhos sejam alcançados di


Nenhum comentário

Seja responsável por sua vida

09.02.2012

De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus (Rm 14.12). 

Cada ser humano é responsável por sua filosofia de vida e por sua maneira de ser. Somos livres para escolher entre o certo e o errado, e para, eventualmente, mudar de idéia. Deus nos deu essa liberdade, nossa grande riqueza, e nos fez-nos seres pensantes e inteligentes. “A liberdade que Deus nos deu é nossa grande riqueza.” Somos os autores e os construtores de nossa própria história.

Victor Viktor Frankl, psiquiatra austríaco, que ficou preso durante três anos em campos de concentração, declarou: “Liberdade final é o direito que todo ser humano tem de escolher suas atitudes diante de uma determinada circunstância”. Somos, portanto, livres para escolher e decidir nossas atitudes internas diante de nós mesmos, e externas diante dos outros.

Para que nossas atitudes internas sejam saudáveis, somos importantes nós nos conhecermos. O autoconhecimento nos ajuda a entender porque temos relações difíceis com alguém, o que acontece muitas vezes não por causa do outro, mas porque estamos vivendo um conflito “interno”.

Diante de uma situação conflituosa, nossa primeira atitude deveria ser nos questionarmos para discernirmos o que de nossa parte perturba ou interfere na relação. Nossa tendência natural é sempre, ou quase sempre, culpar o outro.  Repetimos muitas vezes o que aconteceu no Éden, após a queda, quando Adão e Eva não assumiram a sua desobediência e partiram para a acusação e a culpa.

Devemos ser exigentes com a verdade em relação a nós mesmos. Descobrir o que motiva o nosso comportamento em determinadas situações e circunstâncias, que tipo de pessoa nos incomoda, ofende-nos e transmite-nos o sentimento de sermos rejeitados.

Precisamos perguntar a nós mesmos se conhecemos nossos limites e se, para escondê-los dos outros, desempenhamos representamos um papel, ou usamos máscaras, por medo de sermos rejeitados se nos revelarmos tal como somos. É fundamental aprendermos a ser autênticos, a não ter medo nem vergonha de mostrar nossa humanidade fraqueza e nossas limitações.

Também é vital recebermos de Deus a paz diante de nossos conflitos internos. Assim, nosso eu se manterá bastante forte para não ser afetado pela incompreensão do outro, absorvido por sua necessidade de independência ou reduzido a uma escravidão pelo seu amor.

Em terceiro lugar, o cristão consciente de sua identidade tem condições de aceitar, em certas circunstâncias, eventuais injustiças e de renunciar, se necessário, a seus direitos legítimos.

Aprender a ser humildes e ser bem-humorados é atitude positivas que fazem parte do viver diário de um indivíduo saudável e autêntico. Aceitar suas limitações e aprender a rir de si mesmo, sem amargura, está entre as grandes forças de adaptação na existência e atenuam muitas tensões.

Em Gênesis 45.8, vemos o exemplo de José, um homem que aprendeu a lidar com seus conflitos internos, a responsabilizar-se por suas atitudes e a não ser influenciado pelo ressentimento, pela amargura, raiva e rejeição, tornando-se um exemplo para nós.

José aprendeu a dominar o seu eu interior e a não fazer julgamentos precipitados, independente das circunstâncias, mas a exercer o amor e o perdão. Não permitiu que o seu potencial fosse paralisado. Sua vida espiritual e sua vida emocional estavam sob o controle de Deus.

José não se deixou afetar por circunstâncias externas. Em todo o tempo era foi autor de sua história. Não cultivou ressentimentos e o espírito de vingança e não aceitou ser controlado por seus ofensores nem agiu como eles.

O filho preferido de Jacó entendeu o segredo de ser responsável por seu bem-estar psíquico e espiritual, decidiu pelo que era certo, venceu o mal com o bem sendo justo íntegro e verdadeiro. Por fim, Ele entendeu o segredo de ser responsável por suas atitudes.


Nenhum comentário

Liberte-se da inveja!

09.02.2012

 O coração com saúde é a vida da carne, mas a inveja é a podridão dos ossos (Provérbios 14.30).

Existe uma história interessante sobre a inveja. Uma serpente estava perseguindo um vagalume. Quando estava a ponto de comê-lo, o vagalume disse: “Posso fazer uma pergunta?”. A serpente respondeu: “Na verdade, nunca respondo a perguntas das minhas vítimas, mas, por ser você, vou permitir”. Então o vagalume perguntou: “Fiz alguma coisa a você?”. “Não”, respondeu a serpente. “Pertenço à sua cadeia alimentar?”, perguntou o vagalume. “Não”, ela respondeu de novo. “Então, por que você quer me comer?”, indagou o inseto. “Porque não suporto vê-lo brilhar.”

Ter inveja não é somente almejar o que a outra pessoa tem, mas também desejar viver como ela vive.

O invejoso se queixa de tudo e de todos, acredita que não conquistará o que o outro possui, não reconhece as suas habilidades e talentos, pois está e vive focado no outro; portanto, torna-se um eterno insatisfeito.

É possível invejar um bom carro, um corpo lindo, uma casa maravilhosa, uma saúde de ferro, um cargo alto na hierarquia, um bom marido, uma boa esposa, uma mulher inteligente, o carisma de certas pessoas, etc.

A inveja pode ter origem naquilo que o indivíduo pensa que não tem, mas de que necessita para ser feliz, ou em uma autoestima que acredita que só poderá ser feliz se possuir o que o outro tem. Ela desvia o foco, conduzindo a energia da pessoa para o lado errado. É um sentimento ambicioso que não lhe permite vislumbrar o que está à sua frente nem o que lhe pertence. Por conta disso, pode gerar vingança, crimes, violência, enganos e maus-tratos, tudo pelo desejo de possuir o que o outro tem, de querer estar no lugar dele.

A excelência, o triunfo e o sucesso motivam a inveja. Ninguém inveja um miserável ou um mendigo; inveja conquistas, reconhecimento, bens materiais, riquezas, família estruturada, casamento feliz, amizades. Na Bíblia Sagrada vemos relatos de alguns casos de homens e mulheres que se deixaram levar pela inveja.

Raquel, mencionada em Gênesis 30.1, teve inveja de sua irmã, Lia, pois esta tinha filhos, e disse a seu marido, Jacó: Dá-me filhos, senão morro. Pessoas morrem espiritualmente por esse sentimento.

Em Atos 7.9 está escrito que os irmãos de José, movidos de inveja, venderam-no para o Egito. A presença de José os incomodava. Por isso, não sossegaram enquanto não deram um fim nele. Mas, será que eles tinham paz? A história mostra que não.

O invejoso não tem paz. O texto de Provérbios 14.30 afirma que a inveja é a podridão dos ossos. Ela mata o seu algoz aos poucos. O invejoso passa o tempo opinando sobre o que o outro tem e julgando, em vez de buscando alcançar seus objetivos.

Analise suas emoções, aprenda a admirar e não invejar a prosperidade, o sucesso, ou qualquer feito alheio. As conquistas devem inspirar-nos. Infelizmente, os invejosos só veem o final, não analisam o processo. Para conquistar, é preciso ter vontade, coragem, força, energia, integridade e confiança, percorrendo o caminho até à vitória.

O sucesso do outro deve sacudir nosso conformismo e estimular-nos a ser melhores a cada dia. Olhando para Jesus, autor e consumador da fé (Hb 12.2a). Seja um eterno admirador dele.


Nenhum comentário

Relacionamentos - Administrando conflitos – Parte 6

29.06.2011

É normal nos sentirmos frustrados quando algumas de nossas necessidades não são satisfeitas. Esse sentimento, porém, é capaz de gerar uma hostilidade contra a causa direta da frustração, produzindo, por vezes, uma transferência de agressividade.

A psicóloga Anne-Marie Rocheblave, em seu livro Frustração e conflito, cita o caso de uma menina de três anos que costumava ser desagradável com seus pais às segundas-feiras porque algumas vezes eles se ausentavam no domingo, ou recebiam amigos nesse dia, dedicando pouco tempo a ela. A criança também se mostrava hostil com os convidados, pois entendia que eles a afastavam dos pais dela.

Segundo Maslow, estudioso do comportamento humano, todo indivíduo tem necessidades fisiológicas de segurança, de pertencer a algo ou a um grupo, de realização, e necessidades espirituais. Quando uma dessas necessidades não é atendida, ele se sente frustrado, podendo tornar-se agressivo com ele mesmo e com outros.

Há pessoas que se autodestroem com as drogas, a prostituição, ou desejam destruir o próximo. É o caso daquelas que cometem crimes em massa, como o jovem que matou a tiros 12 crianças em uma escola no Rio de Janeiro. As frustrações mal resolvidas de sua adolescência o levaram a matar principalmente meninas, pois eram elas que mais debochavam dele.

Medo, ódio, agressividade, inveja, ciúme, desejo de possuir. Todos esses sentimentos que os adultos sentem e expressam têm origem em experiências ocorridas durante a sua gestação ou na infância, ainda que, naturalmente, alguns acontecimentos fiquem reprimidos e esquecidos no inconsciente.

Uma das frustrações mais frequentes diz respeito à segurança e à sensação de dependência. A pessoa que se sente rejeitada, abandonada, desamada ou mal-amada se protegerá com uma relação de hostilidade, ou terá insegurança nos seus relacionamentos, apoiando-se em uma falsa contradição quanto ao que aparenta ser e o que realmente é. Essa sensação de ambivalência a angustia de tal forma que ela compensa essa angústia reforçando a sua agressividade.

Todos nós temos um lado iluminado e um lado sombrio, e este precisa ser reconhecido, analisado e trabalhado internamente. Não gostamos que digam que somos agressivos, mas, segundo o apóstolo Paulo, autoanalisar-se é o segredo para que o ser humano conviva bem com seus semelhantes: Portanto, que cada um examine a sua consciência e então coma do pão e beba do cálice (1 Co 11.28 ntlh).

Paulo reconhecia a importância da autoanálise para refrear sentimentos e atitudes que muitas vezes tememos. Quando negamos nossas pulsões agressivas ou tentamos ignorá-las, elas ressurgem sob as formas mais insidiosas: farisaísmo, perseguição, proselitismo, pretensão, maledicência, hipocrisia, ascetismo.

Portanto, o melhor é não negar a nossa agressividade, mas identificar nela o aspecto positivo e cuidar para que não se torne negativa, procurando desenvolver a cada dia em nosso viver diário o fruto do Espírito, registrado em Gálatas 5.22,23 (ntlh): Mas o Espírito de Deus produz o amor, a alegria, a paz, a paciência, a delicadeza, a bondade, a fidelidade, a humildade e o domínio próprio. E contra essas coisas não existe lei.

 

OLHO:

“Todos nós temos um lado iluminado e um lado sombrio, e este precisa ser reconhecido, analisado e trabalhado internamente”



Nenhum comentário

Administrando conflitos – Parte 4

26.05.2011

 

Discutimos esse tema amplamente, mas não é demais analisarmos com profundidade questões que estãopresentes no nosso dia-a-dia. Como antecipei na edição de janeiro, o assunto a ser tratado este mês é a inveja.

Esse sentimento pode surgir ainda na infância. Pode ser motivado, por exemplo, pelo nascimento de um irmão ou uma irmã. Nesse caso, não se trata de um pecado, mas de um sentimento afetivo real que os pais devem discernir, compreender e curar. Dizemos à criança que ela deve amar o novo membro da família, mas, inconscientemente, ela o odeia porque pensa que o recém-nascido roubou o amor de seus pais. Para reencontrar esse amor, ela maltrata o bebê e torna-se desobediente e irritadiça.

Mas, de onde vem a inveja? Ela possui duas origens: externa e interna.

 

Origem externa

Nenhum grupo, e aí se inclui a família, possui todos os recursos de que cada membro precisa. Os recursos afetivos, técnicos, financeiros, entre outros, revelam-se sempre limitados.

Sua divisão justa é uma tarefa difícil. Mesmo se cada um recebe uma parte do “bolo”, inevitavelmente, há descontentes em relação a questões concretas, tais como: Quem vai usar o carro da família? Quem vai ocupar o melhor quarto? Quem terá tal responsabilidade?

Origem interna

Alguns estudiosos do comportamento dizem que a inveja nasce do desejo mimético, da imitação. O que rege a relação do ser humano é o desejo de possuir o que o outro tem. Veja como uma criança reage quando o irmão, por exemplo, ganha um bombom. Ela logo grita que também quer.

Muitas vezes queremos ser o que o outro é, saber o que o outro sabe, possuir o que o outro possui. E, é claro, o outro se torna um concorrente porque é no lugar dele que queremos estar, fazer ou possuir. É dessa maneira que o conflito penetra os relacionamentos. Passamos da imitação à rivalidade, da admiração à animosidade. O outro é nosso modelo, mas, justamente por esse motivo, ele se torna nosso rival (Ec 4.4).

De um lado, a “inveja é aquilo que faz de nós um ser social”, como diz Françoise Dolto, já que ela nos leva a tomar consciência dos outros e a imitá-los. Mas, por outro lado, ela destrói as relações e suscita uma hostilidade intensa e duradoura.

A pessoa invejosa é agressiva, crítica, irônica, conduz-se de maneira desvalorizadora, cheia de desprezo em relação àqueles que considera como rivais. Enfim, o invejoso não descobriu quem ele é e qual o seu propósito neste mundo. Por isso, passa a ser uma pessoa altamente insegura e incomodada com o outro, quase sempre insatisfeita com tudo e com todos, a começar com ela mesma. Ela se concentra obsessivamente no objeto de sua inveja, e, assim, seu campo de visão se retrai. O invejoso pode, então, tornar-se amargurado ou amar de uma forma exagerada e hipócrita.

O que fazer para livrar-se da inveja? Faça um levantamento de tudo o que Deus lhe tem dado e seja grato por tudo; aceite suas limitações e evite rigorosamente se comparar com outras pessoas; passe a agradecer a Deus pelos talentos, dons e pela capacidade dos outros; lembre-se de qual é o seu chamado em Deus, e não deseje o chamado dos outros. Leia Êxodo 20.17; 1 Coríntios 3.3; 13.2; Tito 3.3.


 


2 comentários

Administrando conflitos - Parte 3

26.05.2011

 

Começamos o ano de 2011 dando continuidade ao tema que abordamos nas duas últimas edições, nas quais analisamos a existência de conflitos como resultado da relação social, vimos o exemplo bíblico do primeiro casal, a partir da queda, e examinamos as dimensões espirituais e psicológicas dos conflitos, os quais geram crises, interferindo diretamente na vida do ser humano. Nesta edição trataremos de um fator que contribui para o conflito: o egoísmo.   

Enquanto o egocentrismo leva uma pessoa a considerar-se a mais importante, o centro do mundo, o egoísmo é manifestado por um apego excessivo a si mesmo que faz com que ela busque, de maneira exclusiva e calculada, a satisfação de seu prazer e seus próprios interesses, mesmo em detrimento do bem-estar e dos interesses alheios.

Na Bíblia, vemos que os egoístas, a fim de conseguirem o que desejavam, foram capazes de matar ou destruir pessoas e famílias. A rainha Jezabel e o rei Acabe exemplificam isso. Jezabel mandou matar Nabote por causa de uma vinha que o esposo dela, Acabe, cobiçava (1 Rs 21). Atente, porém, para o terrível fim de Jezabel, registrado em 1 Reis 21.23 e 2 Reis 9.30-37.  

Todo egoísta vive num universo fechado constituído pelo seu eu. Seu relacionamento com as pessoas que o rodeiam é alterado de acordo com as vontades e os desejos dele, que visam somente ao seu bem-estar. O egoísta nunca se preocupa com seu próximo ou pensa neste, não tem outra referência a não ser ele mesmo, tem um apego exagerado a si próprio, é demasiadamente ciumento, incapaz de negociar em caso de dissensão, de aceitar um compromisso, rever uma opinião ou escutar a do outro. Ele despreza o ponto de vista alheio — apenas o seu é que conta. Por último, e mais importante, o egoísta suscita e mantém conflitos porque não satisfaz às necessidades dos outros.  

É essencial saber que a base dos relacionamentos interpessoais é precisamente o fato de que cada indivíduo coopera para a satisfação das necessidades do outro. No tocante às convenções sociais, podemos chamar isso de “contrato relacional”. Ninguém basta a si mesmo. Todo ser humano precisa do outro. Portanto, necessita manter relações sociais.  

No Éden, Adão devia sentir-se frustrado ao tentar estabelecer uma conversa com algum animal. As necessidades fisiológicas do primeiro homem eram satisfeitas com a bebida, a alimentação, o sono, e as espirituais, por Deus, mas faltava a Adão um contato direto com outro ser humano para o homem ter suas necessidades emocionais e intelectuais supridas.  

Deus, em Sua sensibilidade, apercebeu-se disso, constatando que não era bom que o homem estivesse só (Gn 2.18). Assim, Ele criou Eva. Desde então, e enquanto o ser humano existir, sempre buscará satisfazer suas necessidades espirituais, emocionais, físicas e materiais. Isso é normal e saudável. Mas o que o Senhor nos ensina é fazer aos outros o que gostaríamos que nos fizessem (Jo 13.34).  

No próximo mês, falaremos sobre a inveja, outro fator gerador de conflitos, uma vez que o invejoso é movido pelo despeito e pelo desejo de possuir o que o outro tem.

 

Deus os abençoe ricamente.


 


Nenhum comentário

Administrando conflitos – Parte 6

26.05.2011

 

Nesta edição, falaremos sobre a cólera, um sentimento inerente a todo ser humano e que não é necessariamente um pecado, uma violação à Lei de Deus. É com frequência um fenômeno bioquímico, que independe da nossa vontade. Em segundos, o coração bate mais rápido, a pressão sanguínea se eleva, e o corpo passa da calma para o estado de alerta.

Porém, o apóstolo Paulo nos adverte: Irai-vos e não pequeis (Ef 4.26). Isso quer dizer que temos condições de  controlar a sequência imediata desse processo fisiológico. Circunstâncias ou pessoas podem levar-nos à cólera, mas somos nós que escolhemos permanecer coléricos, e a cólera se torna ruim quando optamos por permanecer nesse estado.

Pessoas com tendência à cólera podem encontrar a origem desse sentimento na infância. Crianças que foram reprimidas em suas emoções podem, na fase adulta, defender-se da repressão criando problemas e indignando-se até diante de situações simples. As que foram criadas por pais que gritam por qualquer motivo podem fazer o mesmo pelo mecanismo de imitação, acreditando que é a maneira correta de relacionar-se. As crianças vítimas de comentários negativos correm o risco de sofrer com o sentimento de inferioridade e de insegurança na idade adulta, permanecendo sempre na defensiva e encarando até mesmo um gesto insignificante como um ataque pessoal. Já as habituadas a “fazer cenas” para conseguir o que querem poderão tornar-se adultos que se irritam violentamente, ou que guardam rancor, são dissimulados e ignoram as pessoas que os cercam quando contrariados.

A cólera é uma manifestação enérgica resultante da infância que tivemos. Porém, quando adultos, podemos aprender a lidar com ela, direcionando-a para atitudes certas. A primeira é controlá-la, canalizando a energia para algo positivo para nós e para o próximo. Nessa situação não é pecado. A Bíblia diz: Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira.

Não deixe a amargura habitar no seu coração, para não contaminar seu espírito, porque você perderá a graça de   Deus, conforme Hebreus 12.15. Além disso, contagiará as pessoas que convivem com você.

A segunda atitude está relacionada ao pecado. Quando alguém se deixa dominar pela cólera, ou a reprime, ela se acumula no inconsciente, até o dia em que há uma explosão. Quando isso acontece, é normal que a pessoa se questione, transfira para outros alvos ou para si mesma a culpa por sua reação. Em alguns casos, esse comportamento, segundo estudiosos, pode levar à depressão, que é uma dor mal resolvida.

O ser humano tem de aprender a administrar seus conflitos, principalmente os internos. Cada conflito é uma oportunidade de mudança e crescimento na relação intrapessoal e interpessoal. Encare as desavenças com “bons olhos”, aprenda com a situação, mude sua postura e a maneira de perceber o outro.

Estejamos atentos aos nossos relacionamentos, pois um dos perigos do conflito é que ele pode matar em nós o desejo do amor fraternal. Acrescente à sua fé o conhecimento, e a este o amor fraternal, como recomenda 2 Pedro 1. O amor é a maior energia positiva no ser humano que pode ajudá-lo na solução de todos os seus conflitos.


 


Nenhum comentário

Administrando conflitos – Parte 5

26.05.2011

Comentamos em edições anteriores que é fundamental aprender a compreender os conflitos. A natureza humana é muito complexa. Nós somos diferentes uns dos outros e nossas histórias de vida também são diferentes. Porém, é isso que enriquece os relacionamentos e proporciona o crescimento dos grupos nas áreas espiritual, emocional, física e material.

A beleza da diversidade de talentos, dons e desejos, e da maneira de ver a vida acrescenta ao mundo, e aos seres humanos, os sonhos, as alegrias, a comunhão, a compaixão, o amor, o conhecimento, etc. O importante é que nos conheçamos, observando a forma como direcionamos a nossa vida na área espiritual, como lidamos com as nossas emoções, e se o que vivemos contribui para o nosso crescimento e das pessoas que estão à nossa volta.

Já falamos sobre o egoísmo e a inveja. Agora, abordaremos um tema da mesma importância: o orgulho. Segundo C. S. Lewis, “trata-se de um vício que não poupa ninguém no mundo; que todo mundo despreza quando o percebe no outro. E quanto mais ele se manifesta em nós, mais nos desagrada no outro. Esse vício devora até mesmo a possibilidade do amor, da alegria ou do simples bom senso”.

Compreende-se muitas vezes por que uma pessoa é arrogante quando nos reportamos à sua infância. Ela pode ter sido mimada, educada com muita tolerância ou frustrada porque a sua vontade era contrariada. Assim, na idade adulta, quer controlar o mundo e as pessoas que a rodeiam. De modo geral, o orgulho denota falta de maturidade espiritual e psicológica.

Veja algumas características da pessoa orgulhosa:

. Considera-se infalível em suas opiniões e não reconhece que erra ou que pode errar;

. Pensa que é sempre capaz de discernir e interpretar a vontade de Deus;

· Julga-se melhor que os outros;

· Não consegue autoanalisar-se e projeta nos outros o que a incomoda;

· Está constantemente insatisfeita e desconfiada;

É insensível e ambiciosa;

· Tem necessidade de reconhecimento;

· É a sua própria autoridade;

· Não consegue ser submissa à autoridade espiritual, ao seu pastor, aos seus líderes, aos pais, ao cônjuge; nos relacionamentos afetivos e na sua vida profissional;

· é irredutível nos seus pontos de vista, recusando-se a abandonar suas vontades pelo bem do grupo;

· quando sua opinião não prevalece, faz o que pode para enfraquecer a autoridade dos outros;

· quase sempre é irônica e ferina;

· tem prazer em ser bajulada;

· concentra-se sempre nas fraquezas dos outros, pois não consegue observar as suas.

 

De todos os tipos de orgulho, o espiritual é o pior. A Bíblia cita o exemplo de Lúcifer, que se deixou contagiar pelo orgulho, considerando-se mais poderoso do que Deus, porém o seu final foi a derrota.

Na Bíblia, também encontramos algumas orientações relacionadas ao orgulho. Leia atentamente os conselhos registrados em Salmos 31.23, 101.5, 123.4 e em Provérbios 11.2 e faça diariamente esta oração: Querido Paizinho, que eu nunca me esqueça de que dependo do teu amor, da tua piedade e da tua graça para ser teu filho nesta terra. Ajude-me, a cada dia, a reconhecer a minha dependência de ti e dos outros seres humanos.



1 comentário

Princípios para uma vida vitoriosa

29.12.2010

Repensem suas prioridades e aproveite a vida de forma plena


(Parte 1)

“Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Portanto, queridas irmãs, sejamos firmes, constantes e sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o nosso trabalho, seja em que área for, nunca será vão, se o nosso Senhor Jesus Cristo for priorizado e engrandecido por meio das nossas atitudes” (1 Co 15.57,58 — adaptação da autora).

 

Estamos começando uma nova etapa este ano. Pela fé posso ver uma tropa de mulheres guerreiras, preparadas para fazerem parte do exército de nosso Senhor, Jesus Cristo, na terra.

 

Já estamos proclamando nossa vitória durante todo este ano, pois tomamos posse das promessas de Deus para nossa vida, nossa família, nossa igreja e nossos relacionamentos. Cremos que, independente das adversidades que virão, nosso Deus estará sempre no controle. Ele estará orientando-nos e garantindo-nos a vitória que nos foi dada na cruz do Calvário, pelo sacrifício vicário de Cristo, há mais de dois mil anos.

 

Nossa maior vitória já foi conquistada. A salvação, o direito à vida eterna é a nossa maior esperança e alegria. Meu desejo de todo o coração é que você, como mulher de Deus, amada, aceita, valorizada, vitoriosa e escolhida pelo Senhor para fazer a diferença na terra, desfrute de toda sorte de bênçãos divinas em sua vida espiritual, emocional, física e material.

 

Seja uma mulher que sonha e almeja o seu sucesso, o de sua família e o de sua igreja. O bom êxito só é possível por meio do equilíbrio interior entre o bem- estar temporal e espiritual. A vida foi feita para ser aproveitada da melhor maneira possível. E foi feita por Deus para o ser humano. Não a esgote apenas trabalhando, perdendo sua personalidade em busca somente de bens materiais, reconhecimento, poder ou fama. Afinal, o que adianta empregar todo o seu esforço para ser a pessoa mais rica do mundo e acabar num cemitério?

 

Não há nada mais extraordinário do que estar vivo desfrutando e desenvolvendo os sonhos que Deus tem para nós com amor, fé, esperança, alegria, contentamento, união, gratidão e determinação. Feliz 2011 com saúde, paz, alegria, amor, esperança, fé, unção, ousadia e autoridade de Deus.



1 comentário

Administrando conflitos – Parte 2

27.12.2010

Nesta edição daremos continuidade ao tema Administrando conflitos,analisando as origens espirituais e psicológicas dos mesmos. No número anterior vimos que Deus criou o homem e a mulher destinados a crescer, a evoluir e a desenvolver-se ao enriquecer precisamente a partir de suas diferenças. Ainda que diferentes, eles eram iguais, de mesma natureza e dignidade, além de complementares.

Depois de momentos de felicidade, de unidade na aceitação das diferenças e dos limites de cada um, surgiram a discórdia, a acusação e o desentendimento como consequência de ambos desobedecerem às ordens de Deus. Adão e Eva se esquivaram da responsabilidade ao acusar um ao outro.

A partir da queda do casal, as relações entre os seres humanos foram marcadas pela perda da capacidade de administrar suas diferenças e divergências. Estas, antes construtivas, passaram a ter uma conotação destrutiva. Os seres humanos começaram a fazer mal uns aos outros.

Porém, com a vinda de Jesus, que nos redimiu por meio de Seu precioso sangue e deu ao homem, no qual habita o Espírito de Deus, o direito de tornar-se nova criatura, há um triunfo: o poder de tratar de modo eficaz suas diferenças com os outros. Mas, volto a afirmar, sonhar com uma vida sem conflitos é uma utopia, é fugir da realidade.

 

A dimensão espiritual

A Bíblia chama de obras da carne (Gl 5.22) o orgulho, o egoísmo e o ciúme, sentimentos da natureza antiga do ser humano que se manifestam mesmo após a conversão. Embora tenha sido crucificado com Cristo, nosso antigo temperamento muitas vezes fala mais alto. A respeito disso, Paulo expressou: Não entendo o que faço. Pois não faço o que desejo, mas o que odeio (Rm 7.15 NVI).

É por isso que mesmo na igreja há tensões e choques. O poder do pecado está sempre presente. Ele não reina mais no cristão, mas ainda habita nele. Pela justificação, o ato do pecado é perdoado e o estado de inimizade com Deus é mudado para uma relação de amizade e de filiação divina.

A dimensão psicológica

Por outro lado, o ciúme, o orgulho e o egoísmo se explicam também por mecanismos psicológicos que na maior parte das vezes têm seu ponto de partida na infância. Então, trata-se de pecado ou de mecanismos psicológicos? Os dois, ao mesmo tempo. Não podemos separá-los porque somos protagonistas em nossa vida, não somente espectadores ou vítimas de nossa infância.

Deus nos declarou responsáveis por nossa vida, conforme é dito em Sua Palavra: de maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus (Rm 14.12). Daremos conta de todos os nossos atos, pensamentos, palavras e atitudes. Diante de Deus ninguém poderá acusar outras pessoas. Ele nos declarou responsáveis por nossa vida, sobretudo quando nos conscientizamos de que somos egoístas ou ciumentos.

Este é um assunto muito vasto. Por isso, continuaremos a estudá-lo na próxima edição. Aproveito a ocasião para desejar um Feliz Natal e um 2011 com saúde, paz, amor, fé, alegria, unção, poder, sabedoria, graça, prosperidade e autoridade de Deus em sua vida. Uma vida vitoriosa para você e todos os seus. 

 

 


Nenhum comentário

Administrando conflitos – Parte 1

24.11.2010

Ao criar o ser humano, Deus o fez com o propósito de que o homem, a mulher e seus descendentes vivessem em harmonia e equilíbrio espiritual, emocional, físico e material, e desfrutassem de amor, alegria, paz, saúde e segurança. Porém, o primeiro casal, Adão e Eva, desobedeceram às orientações que Deus lhe havia transmitido quanto a se alimentar do fruto de determinada árvore que havia no jardim do Éden:  

E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore da ciência do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás (Gn 2.16-17). 

O pecado, conseqüência de ambos terem errado o alvo, ou de terem se desviado do objetivo que Deus havia programado para a humanidade, deu origem ao conflito, que se tornou inerente a famílias, casais, empresas, igrejas e outros grupos sociais. 

Ninguém pode negar a existência de conflitos. Eles são reais em todos os segmentos da vida. A partir da queda, o primeiro casal desenvolveu emoções como o medo, a vergonha, a culpa, a raiva, o ódio e a rejeição. Ao serem questionados por sua postura equivocada, Adão e Eva não assumiram os seus erros. O homem acusou a mulher. Esta, por sua vez, acusou a serpente. Surgiu entre ambos o espírito de acusação, que originou os conflitos. 

Segundo a definição de Max Weber, intelectual alemão considerado um dos fundadores da Sociologia e autor do livro Sociologia do conflito, a relação social é um comportamento recíproco de vários indivíduos. Estes podem expressar-se sob a forma de entendimento e amor, ou, ao contrário, de desacordo e ódio. Toda relação social carrega um duplo potencial de amor e ódio.  

Portanto, considerar o conflito uma relação social que faz parte das relações humanas determina nossa atitude diante dele. O conflito provém do fato de que o indivíduo não pode ter direito a tudo ao mesmo tempo. Essa seleção social, afirma Weber, “é eterna”. 

Enfim, nenhuma sociedade é perfeitamente homogênea, exceto nas utopias. Nossa existência é feita de múltiplas relações. Com determinadas pessoas nossa relação é o próprio “paraíso” na terra. Com outras, é o verdadeiro “inferno”, em termos de agonia e desentendimentos. 

Temos necessidade de sermos aceitos pelos outros, mas, inevitavelmente, surgem desacordos, pois somos todos diferentes uns dos outros. Cada um tem suas histórias, valores, crenças e hábitos peculiares. 

Assim, ao longo de toda a vida, colidiremos com aqueles aos quais estamos ligados de maneira íntima na família, no trabalho, no círculo de amizades ou na igreja. O conflito, normal e inevitável, manifesta-se no tempo e no espaço. Sempre houve e haverá motivos para conflitos em todas as áreas de nossa vida.

No próximo número analisaremos alguns aspectos do conflito, e veremos como homens e mulheres da Bíblia enfrentaram momentos conflituosos.

 

 


Nenhum comentário

Cumplicidade no casamento - Quem fala mal de seu cônjuge fala mal também de si mesmo

04.11.2010

Vivemos em uma época em que as relações afetivas têm variado, e muito. No passado havia paquera, namoro, noivado e casamento. Agora, dependendo do grau do compromisso, da qualidade do vínculo, da frequência e intensidade dos encontros, as uniões assumem caráter diferente. A quantidade de modos de “ficar” atordoa quem se dispõe a entender o que isso significa.

Um princípio que sempre regeu as relações é o de que quanto maior o grau do compromisso, maior a cumplicidade e fidelidade. Contudo, temos visto, infelizmente, cônjuges que agem como se fossem meros “ficantes”. Eles costumam fazer do seu parceiro o principal assunto em conversas com seus amigos e até estranhos, mas não de modo positivo. Eles denigrem a imagem do outro em qualquer lugar, para qualquer um.

Recentemente, participei de uma reunião em que uma mulher resolveu falar mal de seu marido. Começou a descrever os modos rudes dele no trânsito, o comportamento agressivo para com ela e os filhos. Ela até encontrava justificativa para ele ser assim. Dizia que essa agressividade era fruto dos problemas que ele tivera com a mãe alcoólatra.

Aquela mulher narrava os detalhes da infância miserável do marido e, assumindo uma atitude ostensivamente superior, garantia que na família dela jamais aconteceram coisas semelhantes. Ora, e o que é o marido senão integrante da família dela?

Na mesma reunião, outras participantes acrescentaram à conversa exemplos de como as sogras haviam “estragado” os respectivos maridos. No entanto, nenhuma se deu conta de que, ao criticar e desqualificar seu parceiro, desqualificava e aniquilava a si mesma.

Isso não parece óbvio para a maioria das pessoas. Homens e mulheres criticam o comportamento do cônjuge como se não compartilhasse a vida com os mesmos. Em tempos de reality shows, perdemos a noção de discrição, de intimidade e de companheirismo. Privacidade está fora de moda. Falar mal do companheiro tem se tornado habitual.

Casais que vivem juntos completam-se e, querendo ou não, tornam-se uma só carne. Isso é inquestionável, daí ser muitas vezes impossível identificar de quem é totalmente a culpa quando a relação vai mal. Se um é ruim, é pouco provável que o outro seja melhor.

Ao longo da vida em comum, o casal se adapta para viabilizar a relação. Se uma pessoa compartilha a vida com outra, mesmo que isso seja ruim, já desenvolveu mecanismos para a manutenção do vínculo. Além do mais, os cônjuges refletem as escolhas um do outro. 

É verdade que, ao menos no início, com a convivência, nossas idealizações não se sustentam. Então, descobrimos que nos casamos com alguém que foi idealizado por nós, e não com a pessoa “real”. Em outras palavras, com o passar dos anos, nossa ficha cai, e percebemos quem a pessoa é em toda sua essência. Mas, quando continuamos ao lado desse alguém, confirmamos a escolha que fizemos. 

Sendo assim, seja uma pessoa discreta, reservada quanto ao seu relacionamento. Se precisar de ajuda no seu casamento, busque uma terapia de casal, um aconselhamento pastoral. É muito importante para o crescimento espiritual, emocional, físico e material do casal. Não fique denegrindo a imagem do seu cônjuge para outras pessoas. Expor os defeitos do marido é expor os nossas em dobro.

Que as palavras de nossa boca sejam sempre para o louvor do Deus amado e eterno (Leia Tg 3.9,10). Se não puder falar bem do seu cônjuge, não fale mal nunca.



Nenhum comentário

A importância de escutar

14.10.2010

Um erro frequentemente cometido com o fim de comunicar-se é tentar causar uma boa impressão nas pessoas, parecer inteligente, espirituoso ou agradável. Mas, se você quer cultivar relacionamentos estáveis, deve estar disposto a concentrar-se naquilo que os outros têm a oferecer. Seja alguém que se impressiona e é interessado, não apenas alguém impressionante e interessante.

O poeta e filósofo Ralph Waldo Émerson dizia: ”Todo ser humano que conheço é de algum modo meu superior, e sempre posso aprender dele alguma coisa.” Lembre-se disso e aprenda a escutar as pessoas. Assim, os canais de comunicação funcionarão com eficiência. Não existe interação sem a disposição de ouvir.

Dale Carnegie, autor do livro Como fazer amigos e influenciar pessoas, aconselhou o seguinte: “É possível fazer mais amigos em duas semanas, tornando-se um bom ouvinte, do que em dois anos, tentando fazer com que as pessoas se interessem por você.” Ele era incrivelmente habilidoso para compreender os relacionamentos. Reconheceu que os que apenas se concentram em si mesmos, falando sobre si e seus próprios interesses o tempo todo, raramente desenvolvem relacionamentos duradouros com outra pessoa.

Em seu livro A mágica de pensar grande, David Schwartz comenta que “pessoas grandes monopolizam a escuta; pessoas pequenas monopolizam a conversa”. Ao tornar-se um bom ouvinte, você está apto a conectar-se com outros indivíduos em vários níveis e a desenvolver relacionamentos mais profundos, porque está suprindo uma necessidade.

C. Neil Strait destacou que “todos precisamos saber que alguém nos escuta”. Quando você se torna este ouvinte importante, consegue ajudar as pessoas. Escutar aumenta nosso conhecimento.

Wilson Mizner disse que “um bom ouvinte não é apenas popular em toda parte; após um tempo, ele sabe algo”. É inacreditável o quanto você pode aprender sobre seus amigos, sua família, sua profissão, a empresa onde trabalha, e sobre você mesmo, quando decide verdadeiramente escutar os outros.

Nem todos, no entanto, estão dispostos a usufruir desse benefício. Tome muito cuidado para não se colocar em uma posição na qual você pensa que sabe todas as respostas. Toda vez que agir assim, estará em perigo. É quase impossível pensar em si como “o especialista” e continuar crescendo e aprendendo. Todos os grandes aprendizes são ouvintes.

Um problema comum aos que detêm autoridade é que, na maioria das vezes, passam a escutar menos as pessoas, especialmente as que se reportam a eles. Caso seja verdade que, quanto mais alto seu posto, menos se torna necessário ouvir os outros, é também verdade que sua necessidade de melhorar a habilidade para escutar aumenta. Quanto mais longe se está da linha de frente, mais se depende de outras pessoas para obter informações confiáveis. Apenas se você expandir rapidamente a capacidade de ouvir poderá obter o conhecimento de que necessita para ser bem-sucedido.

Se, no decorrer de sua trajetória, você acumular conquistas, não se esqueça da necessidade de continuar crescendo e melhorando. Lembre-se: “um ouvido surdo é a evidência de uma mente fechada”.



Nenhum comentário

Independência ou morte!

29.09.2010

Estamos no mês da Proclamação da Independência do Brasil, comemorado no dia 7 de setembro de 1822. Segundo a tradição histórica, este evento ocorreu oito meses após o Dia do Fico, data em que o príncipe regente D. Pedro I decidiu permanecer no Brasil, contrariando as ordens da corte para ele retornar a Portugal. Próximo ao rio Ipiranga, D. Pedro I teria levantado a espada e pronunciado a famosa frase: "Independência ou morte!", assinalando que o Brasil deixava de ser colônia de Portugal. No entanto, Portugal exigiu o pagamento de dois milhões de libras esterlinas para legitimar a autonomia de sua ex-colônia. Esse alto preço foi pago, e até hoje, somos um país livre, e não mais uma colônia de Portugal.

No reino espiritual, o nosso Deus, que nos ama antes da fundação do mundo, já havia planejado um Salvador para a humanidade, que estava escravizada por Satanás desde o pecado de Adão.

Estávamos condenados a viver subjugados pelo reino das trevas, mas Jesus veio ao mundo para fazer a vontade de Seu Pai. Ele sabia que ia morrer em nosso lugar, mas não deixou de cumprir Seu propósito na terra. Na cruz do Calvário, Cristo sofreu a punição pelas maldições lançadas sobre nós, pagou o preço da nossa remissão e salvação, e concedeu-nos o direito de ter uma vida saudável, equilibrada e abençoada. Em profundo sofrimento, Jesus disse ao Pai: Se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade (Mt 26.42).

Ao morrer na cruz, Jesus proclamou nossa independência em relação ao reino das trevas, concedendo-nos o direito de participar do Reino dos céus, como Seus filhos amados.

Cristo pagou nossa dívida. Louvado, engrandecido e exaltado seja o nome de Jesus, que tem todo o poder no céu, na terra e embaixo da terra! Tudo está sob o Seu controle!

Você já parou para pensar como seria o nosso futuro se não fosse por Jesus? Devemos dar glórias a Deus por essa liberdade. Deus enviou Seu Filho amado, Jesus, para libertar-nos da escravidão do pecado e de Satanás, e dar-nos vida plena e saudável nas áreas espiritual, emocional, física e material, como está escrito em João 10.10b.

Até hoje Satanás nos rodeia, mas não pode reinar nem dominar nossa vida, pois ela foi comprada com o sangue precioso de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Por isso, a mentira, o engano, a prostituição, a miséria, a inveja, o ódio, a raiva, o rancor, o ressentimento, a avareza, e a opressão maligna não têm domínio sobre a nossa vida, como está escrito em Gálatas 5.16-21.

O segredo para sermos livres e independentes do controle de Satanás é termos uma aliança eterna com Deus por intermédio de Cristo e vivermos em constante comunhão com o Senhor.

Jesus é realmente o Senhor da sua vida? Seu Rei? Você vive sob as ordens dele? Obedece à Sua Palavra? Se a sua resposta é sim, então já proclamou sua independência em relação ao reino de Satanás e ao pecado. Você é livre para desfrutar de uma vida abundante e desenvolver o fruto do Espírito Santo (Gl 5.22). Os que são guiados pelo Espírito vivem em amor, alegria, paz, bondade, fé, mansidão, humildade, domínio próprio, longanimidade.

Meu desejo é que você sempre reconheça o preço que Jesus pagou pela sua vida e valorize o sacrifício do Senhor, porque o preço que Ele pagou por você foi altíssimo e ninguém mais poderia pagar!

OLHO:

"O segredo para sermos livres e independentes do controle de Satanás é termos uma aliança eterna com Deus e vivermos em constante comunhão com o Senhor"


Nenhum comentário

O poder da doação

15.07.2010

Há quem dê generosamente, e veja aumentar suas riquezas; outros retêm o que deveriam dar, e caem na pobreza. O generoso prosperará; quem dá alívio aos outros alívio receberá. (Pv 11.24,25)


Quero compartilhar um conto que li certa ocasião.


Um próspero fazendeiro se tornou famoso por sua abundante plantação de milho. Todos os anos, no concurso da melhor plantação, ele era sempre o primeiro colocado. No setor de milho era imbatível. Certo dia, um repórter foi entrevistá-lo:


— Qual é o segredo do seu sucesso? Como seu milho pode ter uma qualidade tão boa a ponto de ser o melhor da região?


— Bem, o segredo está em compartilhar a semente de qualidade com meus vizinhos plantadores de milho — respondeu o agricultor.


— Mas, como, se o senhor distribui suas sementes de qualidade para que os seus concorrentes tenham um milho tão bom quanto o seu? — tornou a indagar o repórter.


— Sim! Esse é o segredo de eu ter sempre um milho de qualidade, pois o vento carrega o pólen do milho maduro e leva-o de campo em campo. Se meus vizinhos cultivassem milho inferior, o vento carregaria o pólen do milho deles para o meu milharal, e, assim, a qualidade do meu milho cairia. Portanto, é impossível eu ter milho de qualidade se os meus vizinhos também não o tiverem — explicou o homem.


Moral da história: Tudo o que você partilha voltará um dia para você. Reflita sobre o que você tem partilhado do muito que Deus lhe tem dado: vida, saúde, paz, amor, alegria, unção, recursos financeiros e fé.


Precisamos adquirir o hábito de doar aos outros como se fosse ao Senhor. Isso requer abençoar os outros sem esperar nada em troca, pois tal atitude bendiz a Deus. Quando pensamos no que vamos receber em troca, caminhamos rumo à frustração e ao desapontamento, mas, quando doamos livremente, o Senhor nos recompensa.


Doar é um princípio de liberação. Dai e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando vos darão; porque com que medirdes também vos medirão de novo (Lc 6.38).


Para receber coisas que perdurarão, é necessário você doar do que tem. Se você está precisando de liberação em alguma área, doe; dê algo que lhe pertence. Entregue sua vida a Deus, e você verá as portas se abrirem em todas as áreas.


Há muito mais o que doar, além de dinheiro e presentes. Podemos doar comida, roupas, prestar serviços voluntários, dedicar tempo para abençoar alguém, orar pelo próximo, assistir aos necessitados, dar uma carona, conversar e ouvir alguém que não tem com quem falar. Precisamos doar-nos, compartilhando qualquer coisa que nos pertença, ou uma habilidade que tenhamos e que seja bênção para outras pessoas.


Saiba que não há como cumprir a vontade de Deus sem doar-se, pois esta é a vontade do Senhor. Ele é o nosso maior exemplo de doação. Doou o que tinha de melhor, o Seu único Filho, Jesus Cristo. Portanto, crie o hábito de doar, pois a doação libera as bênçãos de Deus em todas as áreas de nossa vida e frutifica para nossa geração.


Faça esta oração:

“Querido Deus, ajuda-me a doar da maneira como tu queres, pois quero ser obediente também nesta área da minha vida. Ajuda-me a ser dizimista fiel, ofertante liberal e a doar sempre com alegria. Ajuda-me a viver no centro da tua vontade, para que eu possa receber tudo aquilo que tens para mim e tornar-me tudo aquilo para o que me criaste para ser. Em nome do teu amado Filho, Jesus Cristo.”


Deus quer usar você como um grande doador para fazer a diferença e ser abençoado!



2 comentários

Ajudando outros a crescer

15.07.2010

É importante estarmos sempre prontos a ajudar o nosso próximo a crescer. Contudo, para isto, é fundamental que a pessoa a ser ajudada tenha força de vontade e permita-se ser ajudada.


Em Isaías 41.6, há incentivo à solidariedade: Um ao outro ajudou e ao seu companheiro disse: esforça-te e tem bom ânimo (adaptação da autora).


Embora o profeta se referisse à formação de alianças para o cumprimento dos propósitos de Deus na vida do povo judeu, este texto será usado como base para o tema que abordaremos nessa seção, incentivando-nos a compreender, acreditar e ajudar as pessoas a tornarem-se especiais e serem tudo aquilo que realmente gostariam de ser.


Não há homem ou mulher que seja bem-sucedido sozinho. Todos nós precisamos de amizade, encorajamento, ajuda e intercessão. O que as pessoas podem conquistar sozinhas para si é quase nada se comparado ao que poderiam alcançar quando trabalham em equipe, seja na família, no trabalho ou na igreja.


Salomão, um dos mais sábios reis de Israel, declarou o valor do trabalho em equipe desse modo:


 


É melhor ter companhia do que estar sozinho; porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas. Se um cair, o amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se! E se dois dormirem juntos, vão manter-se aquecidos. Como, porém, manter-se aquecido sozinho? Um homem sozinho pode ser vencido, mas dois conseguem defender-se. Um cordão de três dobras não se rompe com facilidade.


Eclesiastes 4.9-12


 


Infelizmente, o individualismo tem direcionado muitas pessoas, principalmente no mundo capitalista e competitivo em que vivemos.


Hoje muitas pessoas apregoam que o individualismo assegura-lhes independência e autonomia. Pregam que podem atingir suas metas sozinhas, desde que sejam disciplinadas. Por outro lado, aumentam as queixas de falta de amor e interesse nos relacionamentos.


Quem é individualista pensa que não precisa de ninguém, porém é comum queixar-se de não conseguir sentir-se feliz sozinho. Ele tem de conscientizar-se de que ele não poderá crescer nas áreas espiritual, emocional, física e material sozinho. É fundamental ter boas companhias, aprender a relacionar-se melhor e fazer parte do Corpo de Cristo, a Igreja.


Deus nos deu o maior exemplo de doação, para um relacionamento sólido, feliz e abençoador. O Pai fez o maior investimento em nós ao enviar ao mundo o Seu amado Unigênito, Jesus Cristo, porque nos ama e tem prazer em relacionar-se conosco.


Quando duas pessoas se amam é impossível não se envolverem com a vida uma da outra, apoiando-se ou desafiando-se, conforme a necessidade, a fim de que possam crescer juntas. Trata-se, é claro, de um processo de mão dupla, que não pode ser visto como invasão ou cobrança. Afinal, quem ama tem prazer de fazer a diferença na vida do outro (seu cônjuge, dos seus filhos, amigos, pais, parentes e/ou irmãos em Cristo).


Ora, se uma pessoa se envolve com outra é porque deseja fazer a diferença na vida dela. Embora “batida”, essa frase traduz bem o que várias pesquisas apontam: acrescentar valor e influenciar para melhor a vida de alguém são fatores cruciais para a felicidade.


Acredito que essa deve ser a principal razão para a união das pessoas. No entanto, para ajudar alguém a crescer, é preciso tirá-lo da zona de conforto, do lugar comum que o leva a acomodar-se ao que é, ao que faz e ao que tem. Assim, muitas pessoas não se permitem serem desafiadas para o novo, preferindo a “segurança” da acomodação. Elas resistem às mudanças, consideram uma cobrança o que lhes é proposto, e acabam evitando o compromisso do desafio e desistindo de lutar por seus objetivos e sonhos.


É difícil e doloroso crescer nos dias de hoje, ainda mais sozinho. No entanto, com força de vontade, confiança em Deus e em si mesmo, você irá superar limites e acomodações.


Em momentos de crises — e Jesus nos alertou em João 16.33 que passaríamos por eles — , não desanime. E lembre-se: todos nós precisamos de alguém que caminhe ao nosso lado. Tenha sempre ao seu lado pessoas que possam animá-lo e que se comprometam com o seu crescimento em todas as áreas.


Se você estiver aberto para o agir de Deus e mantiver a motivação correta, tendo o Pai como prioridade, a sua vida não somente mudará para melhor como também a de outros próximos a você. Quando suas palavras e ações forem coerentes com aquilo que afirma crer, as pessoas irão confiar em você.


Nenhum comentário

Coragem: o segredo para uma vida vitoriosa

10.06.2010

"Quando um ser humano perde dinheiro, perdeu muito; quando perde um amigo, perdeu mais; mas, quando perde a coragem, perdeu tudo!"


Para ter êxito na vida, o ser humano necessita desenvolver qualidades e atitudes especiais. 


Uma pessoa que confia que Deus está no controle de seu viver desempenha bem qualquer tarefa designada pelo Senhor. Ela possui em alto grau a combatividade, que lhe confere resistência, coragem e determinação para romper barreiras que dificultem suas conquistas; irradia esperança, alegria e bom humor, contagiando aqueles com os quais convive. 


Quem busca uma vida bem-sucedida segundo os princípios divinos mantém o equilíbrio, pois desenvolve o fruto do Espírito (Gl 5.22), está sempre pronto para ajudar e para dizer uma palavra amável, gestos apreciados pelos que o cercam. 


Essa pessoa não permite que pensamentos negativos penetrem sua mente, assim como o apóstolo Paulo aconselhou em Filipenses 4.8. Paulo entendia o segredo de uma vida positiva. A semente começava em sua mente. Portanto, tenha cuidado com o que povoa seus pensamentos.


A atitude de uma pessoa frente às circunstâncias depende da maneira como ela as encara. É o que observamos em Provérbios 23.7: Assim como você pensa na sua alma, assim você é (adaptação da autora).


Veja em você uma pessoa escolhida, amada, valorizada e chamada por Deus para cumprir Seu desígnio na terra. Não se deixe abater pelas adversidades. Os obstáculos devem motivá-lo a lutar e acreditar em sua vitória. 


Uma pessoa que crê em sua vitória tem no rosto um sorriso de otimismo. Seus lábios não pronunciam palavras de derrota. Em Provérbios 18.21 está escrito: A vida e a morte estão no poder das palavras (adaptação da autora). Que a sua boca seja um canal para profetizar as promessas de Deus. Quem confia no Senhor mantém o espírito tranqüilo, animado, e não é egoísta. A confiança em Cristo reflete a determinação nos propósitos.


Porém, há pessoas que não têm esperança. Consideram que a vida tem mais derrotas do que vitórias. Para elas, saúde é exceção, e doença é coisa normal. Pior, essas atitudes são repetidas dentro das famílias, e, infelizmente, algumas não querem mudanças. Desejam segurança espiritual, emocional, física e material, mas não lutam para conquistá-la


O ser humano deve compreender que o seu destino está em suas mãos. Independente de ter sido ou não o responsável pelas suas derrotas no passado, faça como o apóstolo Paulo: esqueça o passado, prossiga para o alvo (Fp 3.14 ? adaptação da autora). Seja persistente, corajoso, e tome decisões que o levem a uma vida melhor.


Para se sentir realizado nas áreas espiritual, emocional, física e material, é fundamental ter coragem para dizer não à mentira, à inveja, ao egoísmo, à preguiça, ao desânimo, à incredulidade, à falsidade, à falta de perdão, à prostituição, ao adultério, ao legalismo, ao mau exemplo, ao ciúme; coragem para admitir erros, aceitar críticas construtivas e adotar novos métodos de conduzir a vida, desfazendo-se de hábitos nocivos. É preciso ter coragem para aprender a relacionar-se e ser quem você é, não quem gostaria de ser.


Seja uma pessoa corajosa. Deus não nos tem dado o espírito de covardia, mas de poder, amor e de equilíbrio (2 Tm 1.7)


OLHO:

Quem busca uma vida bem-sucedida segundo os princípios divinos mantém o equilíbrio, pois desenvolve o fruto do Espírito”


1 comentário

Criando um legado duradouro

10.05.2010

“A melhor forma de viver a vida é investir em algo que ultrapasse sua própria duração”.

William James

 

Que investimento todo ser humano precisa fazer para deixar um legado duradouro? A dura realidade que muitas vezes enfrentamos mascara o fato de que muito do que nos esforçamos para construir não vai durar. Tenho observado pessoas que, no final de sua vida, vêem seus castelos construídos na areia ruírem. Muitas trabalharam sem parar, sem reservar tempo para si, a família, os amigos e Deus, enfim, viveram isoladas e em um ritmo acelerado.


Se você tivesse apenas um mês para viver, talvez fizesse algumas mudanças para aperfeiçoar o que construiu. O melhor mesmo, porém, seria contribuir para seu legado todos os dias, durante muitos meses e anos, para que tudo pelo que trabalhou seja eterno. Mas a única maneira de criar essa herança duradoura é empregar seus recursos mais valiosos nas áreas que oferecem maior retorno: as pessoas.


Nossos relacionamentos são o único investimento que não pode ser destruído por um incêndio ou um desastre natural, nem ser perdido na bolsa de valores. Se realmente quisermos deixar um legado que o tempo não possa apagar, teremos de inspecionar o local onde está sendo construída nossa vida: sobre a rocha, que é Jesus Cristo, ou sobre a areia (Mt 7.24,25).


O primeiro aspecto dessa inspeção deve ser o teste da influência. Para deixar um legado nesta terra, é necessário que você passe por este teste. Todos nós, seres humanos, recebemos certo número de oportunidades para influenciar os outros e fazer a diferença na vida deles.


Deus nos concedeu a habilidade de influenciar pessoas e espera um retorno de seu investimento. Ele deseja que aproveitemos as oportunidades, em vez de fugirmos da responsabilidade de fazer a diferença na vida dos outros. Às vezes as pessoas ficam mais preocupadas em promover o próprio nome do que em causar impacto na vida dos outros.


O nome de todas as estrelas do rock, do cinema, do atletismo, da política, dos presidentes, dos reis e das rainhas um dia serão esquecidos. Todos os que são famosos hoje um dia cairão no mar do esquecimento, porque as ondas do tempo continuam rolando e vão apagar o nome de todos, exceto o de Jesus, o nome que está acima de todos os nomes (Leia Fp 2.10).


Nossa vida e nosso tempo não são nossos; pertencem a Jesus Cristo, e é o nome e a Palavra dele que vão durar para sempre. Somente deixaremos um legado duradouro quando influenciarmos outros para Cristo!


Como disse a grande escritora e mulher de Deus, que passou por muitas dificuldades em sua história de vida, mas viveu para Cristo, Corrie ten Boom: “A medida de uma vida, afinal, não é sua duração, mas sua doação”.


Um dia, você e eu seremos esquecidos. A única coisa que vai permanecer é o que tivermos feito para Deus, a maneira como cumprimos o propósito para o qual Ele nos criou.


Quero finalizar falando do meu pai, pastor José Santos. Ele é o meu maior exemplo de quem viveu para Deus. Desde que me entendo por gente, sempre observei e aprendi com ele que o ser humano é o bem mais precioso deste mundo. Ele tinha no seu coração a grandeza de saber que era amado pelo Senhor, mesmo sem merecer. Por isso, viveu para se doar às pessoas. Agradeço a Deus pelo privilégio que me concedeu de ter um pai que deixou um legado de amor e doação!


Quero deixar duas perguntas para reflexão: Pelo que você gostaria de ser lembrado? De que maneira está contribuindo para esse objetivo neste exato momento? Deus o abençoe.



Nenhum comentário

Valorize sempre seus relacionamentos

15.04.2010

Deus, quando criou o ser humano, criou-o com algumas necessidades e limitações. A necessidade primária e mais veemente para o ser humano é a de ser amado pelo Senhor e pelas pessoas. Não adianta tentar ignorar essa necessidade; não dá para mascará-la com outras coisas nem fingir que não a temos. Ela é uma realidade espiritual e emocional. O nosso Senhor é um Deus de relacionamento: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo. E nos criou para mantermos relacionamentos saudáveis.

O apóstolo Paulo ilustrou essa necessidade muito bem quando escreveu em 1 Coríntios 12.21:

O olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti; nem ainda a cabeça, aos pés: Não tenho necessidade de vós.

Quantas vezes fazemos isso em nossos relacionamentos de modo inconsciente ao evitarmos alguém que seja da nossa família, do no nosso ambiente de trabalho e muitas vezes até da nossa igreja.

Pedro, em sua primeira epístola, 4.10, disse que os bons relacionamentos eram uma das formas básicas que Deus usava para mudar nossa vida e demonstrar Seu amor por nós. E é na igreja que realmente conhecemos e experimentamos Seu toque na terra.

O relacionamento com Deus é primordial e importante. No entanto, a Bíblia não desvincula o nosso relacionamento com Deus do nosso relacionamento com as pessoas que fazem parte de Seu Corpo espiritual. Ao contrário. Ele disse que, se não tivermos relacionamentos bons e amorosos com nossos semelhantes, não o conheceremos.


Em 1 João 4.20,21, está escrito:


Se alguém diz: Eu amo a Deus e aborrece a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também seu irmão.

O que muitos cristãos não compreendem é que se relacionar com os outros é uma atividade espiritual. Por isso, Satanás faz de tudo para interferir em nossos relacionamentos trazendo conflito e contenda e tentando isolar o ser humano. Ele sabe que precisamos uns dos outros; afinal, somos seres criados para o relacionamento, e não para o isolamento. E quando nos isolamos, damos brechas para o diabo agir em nossa vida.

Pensamos muitas vezes que a vida espiritual se resume a estarmos bem com Deus, mas Ele nos diz que a verdadeira espiritualidade implica uma vida de amor com Ele e com nosso próximo. Como está escrito em Mateus 22.37-40:

 

Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Desses dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas.

 

Gostaria que você fizesse a si mesmo as seguintes perguntas:



  1. Como estou me relacionando com as pessoas?


  2. Meus relacionamentos estão sendo produtivos, melhor a cada dia?


  3. Em que posso melhorar?

Algumas vezes achamos que o serviço cristão é o único indicador de que estamos crescendo espiritualmente, quando, na verdade, os nossos relacionamentos humanos são sempre ótimos indicadores de nossa vida espiritual. Jesus veio a este mundo não apenas para nos salvar, mas também para nos mostrar como amar Deus e os outros seres humanos (João 13.34,35).


Nas pregações, costuma-se a enfatizar muito o nosso relacionamento com Deus. Na Bíblia, porém, vemos que ambos — o amor a Deus e ao próximo — são vitais para o nosso crescimento espiritual e emocional. Na verdade, uma coisa não pode existir sem a outra.



Nenhum comentário

Aprenda com o fracasso

15.04.2010

Quem nunca vivenciou um fracasso, momentos de crises e de perdas na sua história ou nunca fez nada na vida, jamais se submetendo à possibilidade do fracasso, ou é um ser humano infalível, um super-herói. Afinal, todos sabem que, desde a Queda, ficamos com um “defeito de série”, estando sujeitos ao fracasso seja na área espiritual, seja na profissional e na afetiva.

Contudo, quando isto acontecer, é muito importante estar aberto e ser flexível para fazer as mudanças necessárias. Esteja preparado para aprender com o seu fracasso! Este faz parte do nosso processo de crescimento, aprendizado e aprimoramento.

Davi, por exemplo, entendeu a importância da íntima comunhão com Deus quando fracassou, cometendo um adultério e um homicídio. Após ter pecado, Davi se arrependeu, confessou-se e suplicou o perdão de Deus. Por fim, disse:Não me lances fora da tua presença e não retires de mim o teu Espírito Santo (Salmo 51.11). Davi cresceu com o seu fracasso. Compreendeu o segredo de ter Deus como Senhor de toda a sua vida e percebeu que dependia da presença do Criador diariamente.

Muitas vezes passamos por situações difíceis em nossos relacionamentos, crises financeiras, desemprego, doenças. Entretanto, nunca nos esqueçamos que Deus está no controle. Ele é soberano. Lembremos que seremos julgados não por nossos fracassos, mas pelo que fazemos com eles; pela maneira como reagimos a eles.

Você já leu biografias de pessoas que venceram na vida? Se ler, verá que elas não omitem seus fracassos; ao contrário, revelam-nos e afirmam que se tornaram vitoriosas a partir deles. E o que dizer dos homens e das mulheres mencionados na Bíblia; personagens como Abraão, Sara, Davi, Raabe, a mulher samaritana?

Aprenda a utilizar o fracasso como aprendizado para a sua vida. O mais importante é o que você faz depois. Algumas vezes, será preciso visitar o passado para verificar onde foi que você falhou e tentar mudar. Muitas das dificuldades e dos sofrimentos vividos, e não totalmente resolvidos, costumam acumular-se em nosso inconsciente de forma velada, recalcada, que se manifesta interferindo em nosso comportamento presente e até futuro.

Por isso, revisitar o passado pode ser útil, obrigando-nos a refletir sobre o que gostaríamos de mudar em nós, em nossos relacionamentos e em nossa jornada. Revisitar o passado nos ajuda a limpar a nossa mente e equilibrar nossas emoções por meio do perdão, da graça e do amor. Assim, tornamo-nos pessoas sem fobias, traumas e, principalmente, sem autocomiseração, pena de nós mesmos.

Sabe quando você poderá considerar-se uma pessoa adulta, livre e dona de sua história? Quando se deparar frente a frente com o sucesso e com o fracasso, e conseguir lidar da mesma forma com essas duas situações, porque aprendeu que na vida há momentos de tristeza e de alegrias; de perdas e de ganhos; de erros e de acertos; mas tudo isto traz consigo oportunidades de aprendizado.

O apóstolo Paulo entendeu o que é vivenciar o fracasso e o sucesso em sua vidaEle disse: Sei estar abatido e sei também ter abundância; em toda a maneira e em todas as coisas, estou instruído, tanto a ter fartura como a ter fome, tanto a ter abundância como a padecer necessidade. Posso todas as coisas naquele que me fortalece (Fp 4.12,13).

Que você também compreenda esse segredo e não se deixe levar pelo fracasso momentâneo, sentindo-se inferiorizado. Que também não se iluda com o sucesso, nutrindo um sentimento de superioridade em relação aos outros. Que tanto o fracasso como o sucesso tragam para a sua vida crescimento nas áreas espiritual, emocional, física e material.


Um forte abraço! Que Deus o abençoe!



2 comentários

Afinal de contas, o que é a vida?

15.04.2010

Homens e mulheres passam seus dias apressados, ocupados com um milhão de coisas para fazer. No meio de tanta agitação, é fácil esquecer aquilo que mais importa e para os quais fomos criados: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao nosso próximo como a nós mesmos.

amor é o ápice da experiência humana. Dar e receber este sentimento é a maior vocação do ser humano. Como filhos de Deus, precisamos ter a convicção de que sempre recebemos o amor dele diariamente e que igualmente estamos sempre dando e recebendo amor. Mas como só podemos controlar o que oferecemos, e não o que ganhamos de volta, nossa responsabilidade é doarmos amor em todos os lugares aonde vamos e a todas as pessoas que encontramos.

O que nesta vida é mais importante para você? Se a sua vida terminasse amanhã, o que ficaria por realizar? O que deveria ter dito, e não o fez? Afinal de contas, o que é a vida?

Uma vida significativa não depende do tipo de sapato que se calça, de morar em certa rua, de uma casa grande e luxuosa. Não depende da marca do carro que se dirige, do time de futebol para o qual se torce da universidade onde se estuda ou onde os filhos estudarão. Viver não é nada disso.

Uma vida significativa não depende do dinheiro, da posição social, do poder que alguém tenha nem do fato de ser famosoou nãoViver bem não está ligado ao fato de tirar ou não férias nos lugares desejados, do estilo de roupa que se veste nem do fato de serem de grife. A vida não é nada disso.

A vida é amor. Logo, depende de quem se ama e a quem se magoa. Depende da maneira como alguém ama a si mesmo e como se prejudica; se ama e se fere as pessoas mais próximas ou quem cruza o seu caminho por um instante.

Conscientize-se de que a vida é amor. E ame a si mesmo e ao seu próximo.

A Palavra de Deus nos ensina:

Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas.

Mateus 7.12

Acima de tudo deixem que o amor dirija a vida de vocês, porque assim toda a igreja permanecerá unida em perfeita harmonia.

Colossenses 3.14 (A Bíblia Viva)

Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. Nisto todos conhecerão que são meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.

 

João 13.34,35

Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor. [...] Amados, se Deus de tal maneira nos amou, devemos nós também amar uns aos outros. Ninguém jamais viu a Deus; se amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e o seu amor é, em nós, aperfeiçoado.

1 João 4.7,8,11,12


 


Nenhum comentário

O segredo de viver bem

04.08.2011 17:35:04

 

Só é útil o conhecimento que nos torna melhores” (Sócrates)

É muito importante que você aprenda a enxergar a vida sempre com bons olhos, pois Jesus nos disse: Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz (Mateus 6.22).

Mesmo que esteja enfrentando dificuldades, sejam quais forem, se olhar a vida com determinação, otimismo, confiança, coragem, fé e amor, todo seu ser se prepara para manter um equilíbrio entre espírito, alma e corpo. Assim, você é beneficiado, comprometendo-se com o melhor para a sua vida, influenciando os outros e atraindo sempre o melhor para si.

O segredo do bem viver é fazer de cada momento o melhor. E o melhor da vida é o nosso presente. Aprenda a viver cada ocasião como se fosse inusitada, a mais importante e a última.

Temos de ter motivação em todas as situações. É essa motivação que faz com que a vida seja leve, interessante, agradável e gostosa. Analise esta poesia e tire suas conclusões.

 

Na poesia da vida

 

(Canísio Mayer)

 

Existir

é apoiar-se em três pilares.

Viver

é caminhar dançando em três pistas.

Amar

é sentir, ser e comprometer-se.

 

No tripé do meu viver

um terço de mim é silêncio, outro é escuta

e o terceiro é o mistério.

 

 

Um terço é partida, outro é chegada e o

terceiro é recomeço.

Um terço é memória, outro é afeto e o

terceiro é saudade.

 

 

Os três terços da minha vida são

a mística, o sabor e o amor.

Os três terços da minha vida integram

sentir, degustar e significar.

Os três terços da minha vida desencadeiam

a busca, o calor e o prazer.

 

 

Viver com sentido é ter consciência

de que somos terra, semente e crescimento.

Somos árvores, folha e fruto.

Somos vento, força e perfume.

 

 

Viver com sentido

é voar ao ritmo, na melodia e na orquestra do amor.

Viver com realismo

é mover-se na dúvida, na certeza

e na prontidão.

Viver na alegria

é ser abrigo, fonte e sinal.

 

No sabor do viver é essencial

acolher o medo, crescer na confiança,

e lançar-se ao novo;

treinar a gratuidade, afinar o discernimento

e viver na esperança;

 

interpretar o ontem, viver o hoje

e abrir-se para um novo amanhã.

Sim, é fundamental alimentar o desejo

de ser constantemente aprendiz,

companheiro e amigo;

de buscar, diariamente, a docilidade,

a ternura e a firmeza;

de cultivar, eternamente, a verdade, o amor,

a fé e a liberdade.

 

No tripé do viver é salutar

afinar o ouvido para a escuta e a empatia;

afinar o coração para o afeto e o olhar nos olhos;

afinar os olhos do coração para contemplar as estrelas,

ver-se no espelho e ser luz.

 

A vida como um todo

é o todo do meu viver.

É o amor, é amar, é horizonte aberto.

É olhar para o alto, contemplar a Deus,

os outros e se encontrar.

 

Que Deus o abençoe!


 


Nenhum comentário

Auto-estima versus individualismo

04.08.2011 17:27:56

Nos últimos tempos, muito se tem falado sobre auto-estima. E, de alguma forma, homens e mulheres a tem desejado arduamente. No entanto, algumas pessoas confundem amor-próprio com individualismo e egoísmo. Ansiosas e empolgadas com a possibilidade de gostarem mais de si mesmas, assim como de reconhecerem com mais propriedade as suas qualidades, elas têm perdido a noção do equilíbrio entre dar espaço para que o outro seja e o seu próprio eu.

Tais pessoas passaram a valorizar a idéia de que devem amar-se como são e, especialmente, que merecem ser amadas exatamente da maneira que são. O resultado é que estão equivocando-se quanto aos conceitos derelacionamento, amor e felicidade.

Alguns dizem coisas do tipo: “Se fulano realmente me ama, deve aceitar-me como sou”. Existe uma enorme diferença entre aceitar o outro como ele é, e engolir tudo o que este faz sem argumentar, sem colocar-se, sem reagir a nada. Quando você diz “não vou mudar simplesmente porque fulano acha que estou errado”, sem ao menos refletir e considerar o que está sendo dito, não é sinal de amor-próprio, e sim de falta de humildade (além de arrogância).

Relacionamentos e amor são veículos importantes para que consigamos perceber nossas limitações e nossas dificuldades. Entretanto, se nos colocarmos como donos da razão (ainda que a tenhamos), tornamo-nos cegos para a oportunidade de reavaliar-nos, de ceder em alguns pontos e de admitir nossos enganos muitas vezes.

Precisamos ser mais flexíveis para perceber nossos enganos. Há momentos em que o outro tem razão. Quando nos permitimos reconhecer isso, podemos construir, por meio dos relacionamentos, a verdadeira auto-estima, e não muros que nos distanciem das pessoas, tornando-nos prepotentes e bem pouco atraentes.

A auto-aceitação é um sentimento excelente, desde que inclua a noção de que cometemos erros e, principalmente, de que só podemos ser felizes se, na mesma medida, soubermos aceitar o outro com suas diferenças e opiniões. Foi o que o Senhor Jesus ensinou. A lei se resume em amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Este amar a si mesmo só pode ser de fato uma conquista rumo ao amadurecimento quando se compreende que não se pode crescer sem a presença das pessoas, sem a troca de experiências, sem ceder e argumentar, sendo flexível, na medida justa do respeito ao próximo.

Existe uma grande diferença entre individualidade — singularidade, nosso jeito de ser — e o individualismo-considerar apenas a nós mesmos, sem reconhecer a individualidade do outro, tornando-nos egoístas. Assim, passamos a repelir as pessoas, o que nos deixa solitários. É isto justamente que o diabo deseja e mais tem realizado.

Estamos inseridos em uma sociedade onde as pessoas só estão pensando e vivendo em função dos seus interesses. Alguns, caso seja preciso, destroem os seus semelhantes. Em Mateus 7.12 está escrito: Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas.

Como conseqüência, temos visto o aumento dos transtornos afetivos, do divórcio, dos assassinatos, dos roubos, da impiedade. Em busca de uma auto-estima saudável, algumas pessoas estão se tornando altamente egoístas, avarentas, insensíveis.

Que possamos entender que a nossa auto-estima só é saudável quando nos damos conta de que precisamos uns dos outros para estabelecer trocas nas áreas espiritual, emocional, físicas e materiais. Assim, cumpriremos a recomendação em Ef 5.2a: Andai em amor, como também Cristo vos amou.

Um forte abraço!


Nenhum comentário

Aprenda a lidar com a tristeza

15.04.2010

 

A tristeza é um sentimento que responde a estímulos internos e externos; é uma resposta natural a frustrações e a situações de perda. A tristeza é uma resposta que faz parte de nossa forma de ser e estar no mundo. Ninguém recebe somente notícias boas o tempo todo.

Na vida, não há como fugir da tristeza. Portanto, não leve tão a sério os comerciais, em que tudo parece sempre imutavelmente lindo, alegre, perfeito... Tão perfeito que até os cachorros parecem sorrir o tempo inteiro.

E não é apenas na mídia que se vê uma busca pela perfeição e pela felicidade imediata e eterna. Vivemos em uma época na qual a felicidade constante é uma obsessão de todos. Muitas pessoas hoje vivem buscando a felicidade, sem se darem conta de que a tristeza faz parte da vida, e, quando passam por momentos de dor e frustração, sentem-se até culpadas, estranhas, diferentes das outras.

A obrigação de ser feliz o tempo todo está virando uma obsessão para muitos, a ponto de gerar angústia, porque as pessoas que só pensam em ser felizes o tempo todo sofrem muito mais, distanciam-se das pequenas alegrias da vida e não amadurecem, porque, como observou o psicólogo americano Martin Seligman, a tristeza é um dos raros momentos que nos permitem reflexão; voltar o olhar para nós mesmos e conhecer-nos melhor, saber o que queremos, do que gostamos, o que está errado. E somente com essa clareza de dados podemos buscar as atividades que nos dão prazer, que nos fazem felizes.

A tristeza com relação a algum fato nos leva a pensar sobre ele e a buscar soluções, ou seja, a tristeza é um mecanismo psíquico que nos dá condições de reflexão sobre nós mesmos inclusive para evitar a repetição do erro.

O sábio Salomão reconhecia isso, por isto declarou: Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, porque ali se vê o fim de todos os homens; e os vivos o aplicam ao seu coração. Melhor é a tristeza do que o riso, porque com a tristeza do rosto se faz melhor o coração. O coração dos sábios está na casa do luto, mas o coração dos tolos, na casa da alegria (Ec 7.2-4).

Assim como a dor e o medo, a tristeza nos ajuda a sobreviver, porque, se não sentíssemos medo, poderíamos atravessar uma rua sem olhar o sinal; se não tivéssemos dor, como o organismo poderia avisar-nos de que algo não vai bem? Se não estivéssemos tristes, como perceberíamos que nos comportamos/relacionamos mal ou fizemos escolhas erradas?

Enfim, a tristeza é saudável quando é um sentimento passageiro e leva-nos à reflexão. Mas, para que não se torne um estado mórbido de melancolia, você deve vivenciar e expressar a sua tristeza por meio da fala. Por isto, na Bíblia, somos incentivados a orar, a falar com Deus e contar-lhe tudo que pensamos, sentimos e desejamos. Em especial no livro de Salmos, vemos vários “desabafos” do rei Davi (ver Sl 42).

O apóstolo Paulo nos revelou que, em muitos momentos de dificuldades em sua vida, quando a tristeza invadia o seu ser, ele procurava a ajuda de Deus, e o Senhor o consolava com a companhia e o carinho dos amigos e irmãos em Cristo (ver 2 Co 7.5-10; Fp 2.25). Então, compartilhe sua tristeza com um amigo de confiança. Não fique sofrendo calado, isto não lhe fará bem. Abra o seu coração e conte para Jesus qual é a sua dor; ore, clame, peça ajuda a Ele; mas converse com outra pessoa de sua confiança sobre aquilo que o incomoda, e você será beneficiado.


 


Nenhum comentário

Segredos para mantermos relacionamentos saudáveis

15.04.2010

O ex-presidente da General Eletric escreveu algo que nos faz refletir sobre relacionamentos: “Temos de desfazer um conceito secular e convencer nossos gerentes de que seu papel não é controlar as pessoas e ficar por cima, e sim orientar, educar, energizar e estimular”.


Como seres humanos, feitos à imagem e semelhança de Deus, fomos criados para mantermos relacionamentos saudáveis com o Senhor, conosco e com todos os nossos semelhantes. E isso em qualquer lugar onde colocarmos a planta de nossos pés, pois Jesus nos deu esta ordenança no Sermão do Monte: Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus (Mt 5.9).


Durante seu ministério terreno, Jesus nos deixou muitos ensinamentos. Quando Ele falou sobre a bem-aventurança de ser um pacificador, em outras palavras, destacou que os filhos de Deus devem ser solucionadores de conflitos em todas as áreas: espiritual, conjugal, com os filhos ou profissional.


Fomos criados por Deus para sermos “seres de ajuda”. Foi este o exemplo que o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo nos deu enquanto viveu neste mundo como homem. Sempre que Ele encontrava pessoas necessitadas, procurava ajudá-las. Foi assim com o cego de Jericó, a mulher samaritana, Maria Madalena, os leprosos, a mulher cananéia, o publicano Zaqueu, a mulher do fluxo de sangue, os discípulos e muitas outras pessoas.


Jesus é o nosso maior e melhor exemplo de vida para que tenhamos relacionamentos saudáveis. Ele veio sinalizar-nos que Deus nos criou para ajudarmos uns aos outros.


Esta é a cultura da dádiva (doar, ofertar, presentear) — algo que o Altíssimo exerceu muito bem, como vemos em João 3.16: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.


Que linda e importante expressão de doação! O Criador deu o que tinha de melhor e mais precioso em prol do outro, da humanidade como um todo. Que linda expressão de amor e compaixão pelo ser humano! Como participantes do Reino dos céus aqui na terra, devemos cultivar o hábito de doar! Afinal, todos nós necessitamos sentir-nos reconhecidos, amados, aceitos, valorizados, prestigiados e úteis para podermos viver bem.


Entretanto, para que isto aconteça, precisamos estar dispostos a ajudar uns aos outros. Basta termos a humildade para ver com clareza de que tipo de auxílio estamos necessitando ou que podemos oferecer ao próximo. Quando nos conectamos aos outros, conseguimos enxergar-nos como parte de um todo e, assim, participar de uma rede de trocas nas áreas espiritual, emocional, física e material.


É possível que nesta rede de trocas haja momentos agradáveis, e outros não tão agradáveis. Mas o fato é que, independente disso, as oportunidades sempre nos farão evoluir e melhorar a cada dia. Este amadurecimento é vital para fazermos a diferença nesta terra, pois nos ajuda a proporcionar boas experiências para nós mesmos e para aqueles com quem convivemos.


Sendo assim, busquemos ter respeito ao próximo e valorizar os relacionamentos. Utilizemos sempre estas palavras “mágicas”, essenciais para um convívio saudável: com licençadesculpe-mepor favorobrigadoamo vocêvolte sempredisponha, a paz do Senhor.


Nenhum comentário

Viva com propósito

15.04.2010

Todos nós, seres humanos, enquanto não estabelecermos um objetivo para o nosso viver diário, não poderemos dar o melhor de nós em nossas atividades diárias; ou talvez iremos passar toda a nossa vida fazendo coisas erradas e com projetos inacabados.


A palavra propósito quer dizer aquilo que se busca alcançar quando se faz alguma coisaaquilo a que alguém se propôsobjetivo e finalidade. Logo, quando o ser humano se propõe a fazer diferença neste mundo e a realizar seus sonhos e projetos, ele precisa conscientizar-se de que sua vida deve ser direcionada por um propósito que esteja ao seu alcance realizá-lo.


Infelizmente existem muitas pessoas que estão sofrendo, pois ainda não conseguiram definir seus objetivos, e vivem desorientadas na área espiritual, emocional, física e material.


Deus, ao criar o ser humano, criou-o com um propósito específico: ser a coroa da criação de Deus; ser bênção, luz; ser como Cristo foi nesta terra. Como o apóstolo Paulo falou em 1 Coríntios 10.31: “Tudo o que vocês fizerem nesta terra, seja beber,comer, trabalhar, estar em família, ir à igreja, passear, ou outras coisas; façam tudopara a honra e glória do nome de Jesus” (paráfrase da autora).


Olha a definição de nossos propósitos. Todos eles devem ser realizados com o objetivo de Jesus Cristo ser exaltado e engrandecido. Portanto, é uma responsabilidade pessoal vivermos neste mundo com propósito e com a finalidade de não desistirmos daquilo que o Senhor nos tem confiado.


Saiba que Satanás vai fazer de tudo para que você não descubra seus propósitos ou viva desistindo deles. Muitas dificuldades vão surgir, mas o segredo é manter-se firme em sua decisão de ir até o fim. Como Jesus disse em Lucas 9.62: ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o Reino de Deus.


Então, se você está pensando em desistir de seus projetos e propósitos, sejam na área espiritual ou material, lembre-se de que o Senhor não deseja isto para você; Ele se entristece, quando alguém não confia nele nem acredita em si mesmo.


Cada um de nós tem uma vocação, um propósito específico nesta terra. O mundo precisa de você; e o que compete a você é responsabilidade sua. Saiba que, aquilo que Deus determinou para que você realizasse, Ele não cobrará de outra pessoa, mas de você. Peça ao Senhor para ajudá-lo a identificar suas habilidades e os propósitos dele para sua vida.


Aqui estão algumas perguntas que você deve fazer-se e que irão ajudá-lo a identificar seu objetivo:


— O que estou buscando? Todos nós temos um forte desejo no fundo do coração, algo que fala a nossos pensamentos e sentimentos mais profundos; algo que inflama nossa alma. Você só precisa encontrá-lo.


— Por que fui criado? Cada um de nós é diferente. Pense no inigualável conjunto de habilidades que possui, nos recursos à sua disposição, em sua história pessoal e nas oportunidades à sua volta. Se objetivamente identificar esses fatores e descobrir o desejo de seu coração, terá dado um grande passo no sentido de descobrir seu objetivo na vida.


— Acredito em meu potencial? Se você não acreditar que tem potencial, jamais tentará alcançá-lo. A dúvida gera a incredulidade, em Deus e em você; levando-o ao fracasso. O presidente Theodore Roosevelt disse: “Faça o que pode, com o que tem, onde estiver.” Se fizer isso com os olhos fixos no objetivo de sua vida. O que mais se pode esperar de você?


— Quando começar? A resposta para essa pergunta é: AGORA. Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Aplicai o vosso coração aos vossos caminhos (Ag 1.7).



1 comentário

Viva a liberdade!

04.08.2011 17:23:59

Como filhos de Deus, somos livres! Claro que isso é possível mediante a graça redentora de nosso Senhor eSalvador Jesus Cristo, a quem amamos e cuja volta triunfal e maravilhosa esperamos.

Em Apocalipse 3.14-22, Deus fez uma advertência à Igreja que se encontrava em Laodicéia, dizendo aos seus membros que eles não eram frios nem quentes, e sim mornos. Ou seja, viviam de aparência, usando máscaras em sua família, no trabalho, na cidade em que moravam. Eles agiam de maneira totalmente diferente de quando estavam na igreja.

Entretanto, observe que atitude linda e importante, que promessa maravilhosa Deus fez a eles, pois ela se estende a mim, a você e a toda a nossa geração na face da terra. Nos versículos 21 e 22 de Apocalipse 3, em outras palavras, está escrito: Ao que vencer, lhe concederei que se assente comigo no meu trono, assim como eu[Jesus] venci e me assentei no trono com meu Pai [Deus de todo poder nos céus, na terra e no mar; e tudo está sob o Seu controle]. (Adaptação e ampliação da autora)

Eu, você e todos que estiverem lendo este artigo e que têm sido dirigidos pelo Espírito Santo de Deus somos a Igreja de Cristo aqui na terra. Nestes últimos dias, o Senhor está à procura de uma Noiva que seja fiel, obediente, sincera, humilde, de caráter íntegro, que tenha uma vida autêntica. O Senhor deseja que os membros do Seu Corpo sejam — em casa, no trabalho, na faculdade, no cursinho, enfim, em qualquer lugar — uma luz que ilumine este mundo em trevas, que jaz no maligno.

Como Igreja de Cristo, devemos cultivar bons hábitos e desenvolver o fruto do Espírito, que consta em Gálatas 5.22: amor, [compaixão, companheirismo, humildade, perdão], alegria, [celebração, comunhão], paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, [lealdade], mansidão, [paciência], [fé], domínio próprio [autocontrole do nosso temperamento]. O mundo verá Deus em nossa vida por meio de nossasatitudes, que refletem nossos hábitos [nossa maneira habitual de pensar, sentir e agir].

Deus nos deu dois presentes: o nosso corpo e o nosso tempo. O que você tem feito com eles? Acredito que, se está se cuidando fisicamente e sabe administrar seu tempo nas áreas espiritual, emocional e física, você terá uma boa qualidade de vida. Como Corpo de Cristo neste mundo, onde você estiver atrairá pessoas pela graça de Cristo, que, quando começa a reinar em nosso ser, desperta nosso desejo pelo bem-estar.

Entenda que só mediante a graça de Jesus passamos a transmitir uma energia positiva, revelada em nossas palavras, ações, atitudes e em nossos pensamentos. Dessa forma, descobrimos a grandeza de sermos livres, libertos, como Jesus Cristo foi. Pela Sua luz, Seu jeito de ser especial, Cristo levou e tem levado multidões a seguir Seus passos e a querer encontrar-se com Ele na glória.

A Palavra de Deus declara em Romanos 5.8 (BV): Deus, no entanto, mostrou seugrande amor por nós, enviando Cristo para morrer por nós enquanto ainda éramos pecadores. Que exemplo de amor graça! Entenda esse segredo, e você será livre física, material, mental, emocional e espiritualmente!

Seja livre em Jesus Cristo, como parte do Corpo dele nesta terra. Sorria, abrace, beije, confraternize-se, seja você mesmo, pois você é único! Viva com prazer e satisfação os dias que Deus lhe tem proporcionado neste mundo. Assim, você, seus filhos, netos, bisnetos, enfim, toda a sua geração viverá dias celestiais e divinos. Não deixe para ser feliz só quando chegar ao céu. O nosso céu começa aqui. Já tomei posse da minha Canaã. E você?

Seja livre, escreva uma história de vitória!



Nenhum comentário

O segredo de pertencer ao Reino de Deus

15.04.2010

Uma pessoa se torna vitoriosa a partir do momento em que passa a fazer parte do Reino de Deus.

Quando alguém abre o seu coração para aceitar Jesus Cristo como o seu único e suficiente Salvador e Senhor da sua vida, os pecados, todos eles, independente do que a pessoa tenha feito, são perdoados, cancelados e lançados no mar do esquecimento. Então, a pessoa adquire um novo modo de pensar, falar e agir. Ela passa a ter uma nova mentalidade: a mente de Cristo.

Sendo assim, se você deseja ser uma pessoa vitoriosa, abençoada, próspera física, emocional e espiritualmente, abra seu coração e confesse com a sua boca que aceita o Senhor Jesus como o Senhor da sua vida. Visite igrejas evangélicas e faça parte daquela na qual você se sinta bem. Integrando o Corpo de Cristo, você estará alistando-se em um exército de pessoas vitoriosas nesta terra, que, independente das circunstâncias, crêem em todas as promessas da Bíblia Sagrada e tomam posse, pela fé, de todas elas.

Convido você a fazer parte deste Reino. Se já faz parte dele, meu convite é para que reforce e renove a sua fé nas promessas de Deus, pois a Palavra nos incentiva a olharmos para Jesus e guardarmos a fé que professamos.

Nunca deixe nada nem ninguém fazer com que você esqueça este grande segredo: Você é uma pessoa amada, aceita, escolhida e chamada por Deus para fazer parte do Seu Reino aqui na terra; portanto, é vitoriosa por meio de Cristo Jesus! Cultive pensamentos e atitudes de alguém que, mesmo passando por adversidades, sabe quem é e a que Reino pertence.

Tome posse deste segredo: você é propriedade exclusiva de Jesus Cristo, você tem a marca dele, o Espírito Santo!

Em Efésios 1.4 está escrito: Antes da criação do mundo, Deus já nos havia escolhido para sermos dele por meio da nossa união com Cristo, a fim de pertencermos somente a Deus e nos apresentarmos diante dele sem culpa.

Viva como uma pessoa vitoriosa, adorando, louvando, agradecendo, intercedendo e fazendo a diferença onde você pisar. Saiba que Ele colocou você nesta terra para desempenhar um propósito específico, que só você pode realizar.

O propósito de Deus para nós é que sejamos cada dia mais parecidos com Ele, que o adoremos diariamente e enchamos a terra de adoradores dele. Foi para isto que Ele nos criou. Estamos aqui para expandir o Seu Reino, que nunca terá fim.

Quando compreender que faz parte do Reino de Deus para ser como Cristo foi aqui, você se esforçará para ser melhor a cada dia e fará o que estiver ao seu alcance para que as pessoas à sua volta e aquelas com as quais se relaciona sejam atraídas a Jesus, tornando-se também melhores.

Deus deseja que na sua família, na sua vizinhança, na sua igreja e no seu trabalho você seja uma bênção e transmita as boas-novas às pessoas. Ele conta com você. Ele tem colocado você em determinados lugares porque, por seu intermédio, pessoas serão alcançadas para Cristo e passarão a fazer parte do Reino de Deus. Creia que o Senhor vai capacitar você [...]. Aceite sua missão e promova o Reino de Deus. Este é o segredo para ser uma pessoa vitoriosa!



Nenhum comentário

Busque o equilíbrio em seu viver diário

15.04.2010

Viver é como fazer malabarismo; é como se tentássemos equilibrar cinco bolas ao mesmo tempo: o trabalho, a família, a saúde, os amigos e a vida espiritual. Todas estas bolas são essenciais. O trabalho é como uma bola de borracha, que, se a deixarmos cair, quica e volta para nós. Mas as outras quatro são de vidro. Se caírem, quebram-se e danificam-se permanentemente. Entenda isso e busque o equilíbrio na vida. Como? Aqui vão algumas dicas:

 

1) Não diminua seu próprio valor, comparando-se a outras pessoas. Somos todos diferentes. Cada um de nós é um ser especial. Ninguém pode fazê-lo sentir-se inferior sem a sua autorização.

2) Não fixe seus objetivos com base no que os outros acham importante. Só você está em condições de escolher o que é melhor para você.

3) Dê valor e respeite as coisas que lhe são caras. Apegue-se a elas como à própria vida. Sem elas, a vida carece de sentido.

4) Não deixe que a vida escorra entre os seus dedos. Aproveite bem o seu tempo com coisas úteis, que valem a pena e trazem crescimento.

5) Não se prenda ao passado nem fique ansioso pelo futuro. Se viver um dia de cada vez, aproveitará todos os dias da sua vida.

6) Nunca desista, especialmente quando for capaz de um esforço maior. Nada termina até o momento em que deixamos de tentar.

7) Não tema admitir que não é uma pessoa perfeita.

8) Não tema enfrentar riscos. É correndo riscos que aprendemos a ser valentes e corajosos.

9) Não exclua da sua vida o amor, pensando não ser possível encontrá-lo. A melhor forma de receber amor e dando-o. Em contrapartida, o modo mais rápido de se ficar sem o amor é apegando-se demasiadamente a si próprio. Para que o amor perdure, deve ser cultivado diariamente.

10) Não corra tanto pela vida a ponto de esquecer onde esteve e para onde vai! A vida não é uma corrida, mas uma viagem que deve ser desfrutada passo a passo.

11) Não tenha medo de aprender! O conhecimento é leve. É também um tesouro que se carrega facilmente. Além disso, é um tesouro que ninguém poderá tirar de você.

12) Não use imprudentemente o tempo ou as palavras, pois jamais poderão ser recuperados! Atente para o conselho do autor sagrado: Não multipliqueis palavras de orgulho, nem saiam coisas arrogantes da vossa boca, porque o SENHOR é o Deus da sabedoria e pesa todos os feitos na balança (1 Samuel 2.3ara). E lembre-se: “o ontem é história, o amanhã é mistério, e o hoje é uma dádiva; por isso se chama presente”.

 

Deus o abençoe!



Nenhum comentário

Nossas atitudes determinam o nosso sucesso ou o nosso fracasso

15.04.2010

 

Atitude [...] é o nosso desejo pelo progresso. Suas raízes ficam no interior, mas seu fruto é exterior. É nossa melhor amiga, ou nossa pior inimiga. É mais honesta e mais consistente do que nossas palavras. É nossa visão de mundo, com base em experiências do passado. É algo que aproxima as pessoas de nós, ou que as repele. Nunca está satisfeita até que possa ser expressa. É a biblioteca de nosso passado. É a porta-voz de nosso presente. É a profetiza de nosso futuro” (John C. Maxwell).

Enfim, atitude é algo que expressamos por meio de nosso comportamento, de nossa maneira de falar, agir e relacionar-nos, mas que também pode ser discernida sem que nenhuma palavra seja dita. Lembre-se das pessoas mal-humoradas, de cara feia. Mais do que isso, note aqueles que, pelo olhar, pelo sorriso ou pela fala, demonstram que estão de bem com a vida. Estes possuem uma alegria que contagia os que estão ao redor e o ambiente onde estão.

O filósofo e psicólogo James Allen afirmou que “uma pessoa não pode mover-se interiormente e continuar imóvel por fora”. Logo, aquilo que acontece no íntimo de todo ser humano, seja de bom ou de ruim, afetará o seu exterior. Por isso, a Bíblia é tão maravilhosa! Nela, é dito: Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as saídas da vida (Pv 4.23).

Você já parou para pensar como é vital cuidar do seu interior, fazer uma auto-reflexão e conhecer-se melhor? Existem muitas pessoas que parecem estar bem exteriormente, mas o interior delas está desorganizado. E, muitas vezes, elas se perguntam: “por que não consigo relacionar-me firme com ninguém?”; “por que não consigo ser determinado nos meus objetivos espirituais, ando desanimado no trabalho, sem metas, e vejo o mundo de um modo pessimista?”

Saiba que nós somos responsáveis por nossa visão de mundo. A Bíblia, há centenas de anos, já anunciava:Porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará (Gl 6.7). Nossa atitude em relação à vida que Deus nos tem dado ajuda a determinar o que nos acontece. É impossível estimar o número de empregos perdidos, de promoções não obtidas, de vendas não realizadas e de casamentos destruídos por causa de pensamentos e atitudes medíocres. Entretanto, todos os dias testemunhamos empregos obtidos, casamentos restaurados e pessoas bem-sucedidas, porque elas perceberam que são responsáveis pelo seu próprio comportamento e mudaram suas atitudes.

Como imaginou na sua alma, assim é (Pv 23.7). Que segredo maravilhoso! Deus está nos orientando a pensar coisas boas não só com relação à nossa vida, mas a todas as pessoas com quem nos relacionamos. E Ele nos motiva à mudança diariamente.

Você pode ser uma pessoa melhor em todas as áreas de sua vida. Permita que Deus seja o Senhor da sua vida e dirija os seus passos. Tenha fé, determinação e coragem. Pense de maneira saudável e positiva. Aprenda a fazer declarações positivas. Isso o ajudará a acreditar em si mesmo e a mudar seus hábitos negativos.

Exclua de sua mente frases negativas, do tipo “não posso”, “duvido”, “acho que não vai dar certo”, “não tenho tempo”, “talvez”, “não acredito”, “é impossível”, “não é para mim”. Diga: “posso”, “irei”, “espero o melhor”, “arrumarei tempo”, “estou confiante”, “acredito que todas as coisas são possíveis, pois Deus é fiel”.

Que você se conscientize de que o sucesso ou o fracasso em sua vida estão em suas mãos. Tudo dependerá das suas escolhas e atitudes. Quer você tenha 20, 40, 50, 60 anos de idade, nunca é tarde demais para mudar de atitude. “A chave para uma boa atitude é a disposição de mudar”.

Deus o abençoe!

 


Nenhum comentário

A luz de Cristo em nossa vida

15.04.2010

Neste mês, comemoramos uma data muito especial: o nascimento do Salvador, a luz verdadeira, que alumia a todo homem que vem ao mundo (Jo 1.9). Se existe algo que devemos celebrar em dezembro, é a vinda de Jesus ao mundo, Aquele que foi a aurora de um novo dia para o ser humano, acorrentado ao pecado (Lc 1.77-79).

Assim como a criação começou um haja luz, o novo nascimento do homem começa com a entrada da luz divina no coração do que crê em Jesus (2 Co 4.3-6). Mesmo após a desobediência de Adão e Eva, que imprimiu uma natureza pecaminosa em todo ser humano, Deus nos amou de um modo tão grande e intenso que isto foge ao nosso limitado entendimento.

Nós estávamos cegos quanto à verdade, desorientados e sem rumo espiritual e emocionalmente. Mas o Senhor veio ao nosso encontro para nos socorrer. Ele enviou Seu único Filho, o amado Jesus, até nós para ministrar a verdade ao nosso coração, testemunhar sobre o amor do Pai e trazer a luz do conhecimento à nossa mente, revelando-nos quem é o nosso Deus e o que Ele deseja de nós nesta terra.

Desde o nascimento de Jesus, o mundo nunca mais foi o mesmo, muito menos a humanidade. A encarnação do Verbo divino foi tão importante que dividiu as eras em duas: antes e em depois de Cristo. E precisamos ter em mente que Jesus nasceu, cresceu e viveu nesta terra, sobretudo, para ser o exemplo de ser humano que devemos imitar. Daí a recomendação de Paulo: Que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo, que [...] não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo [...] sendo obediente até à morte (Fp 2.5-8).

Infelizmente, a luz do Filho de Deus passou a incomodar as pessoas. Assim, muitas tentaram matá-lo. Outras, porém, reconheceram a grandeza e deidade dele; entenderam que Ele veio trazer salvação, libertação, cura, milagres, prosperidade, fé, comunhão, unidade e amor; receberam-no como Salvador e Senhor, e puderam desfrutar do plano de Deus e de uma vida melhor.

Que neste Natal, quando você estiver celebrando Cristo com sua família ou na sua igreja, faça uma reflexão sobre sua vida. Veja se a luz do Filho de Deus tem brilhado o suficiente em você para servir de orientação e canal de bênção para outros seres humanos, a começar por seus familiares e irmãos em Cristo.

O maior desejo de Cristo é que brilhemos, fazendo a diferença como Ele fez. Então, façamos tudo sem murmurações nem contendas, para que [nos tornemos]irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual [resplandecemos] como luzeiros no mundo (Fp 2.14,15ara).

Neste mundo que jaz na escuridão do pecado, somente os que possuem a luz de Cristo podem iluminar a vida dos desesperançosos, transmitindo-lhes a mensagem de salvação por meio da fé em Jesus. Este é o verdadeiro sentido do Natal: celebrarmos a vinda de Jesus a este mundo, para fazer a diferença e mudar o ser humano para melhor, dando-lhe a garantia da vida eterna.

Meu desejo de coração é que você esteja cheio da graça e do amor de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Um feliz Natal, cheio das bênçãos de Deus, para você e toda a sua família. E um feliz Ano Novo, repleto de saúde, paz, alegria, unção, poder, prosperidade e autoridade. Agradeço de coração por suas orações e contribuições.

Um grande abraço!



1 comentário

Relacionamentos - Feliz Ano Novo!

12.04.2010

Estamos iniciando mais uma nova etapa em nossa vida. Que o ano de 2010 seja:


1 ano de vitórias e grandes conquistas!
 
2 semestres de otimismo, fé e coragem!
 
12 meses de bênçãos e intimidade com Deus!
 
53 semanas de desafios e amor ao próximo!
 
365 dias de grandes prosperidades e satisfação com Jesus!
 
8.760 horas de saúde e renovação diária!
 
525.600 minutos de paz, saúde, alegria, amor, unção e autoridade!
 
31.536.000 segundos vivendo com Jesus!

Que neste novo ano, possamos aprofundar o nosso relacionamento com Deus. Que haja mudança para melhor nas áreas espiritual, emocional, física e material. Que tudo o que fizermos seja feito em nome do Senhor Jesus, pois como está escrito em 1 Coríntios 10.31: Portanto queridos irmãos, quer comais, quer bebais, quer façais outra qualquer coisa; Fazei tudo para honra e glória do nome de Jesus.

Tudo o que você fizer, faça com amor e com simplicidade, como se estivesse fazendo para Deus. Concentre-se na pessoa e na presença de Jesus a seu lado em todos os momentos e em todas as situações de sua vida. Até nos momentos que aparentemente parecerem inconsequentes e difíceis, mantenha sempre seus pensamentos voltados para Deus. Peça-lhe ajuda e orientação. Compartilhe sempre com Ele o que vai em seu coração, pois quando o nosso interior está bem ordenado, não só ficamos cada vez mais livres do pecado, como também do desejo de pecar. Se o nosso ser estiver equilibrado de fato, amaremos Deus, as pessoas, e não teremos prazer em enganá-las, manipulá-las, invejá-las ou maltratá-las.

Minha oração é que Deus use você com graça, poder, unção e autoridade neste novo ano!

Um grande abraço, que Deus o abençoe.


Eu o Senhor, sei os caminhos que tenho preparado para você. Caminhos de Paz e não de maldição; para lhes dar uma esperança e um futuro de Paz!

Jeremias 29.11

 


5 comentários